MAGISTÉRIO EXTRATIVISTA DA TERRA DO MEIO

experiências de currículo como território educativo na floresta amazônica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.57862

Palavras-chave:

Educación diferenciada, Emancipação, Pedagogia da Alternância

Resumo

Este trabalho apresenta uma experiência de currículo como território educativo. Reconhecendo-se os riscos da pluralidade semântico-conceitual desta categoria, busca-se, todavia, agregar sob sua abrangência uma série de vivências educativas experimentadas no âmbito de um Projeto de Formação de Professores Extrativistas, no interior da floresta amazônica numa região conhecida como Terra do Meio, na confluência entre os rios Xingu e Iriri, que evidenciam de forma inconteste a possibilidade concreta de subversão de uma ‘ordem curricular’ preestabelecida como condição de operacionalização do trabalho pedagógico, cuja principal e mais perversa consequência é o descolamento da realidade do território em que se efetiva, culminando na quase absoluta artificialização de toda experiência de educação escolar realizada com povos e comunidades tradicionais. Assim, visa-se a trazer evidências de contracultura escolar possibilitada por uma concepção de currículo como prática encarnada no chão da vida e intrincada nas malhas do território de sua realização. Nesta perspectiva, o território se configura, para além de espaço onde as coisas acontecem, como fator educativo, de alto potencial pedagógico para todos os sujeitos envolvidos na experiência, desde que seja concebido como resultado de construção coletiva permeado de contradições e não como fato consumado. Assume-se a experiência educativa encarnada no território como direito ao pleno desenvolvimento da vocação humana, ao devir, mas a um devir viável e em consonância com as necessidades de sujeitos concretos, historicamente situados e existencialmente potentes.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Raquel da Silva Lopes, Universidade Federal do Pará, Brasil.

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará e Professora da Faculdade de Etnodiversidade da Universidade Federal do Pará.

Irlanda do Socorro de Miléo, Universidade Federal do Pará, Brasil.

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professora da Universidade Federal do Pará.

Referências

ALVAREZ, Johnny; PASSOS, Eduardo. Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia; ESCÓSSIA, Liliana. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-149.

ARANTES, Paulo. O novo tempo do mundo. São Paulo: Boitempo, 2014.

ARROYO, Miguel González. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ARROYO, Miguel González. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ARROYO, Miguel González. Escola terra de direito. In: ROCHA, Maria Isabel Antunes, HAGE, Salomão Mufarrej (orgs). Escola de direito reinventando a escola multisseriada, (Coleção Caminhos da Educação do Campo). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo. Resolução nº 1, de 3 de abril de 2002

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei n. 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996.

BARROS, Flávio Barros; ZEIDEMANN, Vivian. Escolas (in)sustentáveis; sociedades (in)sustentáveis: sobre os rumos da educação na Terra do Meio. In: ROCHA, Maria Isabel Antunes; HAGE, Salomão Mufarrej (orgs). Escola de direito: reinventando a escola multisseriada; 1 ed.; 1reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CAJAL, Irene Baleroni. A interação em sala de aula: como o professor reage às falas iniciadas pelos alunos? IN: COX, Maria Inês P. & ASSIS-PETERSON, Ana Antônia (Orgs.). Cenas de sala de aula. São Paulo: Mercado de Letras, 2001. p. 125-159.

CALDART, Roseli Salete. Elementos para construção do Projeto Político e Pedagógico da Educação do Campo. In: JESUS. Sônia Meire Santos Azevedo de; MOLINA, Monica Castagna (Org.) Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo, 2004. Coleção Por Uma Educação do Campo, n.º 5.

CANDAU, V. M. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 2, p. 240-255, 2011.

CANDAU, V. M. F.; OLIVEIRA, L. F. de. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.26, n.01, p.15-40, abr. 2010.

CORDEIRO, Leonardo Zenha; LOPES, Raquel. Territórios do saber x territórios do viver: formação docente em hetero-espaços no interior da Amazônia. Educação em foco, Juiz de Fora, v. 25, n. 2, p. 409-438, jan/abr 2020. DOI: https://doi.org/10.22195/2447-524620202530444.

FERNANDES, B. M. Sobre a tipologia dos territórios. [2009]. Disponível em: http://www4.fct.unesp.br/nera/publicacoes.php. Acesso em: 12 fev. 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GOMES, Nilma Lino. Diversidade étnico-racial: por um projeto educativo emancipatório. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 2, n. 2-3, p. 95-108, jan./dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v2i2/3.127 .

HAESBAERT, Rogério. Viver no limite: território e multi/ transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HAESBAERT, Rogério. Territórios alternativos. São Paulo: Contexto, 2006.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HAGE, Salomão Mufarrej. Por uma escola do campo de qualidade social: transgredindo o paradigma (multi)seriado de ensino. Em Aberto. Brasília, v. 24, n. 85, p. 97-113, abr/ 2011.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Plano de Manejo da Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio. Altamira: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 228 p., 2009.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Plano de Manejo da Reserva Extrativista Rio Iriri. Altamira: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 195 p., 2010.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Plano de Manejo da Reserva Extrativista Rio Xingu. Altamira: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 180 p., 2011.

LOPES, Raquel da Silva et al. Relatório do projeto de pesquisa Entre preservação e transformação: a influência da variável educação escolar nos modos de vida das comunidades tradicionais das reservas extrativistas da Terra do Meio, no Pará, apresentado à UFPA/PROPESP. Universidade Federal do Pará, 2013. 17 p. (Mimeo).

MARCHESI, Reinaldo de Souza; ALELUIA, José Roberto Sanabria; BARBOSA, Ana Laide Soares; ARRUDA, Renato Fonseca de. Educação, cinema e luta por direitos: narrativas da resistência na terra do meio. Revista Docência e Cibercultura; Rio de Janeiro, v. 5 n. 1 p. 167-209, Jan/Abr 2021. https://doi.org/10.12957/redoc.2021.55200

PARENTE, Francilene Aguiar; LOPES, Raquel; MILÉO, Irlanda de Oliveira. Pedagogia da Alternância na Formação de Professores Extrativistas: uma Experiência na Terra do Meio, em Altamira/PA. Revista Humanidades e Inovação v.7, n.12, p, 63-77, 2020. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/issue/view/77

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2005. Colección Sur Sur. p. 227-278.

ROCHA, Carla Giovana Souza; AMORIM, Paulo; SALGADO, Liliana; CARVALHO, Soraya Abreu de. Diagnóstico sócio-econômico da Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio, Altamira-Pará. 2005. (Relatório de pesquisa).

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SAHLINS, Marshall. O “pessimismo sentimental” e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção (parte 1). Rio de Janeiro: MANA 3 (1): 41-73, 1997.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

UFPA/CAMPUS DE ALTAMIRA. Projeto de formação de professores extrativistas da Terra do Meio – Magistério. Altamira/PA, 2014. (Mimeo)

VELÁSQUEZ, Cristina; VILLAS-BÔAS, André; SCHWARTZMAN, Steven. Desafio para a gestão ambiental integrada em território de fronteira agrícola no oeste do Pará. Revista de Administração Pública, 40 (6): 1061-1075, 2006.

Downloads

Publicado

2021-06-09

Como Citar

LOPES, R. da S. .; MILÉO, I. do S. de. MAGISTÉRIO EXTRATIVISTA DA TERRA DO MEIO : experiências de currículo como território educativo na floresta amazônica. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 1–17, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.57862. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/57862. Acesso em: 18 set. 2021.