MODELOS DE UNIVERSIDADE E TEORIAS DE CURRÍCULO

efeitos nos modos como se aproximam

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i2.63350

Palavras-chave:

Modelos de universidade, Teorias de currículo, Aproximação

Resumo

Os modelos de universidade que se concebe hoje produzem efeitos diretamente na conformação dos currículos de ensino superior, o que gera tensão nos modos como se relacionam: se integram, se excluem, se aproximam, se distanciam, conforme as diferentes configurações históricas nas quais estão inseridos.  Dessa tensão resultam: i) o que se entende por universidade, que responde à concepção de universidade moderna, traduzida pela indissociabilidade entre pesquisa, ensino e extensão, e ii) o que se entende por ensino superior, que prepara para atender ao mercado e que, também, pode se filiar a uma concepção mercadológica. Assim, este artigo tem como objetivo observar de que modo determinada concepção de universidade se relaciona a uma concepção de currículo. As proximidades nos modos como se constituem evidenciaram efeitos diversos para a construção de uma concepção moderna de universidade e para a eclosão de uma universidade prestadora de serviços (CHAUÍ, 2001). A universidade prestadora de serviços desconstrói a universidade como instituição social com ensino, pesquisa e extensão indissociável. Na relação de aproximação entre modelos de universidade e teorias de currículo, evidenciou-se também um modelo de universidade pública que restringe, em grande parte, à sua função tradicional de formar profissionais polivalentes para o mercado de trabalho. Essa função da universidade pública está em correlação com a concepção de universidade prestadora de serviço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lilian Pereira Palácio, Universidade Estadual do Ceará, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo e Professora da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. Trad. Vinícius Fiqueira. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BRASIL. Lei 9.394/96, que estabelece as diretrizes e bases da educação. Brasília: DF, 1996. Disponível em http://legislacao.planalto.gov.br Acesso em 08/06/2022.

BRASIL. Lei 5.540/68, fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília: DF, 1968. Disponível em https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109783/lei-5540-68 Acesso em 08/06/2022.

CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1995.

CHAUÍ, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Rev. Bras. Educ., nº 24, set/dez, 2003, pp. 5-15.

CHAUÍ, Marilena. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

CHAVES, Vera Lúcia. Privatização/mercantilização do ensino superior brasileiro: a formação dos oligopólios. Educação & Sociedade., Campinas, v. 31, n. 111, p. 481-500, abr.-jun. 2010. Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br>. Acessado em 07/06/2022.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Trad. Mirian Chnaiderm e Renato Janini Ribeiro. 2ª Ed. São Paulo: Perspectivas, 2008.

DURHAM, E. O ensino superior no Brasil: público e privado. São Paulo: USP, 2003. Disponível em: http://www.nupps.usp.br. Acesso em 06/06/2022.

FREITAG, Michel. Le naufrage de l’université. Paris: La Découvert, 1996.

HUMBOLDT, Guillermo. Sobre a organização interna e externa dos estabelecimentos científicos superiores em Berlim. In: La Idea de La universidad em Alemania. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1959.

LOPES, Alice. MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MOREIRA, Antonio Flávio B. & SILVA, Tomaz Tadeu da. Currículo, cultura e sociedade. 2ª Ed. São Paulo, 1995.

MOREIRA, Antonio Flávio B. Currículo, utopia e pós-modernidade. In MOREIRA, Antonio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997.

PALÁCIO. Lilian P. O discurso da reforma e seus efeitos no ensino superior: a estruturação curricular em cursos de Letras. Tese (Doutorado), Faculdade de Educação (FEUSP), Universidade da São Paulo (USP), São Paulo-SP, 2015. Disponível em: https://www.teses.usp.br

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: os conteúdos do ensino ou uma análise prática? In: SACRISTÁN, J. Gimeno. & GOMÉZ, A. I. Pérez. Compreender e transformar o ensino. Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998, p. 125-142.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade do século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. 2ª Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003a.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2003b.

TRINDADE, Hélgio. Universidade em perspectiva: sociedade, conhecimento e poder. In: Revista Brasileira de Educação, nº 10, jan/fev/mar/abr, 1999.

WALKERDINE, Valerie. Developmental psicology and the child-centered pedagogy. In: HENRIQUES et al. (orgs). Changing the subject, psychology, social regulation and subjectivity. Londres: Matheuen, 1984.

Downloads

Publicado

07-06-2023

Como Citar

PALÁCIO, L. P. . MODELOS DE UNIVERSIDADE E TEORIAS DE CURRÍCULO: efeitos nos modos como se aproximam. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 1–12, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i2.63350. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/63350. Acesso em: 13 jun. 2024.