GIRAS DE ESCREVIVÊNCIAS

Miragens metodológicas para pesquisa pós-estrutural no campo do currículo.

Autores

  • Iris Verena Oliveira Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v14iEspecial.61164

Palavras-chave:

Currículo, Afro-pessimismo, Autobiografia

Resumo

O artigo apresenta o diálogo entre a novela “Sabela” de Conceição Evaristo e os questionamentos ontoepistemológicos produzidos pela filósofa Denise Ferreira da Silva, para cunhar proposições metodológicas para pesquisa no campo do currículo. Sonhos, narrativas ficcionais e o universo mitológico afro-brasileiro inspiram os modos de fazer pesquisa construídos, a partir das giras de escrevivências. A partir do conceito de escrevivência cunhado por Evaristo e das refrações infinitas produzidas pelos abebés de Oxum e Iemanjá, (EVARISTO, 2020) o texto convida para produções metodológicas fundadas em epistemologias que refutam o sujeito universal das narrativas modernas, ao tempo em que apontam para ontologias que não obliteram a racialidade. O texto questiona o uso de dados como remetimento à realidade nas pesquisas em educação e defende um modo de pesquisar pelo encontro, a partir das giras de escrevivências. O diálogo entre profissionais de educação que reconhecem o currículo construído na escola e seus atravessamentos na engrenagem racial geraram interpelações à teoria curricular, uma vez que os procedimentos metodológicos do campo reiteram fundamentos lastreados na noção de sujeito transparente e na distribuição desigual da condição ontológica, a partir da noção iluminista de humanidade. O texto defende que acionar as escrevivências como proposta metodológica é apontar para miragens de processos intermináveis de perturbações da identidade, (DERRIDA, 2001) reconhecendo o onticídio (WARREN, 2021) que atravessa a experiência de pessoas negras, cuja integridade permanece em risco. (FERREIRA DA SILVA, 2019)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

A DÍVIDA Impagável. [S. l.: s. n.], 2021. 1 vídeo (55min). Publicado pelo canal. Faculdade de Educação da UFRJ. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=JWBVJwO_6OM >. Acesso em: 24 set. 2021.

ARAÚJO, Juliana Leandro de. Obìnrin. Yabás, suas joias e adornos contemporâneos. Trabalho de final de curso. Bauru. Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação. Departamento de Design. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/156795. Acesso em: 24 set. 2021.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Pactos narcísicos no Racismo: Branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. Tese de doutoramento. Instituto de Psicologia. Universidade de São Paulo, 2002.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n.19, 2002.

CASTRO, Eduardo V. de. Metafísicas Canibais. São Paulo: Ubu Editora, n-1 edições, 2018.

DERRIDA, Jacques. O monolinguismo do Outro. Tradução: Fernanda Bernardo. Porto: Editora Campos das Letras, 2001.

DUARTE, Constância Lima. Gênero e violência na literatura afro-brasileira. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio; DUARTE, Constância Lima; DUARTE, Eduardo de Assis; (Orgs.). Falas do outro: literatura, gênero, etnicidade. Belo Horizonte: Nandyala; NEIA, 2010. p. 229-234.

DUARTE, Eduardo de Assis. Escrevivência, Quilombismo e a tradição da escrita afrodiaspórica. In: DUARTE, Constância L; NUNES, Isabella R. Escrevivência: a escrita de nós. Reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Ilustrações Goya Lopes. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020.

EVARISTO, Conceição. A Escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância L; NUNES, Isabella R. Escrevivência: a escrita de nós. Reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Ilustrações Goya Lopes. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020.

EVARISTO, Conceição. Conferência de Abertura com Conceição Evaristo: Negras Escrevivências. COPENE – Congresso de Pesquisadores Negros, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=biBn732cI5E . Acesso em 22 de abr. de 2021.

EVARISTO, Conceição. Histórias de leves enganos e parecenças. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

FANON, Franz. Pele negra, máscaras brancas. São Paulo: Editora Ubu, 2020.

FELISBERTO, Fernanda. Escrevivência como rota de escrita acadêmica. In: DUARTE, Constância L; NUNES, Isabella R. Escrevivência: a escrita de nós. Reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Ilustrações Goya Lopes. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020.

FERREIRA DA SILVA, Denise. A Dívida Impagável. São Paulo: Casa do Povo, 2019.

FERREIRA DA SILVA, Denise. Ninguém: direito, racialidade e violência. Meritum – Belo Horizonte – v. 9 – n. 1 – p. 67-117 – jan./jun. 2014.

GABRIEL, Carmen Teresa. Narrativas autobiográficas e a questão do sujeito: articulações no campo do currículo. Revista Práxis Educacional v.17, n.44, p. 1-21, jan./mar. 2021 Disponível em: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8017. Acesso em: 24 set. 2021.

GOMES, Nilma L. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 98-109, 2012.

HARTMAN, Saidiya. Vênus em dois atos. Trad. Fernanda Silva e Sousa Revista ECO-Pós, 23(3), 12–33. Disponível em: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27640. Acesso em: 24 set. 2021.

INVENÇÕES E RASURAS. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista - Bahia - Brasil, v. 15, n. 32, p. 89-114, abr./jun. 2019. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5045/3914. Acesso em: 24 set. 2021.

JACKSON, A. Y; MAZZEI, L. A. Experience and “I” in Autoethnography: A Deconstruction. Source: International Review of Qualitative Research, v. 1, n. 3, 2008, pp. 299-318.

