CULTURA MATERIAL DA MANDIQUERA E A PROPOSIÇÃO DO CURRÍCULO CULTURAL NO CONTEXTO ESCOLAR DA AMAZÔNIA BRAGANTINA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.57622

Palavras-chave:

Cultura Material da Mandiquera, Currículo Cultural, Educação do Campo , Representações de Educação, Práticas Agroecológicas

Resumo

Este artigo analisa a Cultura Material da Mandiquera e a proposição do Currículo Cultural para o contexto escolar das escolas do campo na Amazônia Bragantina, Estado do Pará. Metodologicamente, utilizou a abordagem da Nova História Cultural na observação dos artefatos culturais dos agricultores campesinos para a produção da Mandiquera, dentre suas significações e sentidos que possibilitaram a tessitura do currículo escolar pela teia do conhecimento e suas respectivas áreas. O uso de imagens, as entrevistas, a utilização de máscaras e álcool em gel e as mensagens via WhatsApp permitiram a coleta de dados. A análise dos dados ocorreu pela organização sistemática da teia do conhecimento proposta por Freire (1987), a produção e a apropriação dos sujeitos sobre esses artefatos baseados nos estudos de Certeau (2014) e Chartier (1991). Todavia, foi verificado que a Cultura Material da Mandiquera, enquanto tema gerador, está constituída por quatro eixos temáticos atrelados aos seguintes artefatos culturais: “(Mandiocaba); (O uso de caititu), (ralador), (Motor Elétrico), (Colher de pau), (Panelão de Alumínio); (Pano e Peneira); (Escova felpuda, vasilhames plásticos e de alumínio)”. Além disso, foram identificados que a associação desses eixos geram sentidos sobre as “Práticas Agroecológicas e Alimentação Camponesa”. Por fim, a cultura material da Mandiquera é orientadora de matrizes organizadoras, currículos culturais, onde o diálogo dos educadores das escolas do campo com as práticas produtivas dos agricultores camponeses são fundamentais para legitimar/ registrar/ visibilizar os artefatos enquanto uma estratégia de política pública educacional, legitimando-os, enquanto patrimônios históricos da Amazônia Bragantina, do Brasil e do Mundo. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rogerio Andrade Maciel, Universidade Federal do Pará, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Pará e Professor da Universidade Federal do Pará.

Franciele de Almeida Magalhães, Universidade Federal do Pará, Brasil.

Graduanda do Curso de Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará.

Referências

ARAGÓN, Luis. Há futuro para o desenvolvimento sustentável na Amazônia? In: MELLO, Alex (org.). O futuro da Amazônia: dilemas, oportunidades e desafios no limiar do século XXI. Belém: Editora Universitária, 2002. p. 33-53. v. 1.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 16. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BRASIL. Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. Brasília, DF, Presidência da República [2010]. Disponível em: file:///C:/Users/dance/Desktop/bib_educ_campo.pdf. Acesso em: 8 fev. 2021.

BRASIL. Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, Presidência da República [1996]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 16. jan. 2021.

BURKE, Peter. Cultura material através de imagens. In: BURKE, Peter. Testemunha ocular: o uso de imagens como evidência histórica. Tradução de Vera Maria Xavier dos Santos. São Paulo: Unesp, 2017. p. 123-154.

BURKE, Peter. O que é história cultural? Tradução de Sérgio Goes de Paula. 2.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

CALDART, Roseli. Pedagogia da terra: formação de identidade e identidade de formação. Cadernos do ITERRA, v. 6, n.2, p. 77-98, dez. 2002.

CALDART, Roseli. Pedagogia do movimento sem-terra. Escola é mais do que escola. Petrópolis: Vozes, 2000.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense, 1982.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. São Paulo: Editora Papirus, 2001.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de Fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1990.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos avançados, São Paulo, v.5, n. 11, p.173 191, jan./abr. 1991.

DELGADO, Lucilia. História oral: memória, tempo identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

DEBORTOLI, Solange; ALBA, Rogério. Escola pública do campo e agroecologia: um horizonte em construção. Francisco Beltrão: Grafit, 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1993. (Coleção Leitura).

HAESBAERT, Rogério. Identidades territoriais: entre a multiterritorialidade e a reclusão territorial (ou: do hibridismo cultural à essencialização das identidades). In: ARAÚJO, Frederico; HAESBAERT, Rogério (org.). Identidade e territórios: questões e olhares contemporâneos. Rio de Janeiro: ACCSS, 2004. p. 93-123.

HAGE, Salomão. Por uma escola do campo de qualidade social: transgredindo o paradigma (multi)seriado de ensino. Em Aberto, Brasília, v. 24, n. 85, p. 97-113, abr./ 2011.

HAGE, Salomão. Interculturalidade, fraternidade e comunhão: referências para a sustentabilidade na Amazônia, 2016. Disponível em: https://ensaiosarteducacao.blogspot.com/2017/02/ensaio-sobre-uma-amazonia-de-recortes.html. Acesso em: 8 fev. 2021.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de janeiro: da; 2005.

MACIEL, Rogerio; NEVES, Joana d’Arc; SILVA JUNIOR, Sebastião. Amazônia e seus artefatos culturais. In: MACIEL, Rogerio; NEVES, Joana d’Arc; SILVA JUNIOR, Sebastião (org.). Cultura material em contextos não-escolares na Amazônia paraense. Curitiba: CRV, 2020. p.23-39. (Coleção Cultura Material nos múltiplos contextos sociais).

Amazônia e seus artefatos culturais. In: XXX (org.). Cultura material em contextos não-escolares na Amazônia paraense. Curitiba: CRV, 2020. p.23-39. (Coleção Cultura Material nos múltiplos contextos sociais).

MENESES, Ulpiano. A cultura material no estudo das sociedades antigas, 1997. Disponível em: 61796-Texto do artigo-79989-1-10-20130906 (2).pdf. Acesso em: 8 fev. 2021.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MOREIRA, Antônio; CANDAU, Vera. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Básica, 2007.

OLIVEIRA, Sílvia. Memórias de saberes construídos no processo de se constituir professor em Vila Que Era (Bragança-Pará). 2013. 74 f. Dissertação (Mestrado em Linguagens e Saberes na Amazônia) – Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia. Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Bragança, Bragança, 2013.

SANTOMÉ, Jurjo. Os conteúdos culturais, a diversidade cultural e a função das instituições escolares. In: SANTOMÉ, Jurjo (org.). Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Tradução de Claúdia Shilling. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1998. p. 129-152.

SILVA, Tomaz da. Os estudos culturais e o currículo. In: SILVA, Tomaz da (org.). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 131-138.

Downloads

Publicado

2021-06-09

Como Citar

MACIEL, R. A.; MAGALHÃES, F. de A. . CULTURA MATERIAL DA MANDIQUERA E A PROPOSIÇÃO DO CURRÍCULO CULTURAL NO CONTEXTO ESCOLAR DA AMAZÔNIA BRAGANTINA. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 1–19, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.57622. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/57622. Acesso em: 18 set. 2021.