POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

por sujeitos pelo conhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i1.66177

Palavras-chave:

Políticas de Currículo, Formação de Professores, Conhecimento., BNC-Formação.

Resumo

Este artigo focaliza uma reflexão sobre como o nome conhecimento, mesmo sob intensas e distintas críticas no campo do currículo, tende a ser reafirmado como propriedade capaz de constituir subjetividades plenas, um sujeito professor dotado de determinada capacidade de fazer coisas em uma escola/mundo prometido. Problematiza o conhecimento defendido na política como aquilo desconhecido a ser apropriado por aquele que antes não era, para que passe a ser, torne-se o sujeito desejado por uma expectativa de estrutura/controle. Para abordar um cenário possível de afirmações sobre relações entre o conhecimento na formação de professores, lança mão de contribuições da teoria do discurso, de Ernesto Laclau, e do pensamento da desconstrução, de Jacques Derrida. Com estes autores, tomo como principal aporte a ideia de subjetivação para pensar a projeção de subjetividades políticas em que se constituem hegemonias no campo do currículo em suas relações com o campo da formação de professores. Pontua que tal perspectiva tende a negligenciar as produções contextuais que acontecem onde acontecem aqueles sujeitos professores/estudantes que não conhecemos, que fazem o que não sabemos na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Hugo Heleno Camilo Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Professor da mesma insituição e também do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso e do Programa de Pós-Graduação em Educaçãoda Universidade Federal de Rondonópolis.

Referências

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem. Educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BIESTA, Gert. Outline of a Theory of Teaching: What Teaching Is, What It Is For, How It Works, and Why It Requires Artistry. In: Praetorius, Anna-Katharina, Charalambous, Charalambos Y. (eds). Theorizing Teaching. Cham: Springer, 2023.

BORGES, Verônica; LOPES, Alice Casimiro. Formação docente, um projeto impossível. Caderno de Pesquisa. Scielo. São Paulo, v. 45, n. 157, p. 486-507, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a Base. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Parecer CNE/CP Nº 22/2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNCFormação) Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Brasília. 2019.

COSTA, Hugo Heleno Camilo; LOPES, Alice Casimiro. A contextualização do conhecimento no ensino médio: tentativas de controle do outro. Educação & Sociedade, v. 1, p. 1-20, 2018.

COSTA, Hugo Heleno Camilo; LOPES, Alice Casimiro. O conhecimento como resposta curricular. Revista Brasileira de Educação, v. 27, p. 1-23, 2022.

CUNHA, Érika Virgílio Rodrigues da; COSTA, Hugo Heleno Camilo. Da expectativa de controle ao currículo como experiência em tradução. Revista Práxis Educacional, Bahia, v 15, n. 33, p. 141-163, 2021.

DERRIDA, Jacques. Limited Inc. Trad. Constança Marcondes Cesar. Campinas: Papirus, 1991.

DERRIDA, Jacques. Espectros de Marx: o Estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Tradução de Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

DERRIDA, Jacques. Posições. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 2005.

DERRIDA, Jacques. Dar la muerte. Barcelona: Paidós, 2006.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DIAS, Rosanne Evangelista. BNCC no contexto de disputas: implicações para a docência. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, PB, v. 14, n. 1, 2018.

DIAS, Rosanne Evangelista. Desempenho regulando a docência nas políticas de currículo. Cadernos de Educação, n.65, p. 1-24, 2021.

ELLSWORTH, E. Why doesn't this feel empowering: working through the repressive myths of critical pedagogy. Harvard Educational Review, v. 59, p. 297-324, 1989.

FRANGELLA, Rita de Cássia; DIAS, Rosanne Evangelista. Os sentidos de docência na BNCC: efeitos para o currículo da educação básica e da formação/atuação de professores. Educação Unisinos, Rio de Janeiro, p. 7-15, 2018.

LACLAU, Ernesto. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. Buenos Aires: Nueva Visión, 1990.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LOPES, Alice Casimiro. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 21, n. 45, p. 445-466. 2015.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Editora Côrtez, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Comum para Currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educação e sociedade, v. 36, p. 891-908, 2015.

PINAR, William; REYNOLDS, William; SLATTERY, Patrick; TAUBMAN, Phillip. Understanding Curriculum. New York: Peter Lang, 2008.

SANTOS, Geniana dos; BORGES, Verônica; LOPES, Alice Casimiro. C. Formação de professores e reformas curriculares: entre projeções e normatividade. Linhas Críticas, [S. l.], v. 25, p. e26200, 2019. DOI: 10.26512/lc.v25.2019.26200. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/26200. Acesso em: 20 nov. 2022.

Downloads

Publicado

22-04-2023

Como Citar

COSTA, H. H. C. POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: por sujeitos pelo conhecimento. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 1–11, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i1.66177. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/66177. Acesso em: 22 maio. 2024.