JOSSO, Marie-Christine. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação. Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 3 (63), p. 413-438, set./dez. 2007.

LIMA, Maria Nazaré Mota de. As relações étnico-raciais na escola: o papel das linguagens. Salvador: Eduneb, 2016.

LUZ NEGRA [S. l.: s. n.], 2010. 1 vídeo (3h:22min). Publicado pelo canal Centro Universitário Maria Antonia da USP. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-47X_7XJnOU. Acesso em: 24 set. 2021.

MACEDO, Elizabeth. Mas a escola não tem que ensinar? Conhecimento, reconhecimento e alteridade na teoria do currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 539-554, set./dez. 2017

MACHADO, Vanda. Àqueles que têm na pele a cor da noite. Ensinâncias e Aprendências com o Pensamento Africano Recriado na Diáspora. 2006. 226f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Salvador-SSA, 2006.

MEYER, Dagmar Estermann. PARAÍSO, Marlucy Alves. (Orgs). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.

MILLER, Janet L. MACEDO, Elizabeth. Políticas públicas de currículo: autobiografia e sujeito relacional. Práxis Educativa, v. 13, n. 3, p. 948-965, set./dez. 2018. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em: 24 set. 2021.

MOMBAÇA, Jota. Não vão nos matar agora. Rio de Janeiro, Cobogó, 2021.

OLIVEIRA, Iris Verena. “Tem dendê na Base? Vidas Negras e o Currículo Bahia” Revista Série Estudos, v. 25, n. 55, set./dez. 2020. Disponível em: https://serieucdb.emnuvens.com.br/serie-estudos/article/view/1467. Acesso em: 24 set. 2021.

OLIVEIRA, Iris Verena. Escrevivências e limites da identidade na produção de intelectuais negras. Currículo sem fronteiras. v. 17, n. 3, p. 633-658, 2017. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol17iss3articles/oliveira.pdf. Acesso em: 24 set. 2021.

OLIVEIRA, Iris Verena. NARRATIVA DE PRÁTICAS DOCENTES COMO INTELECTUAL NEGRA:

PIMENTEL JÚNIOR, Clívio. CARVALHO, Maria Inez e SÁ, Maria Roseli. Pesquisa (Auto)Biográfica em chave pós-estrutural: conversas com Judith Butler. Práxis Educativa, v. 12, n. 1, 2017, pp. 1-20.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PRECIADO, Paul B. Um apartamento em Urano. Crônicas da travessia. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

RANNIERY, Thiago. MACEDO, Elizabeth. Apresentação. E depois do pós-estruturalismo?: experimentações metodológicas na pesquisa em currículo e educação. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 13, n. 3, set./dez. 2018 Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em: 29 ago.de 2019. p. 941-947.

RANNIERY, Thiago. Vem cá, e se fosse ficção? Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 13, n. 3, set./dez. 2018 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa>. Acesso em: 29 ago.de 2019. p. 982-1002.

SILVA, Ana Célia. A Representação social do negro no livro didático. O que mudou? Por que mudou? Salvador: Edufba, 2011.

SILVA, Patrícia Petitinga. OLIVEIRA, Andréia Maria Pereira de. SOUZA, Elizeu Clementino de. “Mais parece um saca-rolha que um caminho!”: identidades contingentes de pesquisadora em ciências biológicas a pesquisadora em ciências humanas. Revista Brasileira de Educação v. 23, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782018230092. Acesso em: 24 set. 2021.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Petrópolis: Vozes, 2017.

SOUZA, Elizeu Clementino de. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. NASCIMENTO, Antônio Dias. HETKOWSKI, Tânia Maria (Orgs). Memória e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2007.

SOUZA, Vaneza Oliveira. MIRANDA, Carmélia Aparecida Silva. SILVA, Ana Lúcia Gomes da. Escrevivências e movimentos (auto) formativos na pesquisa por uma educação antirracista. REVELL. v.1, nº.24 – janeiro - abril de 2020. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/4819/pdf. Acesso em: 24 set. 2021.

ST. PIERRE, Elizabeth Adams. Methodology in the fold and the irruption of transgressive data. International Journal of Qualitative Studies in Education, v.10, n.2, pp. 175-189. 1994.

ST. PIERRE, Elizabeth Adams. The Appearance of Data. Cultural Studies. Critical Methodologies, v. 13, n.4, pp. 223 –227. 2013.

ST. PIERRE, Elizabeth Adams. Uma história breve e pessoal da pesquisa pós-qualitativa: em direção à “pós-investigação” Práxis Educativa, v. 13, n. 3, p. 1044-1064, set./dez. 2018. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em: 24 set. 2021.

ST. PIERRE, Elizabeth Adams. Decentering voice inquiry. International Review of Qualitative Research, v. 1, n. 3, pp. 319-336. 2008.

WARREN, Calvin. Onticídio: Afropessimismo, Teoria Queer & Ética. Trad. Matheus Araújo dos Santos. Periódicus, Salvador, n. 16, v.2, set.2021-dez.2021 Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus. Acesso em: 24 set. 2021.

WILDERSON, Frank. III. Afro-Pessimismo. São Paulo: Todavia, 2021.

Downloads

Publicado

10-02-2022

Como Citar

OLIVEIRA, I. V. . GIRAS DE ESCREVIVÊNCIAS: Miragens metodológicas para pesquisa pós-estrutural no campo do currículo. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. Especial, p. 1–20, 2022. DOI: 10.15687/rec.v14iEspecial.61164. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/61164. Acesso em: 18 jun. 2024.