A INQUIETANTE NOÇÃO DE RISCO

dissenso, dissonância e o fazer sentido para aprendizagem com estudantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v10i3.37661

Palavras-chave:

desigualdade/exclusão social na educação., raça., classe social., educação urbana., juventude / adolescência.

Resumo

Este artigo problematiza a produção de estudantes em risco. Utilizando a discussão de Rancière sobre dissenso, o autor argumenta que o que está em risco não são os estudantes, mas as noções contemporâneas de senso comum sobre escola. Partindo desta perspectiva, os jeitos de conhecer e de ser dos estudantes rotulados como em risco provocam a descontinuidade nas ideias e ideais sobre o propósito e função da educação escolar. Para criar este argumento, o autor conecta Rancière e outras discussões sobre a importância do dissenso para questionar a produção de sentidos, os perigos da ressonância no consenso e nas possibilidades de dissonância no dissenso. Essas declarações são ainda seguidamente complicadas pela afirmação de que a educação é um esforço necessariamente arriscado e que todos os estudantes devem reconhecer-se em risco de aprender. O entendimento de que todos os estudantes estão em risco é significativo pois fornece simultaneamente um espaço para as constelações complexas de identidade dos estudantes serem negociadas com dignidade em experiências de aprendizagem e cria um contexto menos punitivo em que as diferenças são menos propensas a serem conceituadas como déficit.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Walter S. Gershon, Kent State University, Estados Unidos da America.

Doutor em Educação pela University of California e Professor Associado, School of TLC da Kent State University, Estados Unidos.

Referências

ACREY, C., JOHNSTONE, C., MILLIGAN, C.. Using universal design to unlock potential for academic achievement of at-risk learners. (Usando o design universal para destrancar o potencial para sucesso acadêmico de estudantes em risco), In: (Ensinando Crianças Excepcionais) Teaching Exceptional Children, 38(2), p. 22–31, 2005.

ALONSO, G., ANDERSON, N.S., SU, C., THEOHARIS, J.. Our schools suck: Students talk back to a segregated nation on the failures of urban education. (Nossa escola é uma droga: Estudantes respondem uma nação segregada sobre as falhas da educação urbana). New York: NYU Press, 2009.

APPLE, M.W.. Official knowledge: Democratic education in a conservative age, (Conhecimento oficial: Educação democrática numa era conservadora). In: Anderson, K.S. War or common cause? A critical ethnography of language education policy, race, and cultural citizenship. (Guerra ou causa comum? Uma etnografia crítica da polítca, raça e pertencimento cultural da educação linguística). Charlotte, NC: Information Age Press, 2009.

AYERS, R., AYERS, W.. Teaching the taboo: Courage and imagination in the classroom. (Ensinando o Taboo: Coragem e imaginação na sala de aula). New York, NY: Teachers College Press, .2011.

BELL, C., KAHANE, D.. Intercultural dispute resolution in aboriginal contexts. (Resolução de dispputas intercukturais no contexto aborígene). Vancouver, BC: UBC Press, .2004

BRIGMAN, G.A., WEBB, L.D.. Ready to learn: Teaching kindergarten students school success skills (Pronto para aprender: Ensinando estudantes da educação infantil habilidades para o processo escolar). Journal of Educational Research, 96(5), p. 286–292. Retrieved from http://www.jstor.org/ stable/27542444 - 2003

BRITZMAN, D.. Lost subjects, contested objects: Towards a psychoanalytic inquiry of learning. (Sujeitos perdidos, objetos contestados: Por uma investigação psicoanalítica da aprendizagem). Albany, NY: SUNY Press., 1998

BRITZMAN, D.. Practice makes practice: A critical study of learning to teach.(Prática faz a prática: Um estudo crítico sobre aprender a ensinar). Albany: State University of New York Press, 2003.

BUTLER, J.. Frames of war: When is life grievable? (Enquadramentos da guerra: Quando a vida é digna de luto?). New York, NY: Verso, .2010.

CRONINGER, R.G., LEE, V.E.. Social capital and dropping out of high school: Benefits to at-risk students of teachers’ support and guidance. (Capital social e abandono escolar: Benefícios do suporte e guia de professores para estudantes em risco). In: Teachers College Record, 103(4), p. 548–581. 2001.

DELPIT, L.. Other people’s children: Cultural conflict in the classroom. (Filhos de outras pessoas: Conflito cultural na sala de aula). New York: New Press, 1995.

ELLSWORTH, E.. Teaching positions: Difference, pedagogy, and the power of address. (Ensinando posições: Diferença, pedagogia e o poder do endereço). NewYork, NY: Teachers College Press, 1989.

ERLMANN, V.. Reason and resonance: A history of modern aurality. (Razão e ressonância: A história moderna da auralidade). Cambridge, MA: Zone Books, 2010.

FELD, S.. Sound and sentiment: Birds, weeping, poetics, and song in Kaluli expression. (Som e sentimento: Pássaros, choro, poética e música na expressão Kaluli). Philadelphia, PA: University of Pennsylvania Press, 1982.

FUREDI, F.. Wasted: Why education isn’t educating. (Desperdiçado: Por que a educação não está educando?). New York, NY: Continuum, .2011

GERSHON, W.S.. Embodied knowledge: Sounds as educational systems. (Conhecimento encarnado: Sons como sistemas educacionais). [Special Issue: Sensual Curriculum]. Journal of Curriculum Theorizing, 27(2), p. 66–81, 2011a.

