“REGRAS SÃO REGRAS, MESMO QUANDO ELAS NÃO EXISTEM”

pânico moral e multiculturalismo em práticas docentes

Palavras-chave: Diferença, Identidade, Conservadorismo, Gênero, Sexualidades

Resumo

A segunda década deste século está sendo marcada pela ascensão de discursos conservadores e perspectivas políticas que buscam apagar conquistas e lutas populares que marcaram vitórias de grupos e movimentos sociais de minorias políticas que repercutiram em agendas nos campos curriculares da educação. Nessa perspectiva, o objetivo deste artigo é refletir, a partir das provocações multiculturalistas decoloniais, sobre alguns eixos desencadeados pelo “pânico moral” em docentes que realizaram formações em gênero, sexualidade e relações étnico-raciais ofertadas pela Universidade Federal do Rio Grande, entre os anos de 2007 e 2016. Para tanto, realizamos quatro rodas de conversas com 24 docentes da Educação Básica da mesorregião do sudeste do Rio Grande do Sul. Em suas narrativas, as/os docentes apresentaram a escola como um universo de múltiplas culturas pautadas pelas diferenças que não poderiam ser hierarquizadas, o que nos evidencia a valorização e o reconhecimento da multiplicidade político-identitária que compõe as escolas. Contudo, foram latentes os danos psicossociais e políticos que as propagandas conservadoras vêm produzindo em suas práticas pedagógicas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcio Caetano, Universidade Federal de Pelotas, Brasil.

Pós-doutor em Currículo e Narrativas Audiovisuais, com apoio do PNPD-CAPES, no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Docente da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas.

Paulo Melgaço da Silva Junior, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Artes Cênicas e Prefeitura Municipal de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil.

Pós-doutor e doutor em educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Professor-colaborador no PPGEAC-Unirio e Professor da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias e do Estado do Rio de Janeiro. 

Referências

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAETANO, M. Performatividades reguladas: heteronormatividade, narrativas biográficas e educação. Curitiba: Appris, 2016.

CAETANO, M.; SILVA JR, P. M. da; GOULART, T. Famílias, masculinidades e racialidades na escola: provocações queer e decoloniais. Revista Faeeba, v. 25, p. 127- 143, 2016.

CANDAU, V. “Ideias-Força” do pensamento de Boaventura Souza Santos e a Educação Intercultural. In: ____. (Org.). Interculturalizar, descolonizar, democratizar: uma educação “outra”?. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016. p. 76 – 96.

CANDAU, V. Didática: questões contemporâneas. Rio de Janeiro: Forma & Ação, 2009.

CANDAU, V.. Sociedade, Educação e Cultura(s). 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2010

CANEN, A.; XAVIER, G. P. Gestão do currículo para a diversidade cultural: discursos circulantes em um curso deformação continuada de professores e gestores. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 2, p. 306-25, 2012.

CASTELLS, M. A comunicação em rede está revitalizando a democracia. Disponível em: https://www.fronteiras.com/entrevistas/manuel-castells-a-comunicacao-em-rede-esta-revitalizando-a-democracia. Acesso em: 01 mar. 2020.

CÉSAR, M. R.; Duarte, A.; SIERRA, J. Governamentalização do estado, movimentos LGBT e escola: capturas e resistências. Educação, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 192-200, maio/ago. 2013.

COHEN, S. Folk devils and moral panics: the creation of mods and rockers. London: MacGibbon & Kee, 1972.

CRENSHAW, K. W. A Intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: V.V.A.A. Cruzamento: raça e gênero. Brasília, DF: Unifem. 2004.

FERRARI, A. Ma vie en Rose: gênero e sexualidades por enquadramento e resistências. In: FERRARI, A. (Org.). Educação em Foco: gênero, sexualidade, cinema e educação. Juiz de Fora: EDUFJF, 2009. p. 117-141.

FERRARI, A. Silêncio e silenciamento em torno das homossexualidades masculinas. In: FERRARI, A.; MARQUES, L. P. (Orgs.). Silêncios e educação. Juiz de Fora: EDUFJF, 2011. p. 09-26.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2014.

FRIGOTTO, G. A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In. FRIGOTTO, G (org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. p- 17-34.

