UMA AULA DE HISTÓRIA NÃO NARCÍSICA

Palavras-chave: Aula não narcísica, Perspectivismo, Aula Tentacular, Temporalidade, Sentido

Resumo

Trata-se de um ensaio teórico sobre a aula de História. A partir da disposição inicial de hesitar diante das práticas narrativas modernas, eurocêntricas e, notadamente, narcísicas, o artigo propõe tecer um caminho de desvio. O que requer problematizar a universalidade do regime moderno de historicidade, para, desde uma posição perspectivista, em diálogo com Nietzsche, Viveiros de Castro e Deleuze, pensar uma Aula Tentacular, não narcísica. Nessa aula, cujo conceito é pensado e dramatizado no artigo, questiona-se a limitação do sentido à identidade entre matéria e imaginação, ligando o trabalho do sentido ao impensado. Depreende-se que as ações mais importantes para uma aula não narcísica consistem em hesitar e “estar à espreita” em relação aos modos como acionamos espelhos perceptivos e como tornamos o passado narrativa. O objetivo de criar condições para uma aula não narcísica também parte do diálogo com Bergson, supondo ser possível experimentar “um pouco de tempo em estado puro”, insistindo no caráter sempre contingente do tempo bloqueado sob a forma lógica de cenários possíveis. O resultado é uma aula de História por onde escorrem o ilimitado do sentido, a multiplicidade da matéria e a pluralidade das temporalidades de povos, culturas ou modos de vida.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nilton Mullet Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, da área de Ensino de História.

Gabriel Torelly, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Doctor en Educación por la Universidad Federal de Rio Grande do Sul. Trabaja como investigador en el área de teoría y metodología de la enseñanza de la Historia y en la línea de investigación sobre las filosofías de la diferencia y la educación.

Referências

AVILA, Arthur Lima de; NICOLAZZI, Fernando; TURIN, Rodrigo (Oorganizadores.). A História (in)disciplinada: teoria, ensino e difusão do conhecimento histórico. Vitória: Editora Milfontes, 2019. 278 p.

BELLO, Samuel Edmundo Lopez; MARQUES, Diego Souza. Imagens-estilhaçadas: fissuras de um método de pesquisa-aprendizagem. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 19, n. 4, p.759-772, out./dez. 2017.

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1996.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; GOMES, Luana Barth. A Temática Indígena na Escola: ensaios de educação intercultural. Currículo sem Fronteiras, Lisboa; Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 53-69, jan./ abr. 2012.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. Trad. Adolfo Casais Monteiro. São Paulo: Ed. UNESP, 2010a.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010b.

BIANCO, Giuseppe. Gilles Deleuze Educador: sobre a pedagogia do conceito. Revista Educação e Realidade, v. 27, n. 2, p. 179-204, jul./dez. 2002.

BRÉHIER, Émile. A teoria dos incorporais no estoicismo antigo. Trad. Fernando Padrão de Figueiredo e José Eduardo Pimentel Filho. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

CASSIN, Barbara. O efeito sofístico: sofística, filosofia, retórica, literatura. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Maria Cristina Franco Ferraz e Paulo Pinheiro. São Paulo: Ed. 34, 2005.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. 3ª edição. São Paulo: Editora 34, 2013.

DELEUZE, Gilles. Logique du sens. Paris: Les éditions de minuit, 2015.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 2010.

GIL, José. Caos e ritmo. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2018.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

HISTÓRIA: ensino fundamental. Coordenação: Margarida Maria Dias de Oliveira. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. 212 p.: il. (Coleção Explorando o Ensino; v. 21).

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés; Pref. Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Trad. Cristina Antunes, João Wanderlei Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. 3ª e. Ed. São Paulo: Editora 34, 2013.

LYOTARD, Jean-François. O Inumano. Lisboa: Editorial Estampa, 1997.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Trad. Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

MEINERZ, Carla Beatriz; CAIMI, Flávia Eloisa; OLIVEIRA, Sandra Regina. F. O Improvável na Aula de História: sociabilidades, racialidades e modos de estar junto na escola. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 20, n. 45, p. 53-72, set./dez. 2018. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/issue/view/267. Acesso em: 01 dez. 2019. DOI-COD: http://dx.doi.org/10.22196/rp.v20i45.4486

MELIÀ, Bartolomeu. A terra sem mal dos Guarani. Revista de Antropologia, v. 33, p. 33-46, 30 dez. 1990. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/111213. Acesso em: 05 fev. 2020.

MONTEIRO, Ana Maria F. C.. A história ensinada: algumas configurações do saber escolar. REVISTA HISTÓRIA & ENSINO, Londrina, v. 9, p. 09-35, out. 2003. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/12075/10607. Acesso em: 05 dez. 2019.

MOURA, Carla de. As Marias da Conceição: por um ensino de história situado, decolonial e interseccional. 2018. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2018.

MOURA, Rosana Silva de. A interpretação da estética da infância em Rousseau e Benjamin. Revista contrapontos [eletrônica], v. 14, n. 1, p. 220-233, jan./abr. 2014, p. 220-233. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/5032. Acesso em: 14 jul. 2020.

NADAI, Elza Nadai; LAGOA, Ana. História: o bonde que a escola perdeu. Revista Nova Escola. São Paulo: Abril, n. 53, p. 16, nov. 1991.

NEYRAT, Frédéric. Occupying the future. In: WITZGALL, Susanne; STAKEMEIER, Kerstin. The presente of the future. Zurich: Diaphanes AG, 2018. p. 79-90.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

PEREIRA, Júnia Sales. Do Colorido a Cor: o complexo identitário na prática educativa. In: GONÇALVES, Marcia de Almeida et al. (Org.). Qual o Valor da História Hoje? Rio de Janeiro: FGV, 2012. p. 306-322.

PEREIRA, Mateus H. F.; ARAUJO, Valdei Lopes de. Reconfigurações do tempo histórico. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 270-297, 5 jun. 2017.

PEREIRA, Nilton Mullet. O que se faz em uma aula de História? Pensar sobre a colonialidade do tempo. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 20, n. 45, p. 16-35, set./dez, 2018. Disponível em: file:///C:/Users/nilton/Downloads/4512-16596-1-PB%20(15).pdf. Acesso em: 05 maio 2019. DOI-COD: http://dx.doi.org/10.22196/rp.v20i45.4512.

PRADO JR., Bento. Erro, ilusão, loucura: ensaios. São Paulo: Ed. 34, 2004.

RAMOS, Douglas Bandeira; MOREIRA, Marcus Ribas. Relatório de Estágio de Docência em História. Ensino Fundamental. Disciplina EDU 2088, ESTÁGIO DE DOCÊNCIA EM HISTÓRIA - ENSINO MÉDIO (2019/02). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2019.

SETH, Sanjay. Razão ou raciocínio. Clio ou Shiva? História da historiografia, Ouro Preto, n. 11, p.173-189, abril 2013.

SILVA, Cleber Daniel Lambert da. Deleuze e Bergson: tensão, esforço e fadiga na instauração filosófica. 2014. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) -– Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos: UFScar, 2014. 251 f.

TADEU, Tomaz; CORAZZA, Sandra; ZORDAN, Paola. Linhas de escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. 208p.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. 5 ed. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

Publicado
2020-12-11
Como Citar
PEREIRA, N. M.; TORELLY, G. UMA AULA DE HISTÓRIA NÃO NARCÍSICA. Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. Especial, p. 753-767, 11 dez. 2020.