TEORIAS CURRICULARES

uma leitura sobre seus fundamentos e significados

Autores

  • Lucinete Gadelha Universidade Estadual do Amazonas, Brasil.
  • Márcia Alessandra Beltrão Soares Universidade do Estado do Amazonas, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v14iEspecial.57068

Palavras-chave:

Currículo, Teorias Curriculares, Educação

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender as teorias curriculares e compreender os sentidos do currículo para a comunidade escolar, esses que nos instiga saber quais as intencionalidades das teorias curriculares e suas influências na educação e no ensino. Nos procedimentos metodológicos, enveredamos pela abordagem qualitativa, num estudo de caráter bibliográfico. Buscamos nos estudos de Kliebard (2011), Silva (2010) os fundamentos e a discussão dos aspectos tradicionais do currículo, na perspectiva crítica de currículo. Com isso, trazermos Freire (2000) Arroyo (2013), Silva (2010) Giroux (1997) apontando suas contradições, e no pós-estruturalismo buscamos em Silva (2010), Lopes e Macedo (2011), entre outros, dialogar com as diferentes abordagens. As reflexões tecidas neste estudo evidenciam a relevância de conhecer as teorias curriculares em seu processo histórico a começar pelo desenvolvimento industrial, isto é, numa trajetória sócio-política-cultural, pois, a compreensão das teorias de currículo possibilita o entendimento da dinâmica da realidade educacional e se faz necessária nos espaços formativos em que buscamos conhecer seus fundamentos, desvelando suas intencionalidades nas relações estabelecidas no cotidiano escolar, esse que se faz por meio dos discursos ideológicos e do saber-poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lucinete Gadelha, Universidade Estadual do Amazonas, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba e Professora da Universidade Estadual do Amazonas.

Márcia Alessandra Beltrão Soares, Universidade do Estado do Amazonas, Brasil.

Mestre em Educação em Ciências na Amazônia pela Universidade do Estado do Amazonas e Pedagoga na Secretaria de Estado de Educação e Desporto do Amazonas.

Referências

ARROYO, Miguel G. Currículo-Território em Disputa. Petrópolis-RJ: 5ª ed. Vozes. 2013. p.9-374

BURITY, J. Psicanálise, identificação e formação de atores coletivos. Recife: Instituto de Pesquisas Sociais, Fundação Joaquim Nabuco, 1997. Disponível em: http:/̸ biblioteca.clacso.edu.ar̸ Brasil, 2014.

DERRIDA, J. Posições. Belo Horizonte. Autêntica, 2001.

DIAS, R. E, LOPES, A.C. SENTIDOS DA PRÁTICA NAS POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Currículo sem Fronteiras, v.9 n.2, p.79-99, jul/dez 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.p. 3-90

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 35. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003. p. 184

FOUCAULT, M. A. Ordem do Discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p.80

GARCIA, Regina Leite; MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa (Org). Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, 2006.p.344

GATTI, Bernadete. A.; BARRETO, E. S. de S.; ANDRÉ, Marli. E. D. de A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GIROUX, Henry "Rumo a uma nova sociologia do currículo" In: GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais – rumo a uma nova pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997, p. 43-53 (cap. 2)

LACLAU, E. MOUFFE, C. Hegemony and socialista strategy. Londres: [s.n.] 1985. p. 179

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias De Currículo. São Paulo: Cortez, 2011. P. 280

LOPES, Alice C., CUNHA, Erika V. R. da COSTA, Hugo H. C. DA RECONTEXTUALIZAÇÃO À TRADUAÇÃO: investigando políticas de currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 392-410, set./dez. 2013

KLIEBARD, Herbert, M. Os princípios de Tyler. Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, pp.23-35, Jul/Dez 2011.

KLIEBARD, Herbert, M. Burocracia e teoria de Currículo. Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, pp.5-22, Jul/Dez 2011.

MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa crítica, etnopesquisa-formação. Brasília: Liber Livro Editora, 2006.p.178

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa (Org.). Currículo: questões atuais. 7ed. Campinas, SP: Papirus, 2003. p.192

PETERES, M. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença. Uma introdução. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Autêntica: Belo Horizonte, 2000.p.84-91

SANTOS, F.S. S. dos. Professores dos anos iniciais do ensino fundamental, pedagogia histórico-crítica e ensino de ciências: investigando articulações. p. 1-87. Dissertação - Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência. Bauru-SP. 2015

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.p.158

Downloads

Publicado

11-08-2021

Como Citar

GADELHA, L.; SOARES, M. A. B. . TEORIAS CURRICULARES: uma leitura sobre seus fundamentos e significados. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. Especial, p. 1–11, 2021. DOI: 10.15687/rec.v14iEspecial.57068. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/57068. Acesso em: 19 jul. 2024.