AVALIAÇÃO COMO UM MONSTRO?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v17i1.69524

Palavras-chave:

avaliação, conhecimento, aprendizagem, pós-estruturalismo

Resumo

Neste artigo, são problematizadas concepções realistas de conhecimento que organizam as decisões pedagógicas e favorecem que a avaliação seja significada como “monstro” que aterroriza os processos de escolarização de crianças, jovens e adultos. Tal discussão é desenvolvida à luz de aportes teóricos pós-estruturais, cuja apropriação tem sido produtiva para a compreensão dos pressupostos teóricos que sustentam certezas e legitimam práticas avaliativas excludentes que alimentam medos e inseguranças nos processos de escolarização. Como referencial teórico, são apropriadas contribuições de aportes pós-estruturais produzidos no campo do currículo em interlocução com reflexões sobre avaliação. Como considerações resultantes dessas reflexões, cabe destacar que a promoção de práticas avaliativas que possam, de fato, contribuir para a realização de uma educação mais democrática e inclusivas pressupõe investimento teórico em reflexões que tornem explícita a contingência de decisões pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Millena Soares Figueiredo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Mestranda em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Jaaneiro. e Professora de Educação Infantil no Colégio Sagres.

Talita Vidal Pereira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Professora da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense.

Referências

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BOBBITT, John Franklin. O currículo. Lisboa: Didática, 2004.

BORRALHO, António; CID, Marília; FIALHO, Isabel. Avaliação das (para as) aprendizagens: das questões teóricas às práticas de sala de aula. In: ORTIGÃO, Maria Isabel Ramalho; FERNANDES, Domingos; PEREIRA, Talita Vidal; SANTOS, Leonor (org.). Avaliar para aprender em Portugal e no Brasil: perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2019. p. 219-240.

COSTA, Hugo Heleno Camilo; LOPES, Alice Casimiro. O conhecimento como resposta curricular. Revista Brasileira de Educação, v. 27, p. 1-23, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/jrPMcNpkw3Pp9XrszTjCr7m/?lang=pt. Acesso em: 3 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782022270024

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática, justiça social e sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 32, n. 94, p. 189-204, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v32n94/0103-4014-ea-32-94-00189.pdf. Acesso em: 10 jun. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40142018.3294.0014

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2008.

ESTEBAN, Maria Teresa. O que sabe quem erra: reflexões sobre avaliação e fracasso escolar. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

FERNANDES, Domingos. Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo. v. 19, n. 41, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1454/1454.pdf. Acesso em: 13 dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.18222/eae194120082065

FERNANDES, Domingos. Para um enquadramento teórico da avaliação formativa e da avaliação sumativa das aprendizagens escolares. In: ORTIGÃO, Maria Isabel Ramalho; FERNANDES, Domingos; PEREIRA, Talita Vidal; SANTOS, Leonor (org.). Avaliar para aprender em Portugal e no Brasil: perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2019. p. 139-164.

FIALHO, Isabel; CHALETA, Elisa; BORRALHO, António. Práticas de avaliação formativa e feedback no Ensino Superior. In: CID, Marília; COSTA, Graça dos Santos; RAJADELL-PUIGGRÒS, Núria (coord,). Ensinar, avaliar e aprender no Ensino Superior: perspectivas internacionais. Évora: Universidade de Évora (Portugal), CIEP/UE, 2020. p. 65-92 Disponível em: https://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/30651. Acesso em: 9 jul. 2022.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LEITE, Sérgio Antônio da Silva; KAGER, Samantha. Efeitos aversivos das práticas de avaliação da aprendizagem escolar. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 17, n. 62, p. 109-134, jan./mar. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/yrYrP46SQ7g9gqn93qTfcCp/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 21 jun. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40362009000100006

LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico–social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1984.

OLIVEIRA, Renata Leite de. Percepções sobre avaliação de educadoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental: um estudo no CAp-UERJ. 2021. 184f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

PEREIRA, Talita Vidal. Analisando alternativas para o ensino de Ciências Naturais: uma abordagem pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Quartet/Faperj, 2012.

PEREIRA, Talita Vidal. Gramática e Lógica: jogo de linguagem que favorece sentimentos de conhecimento como coisa. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 600-616, 2017. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org/vol17iss3articles/pereira.pdf. Acesso em: 22 nov. 2023.

PEREIRA, Talita Vidal. Políticas e práticas avaliativas: outras possibilidades de interpretar antigos problemas. Currículo sem Fronteiras, v. 23, e1151, 2023. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org/vol23articles/1151.pdf. Acesso em: 12 fev. 2024. DOI: https://doi.org/10.35786/1645-1384.v23.1151

PEREIRA, Talita Vidal; REIS, Matheus S. A. Limites democráticos de um projeto de formação comum a todos. Educar em Revista, v. 38, e 85861, p. 1-13, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/bMp3JF5KjZ44dKnKgRzhg8v/?lang=pt. Acesso em: 20 fev. 2024.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. São Paulo: Cortez, 1984.

SPOSITO, Marilia Pontes. A instituição escolar e a violência. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 104, p. 58-75, 1998.

YOUNG, Michael F. D. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: a defesa radical de um currículo disciplinar. Cadernos de Educação da FaE Pelotas, Pelotas, v. 38, p. 395-416, jan./abr., 2011. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000300005

https://www.scielo.br/j/rbedu/a/WRv76FZpdGXpkVYMNm5Bych/?lang=pt. Acesso em: 25 fev. 2024.

Downloads

Publicado

30-04-2024

Como Citar

FIGUEIREDO, M. S.; PEREIRA, T. V. AVALIAÇÃO COMO UM MONSTRO?. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 17, n. 1, p. e69524 , 2024. DOI: 10.15687/rec.v17i1.69524. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/69524. Acesso em: 18 jul. 2024.