HALL, S. A Centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo; Educação e Realidade, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997.

HYPOLITO, A.; LIMA, I. A expansão do neoconservadorismo na educação brasileira. Educação e Pesquisa. vol. 45, São Paulo, 2019, E-pub, Aug 15, 2019.

IVENICKI, A; XAVIER, G. P. de M. Diversidade e Formação de Professores na Educação Básica: contribuições do multiculturalismo e da pesquisa-ação. In: Rios, Jane Adriana Vasconcelos. (Org.). Diferenças e Desigualdades no Cotidiano da Educação Básica. 1ed. Campinas: Mercado das Letras, 2017, v. 1, p. 57-70.

IVENICKI, A; XAVIER, G. P. de M. Multiculturalismo e Formação de Professores: dimensões, possibilidades e desafios na contemporaneidade. Ensaio, Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 26, p. 1151 -1167, 2018.

IVENICKI, A; XAVIER, G. P. de M. Perspectivas multiculturais para o currículo de formação docente antirracista. Revista da ABPN, v.12, nº 32, p. 30-45, março – maio 2020.

LAVILLE, C; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

MACEDO, E. A teoria do currículo e o futuro monstro. In: LOPES, A. C.; SISCAR, M. (Org.). Pensando a política com Derrida: responsabilidade, tradução, devir. São Paulo: Cortez, 2018. p. 153-178.

MIGNOLO, W. Histórias globais/projetos locais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Edit. UFMG, 2003.

MISKOLCI, R. Um corpo estranho na sala de aula. In: ABRAMOWICZ, Anete; SILVÉRIO, Valter Roberto (Org.). Afirmando diferenças: Montando o quebra-cabeça da diversidade na escola. Campinas: Papirus, 2005.

MISKOLCI, R.; CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Sociedade e Estado. v. 32, nº. 3, p. 725-747, set./dez. 2017.

OLIVEIRA, I.; SÜSSEKIND, M. L. Tsunami Conservador e Resistência: a CONAPE em defesa da educação pública. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 44, nº. 3, e84868, 2019.

OYĚWÙMÍ, O. Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects in: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (Eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 391-415. Trad. livre de Wanderson Nascimento.

PENNA, F. O discurso reacionário de defesa do projeto “Escola sem Partido”: analisando o caráter antipolítico e antidemocrático. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 20, n. 3, p. 567-581, 17 dez. 2018.

PENNA, F. O Escola Sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G. (Org). Escola “Sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. p 35- 48.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, globalización y democracia. Trayectorias. San Nicolás de los Garza, v. 4, n. 7-8, p. 201-246, 2001.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Conselho Latino-americano de Ciências Sociais - CLACSO, 2005.

RIBEIRO, T; SOUZA, R. de; SAMPAIO, C. S. (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: Por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

SILVA JÚNIOR, P. M.; IVENICKI, A. Entre Sexualidades, Masculinidades e Raça: contribuições do multi/interculturalismo para a prática pedagógica. Revista Tempos e Espaços em Educação (Online), v. 12, p. 125-144, 2019.

SILVA JUNIOR, P. M. Quando as questões de gênero, sexualidades, masculinidades e raça interrogam as práticas curriculares: um olhar sobre o processo de co/construção das identidades no cotidiano escolar. 2014. 236 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

SKLIAR, C. Elogio à conversa: em forma de convite à leitura. In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, R. de; SAMPAIO, C. S. (Org.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018. p. 11-13.

VIANNA, C. P. O movimento LGBT e as políticas de educação de gênero e diversidade sexual: perdas, ganhos e desafios. Educação & Pesquisa. São Paulo, v. 41, n. 3, p. 791-806, jul./set. 2015.

WALSH, C. Interculturalidad y (de)colonialidad: Perspectivas críticas y políticas. Conferência Inaugural. XII Congresso ARIC, Florianópolis, Brasil, 29 jun. 2009

Publicado
2020-12-11
Como Citar
CAETANO, M.; SILVA JUNIOR, P. M. DA. “REGRAS SÃO REGRAS, MESMO QUANDO ELAS NÃO EXISTEM”. Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. Especial, p. 834-848, 11 dez. 2020.