GERSHON, W.S.. Introduction: Towards a sensual curriculum. (Introdução: Por um currículo sensorial). [Special Issue: Sensual Curriculum]. Journal of Curriculum Theorizing, 27(2), 1–16, 2011b.

GERSHON, W.S.. Sound curriculum: Recognizing the field. (Currículo sonoro: Reconhecendo o campo). In: R. NAVQI, H. SCHMIDT (Orgs.), Thinking about and enacting curriculum in “frames of war” (pp. 89–120). (Pensando sobre e atuando currículo em “enquadramento de guerra"). Lanham, MD: Lexington Books, 2011c.

GERSHON, W.S. BILINOVICH, C., PEEL, A.. Race, social studies content, and pedagogy: Wrestling through discomfort together. (Raça, conteúdo de ciências sociais e pedagogia: Lutando através do desconforto juntos). Canadian Social Studies, 44(1), p. 29–37.(2010).

GERSHON, W.S., CHRISTODOULOU, N. (in press). Ethics, dissensus, and traveling without moving: Using videoconferencing to facilitate dialogue between preservice teachers in two nations. (Ética, dissenso e viajar sem se mover: Usando videoconferência para facilitar o diálogo entre professores em duas nações). In T.C. MASON, R.J. HELFENBEIN (Orgs.), Ethics and international curriculum work: The challenges of culture and context. (Ética e trabalho curricular internacional: ols desafios da cultura e do context ). Charlotte, NC: Information Age Publishing.

GERSHON,W.S.. PEEL, A., BILINOVICH, C.. Collaboration without compromise: A performative reflection of collaborative dissensus in action. (Colaboração sem acordo: Uma reflexão performática do dissenso colaborativo em ação ). In W.S. GERSHON (Org.), The collaborative turn: Working together in qualitative research (pp. 141–164). (A vez da colaboração: Trabalhando junto em pesquisa qualitativa). Rotterdam, NL: Sense Publishers, 2009.

HALBERSTAM, J.. The queer art of failure. (A arte queer do fracasso ). Durham, NC: Duke University Press, 2010.

HEATH, S.B.. Ways with words: Language, life and work in communities and classrooms. (Jeitos com as palavras: Linguagem, vida e trabalho nas comunidades e nas salas de aula ). Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

JAMES, C.E.. Students “at risk”: Stereotypes and the schooling of black boys. (Estudantes em risco: Estereótipos e a escolarização de meninos negros ). Urban Education, 47(2), p. 464–494. 2012.

JONES, N.. Between good and ghetto: African American girls and inner-city violence. (Entre o bom e o gueto: Meninas afro-americanas e a violência na periferia). Rutgers, NJ: Rutgers University Press, 2009.

KHALIFA, M.. Validating social and cultural capital of hyperghettoized at-risk students. (Validando o capital social e cultural de estudantes em risco hiperguetificados). In: Education and Urban Society, 42(5), p. 620–646. doi:10.1177/0013124510366225, 2010.

KIM-COHEN, S.. In the blink of an ear: Towards a non-cochlear sound art. No piscar de um ouvido: No sentido de uma arte musical não coclear. New York, NY: Continuum, 2009.

KUMASHIRO, K.K.. The seduction of common sense: How the right has framed the debate on America’s schools. (A sedução do senso comum: Como o certo tem enquadrado o debate na escolas americanas ). New York, NY: Teachers College Press, 2008.

KUMASHIRO, K.K.. Against common sense: Teaching and learning toward social justice. (Contra o senso comum: Ensinando e Aprendendo para a justiça social. ). New York, NY: Routledge, 2009.

LESLEY, M.. Invisible girls: At risk adolescent girls’ writing within and beyond school. (Meninas invisíveis: adolescentes em risco escrevendo dentro e além da escola). New York, NY: Peter Lang, 2012.

MALEWSKI, E. (Org.).. Curriculum studies handbook: The next moment. (Manual de estudos curriculares: O próximo momento). New York, NY: Routledge, 2009.

MCALENNY, A.L., COYNE, M.D.. Identifying at-risk students for early reading intervention: Challenges and possible solutions. (Identificando estudantes em risco para uma interferência na primeira leitura). Reading & Writing Quarterly, 27(4), 306–323. 2011.

MCDERMOTT, R.,VARENNE, H.. Culture “as” disability. (Cultura “como” uma deficiência). Anthropology & Education Quarterly, 26(3), 324–348. 1995.

MCDERMOTT, R., VARENNE, H.. Reconstructing culture in educational research. ((Reconstruindo cultura na pesquisa educacional ). In: G. SPINDLER, L. HAMMOND (Orgs.), Innovations in educational ethnography: Theory, methods and results. (p p. 3–32). (Inovações na etnografia educacional: Teoria, métodos e resultados). Mahwah, NJ: Erlbaum.2006

MEHAN, H.. Learning lessons: Social organization in the classroom. (Lições de aprendizado: organização social na sala de aula). Cambridge, MA: Harvard University Press, 1979.

MILLS, C.. Opportunity and resignation within marginalised students: Towards a theorisation of the reproductive and transformative habitus. (Oportunidade e resignação entre estudantes marginalizados: Poruma teorização dos hábitos reprodutivos e transformativos). Critical Studies in Education, 49(2), p. 99–111. doi:10.1080/17508480802040191 2008.

PANAGIA, D.. The political life of sensation. (A vida política da sensação). Durhan, NC: Duke University Press, 2009.

PINAR, W.F.. What is curriculum theory? (2nd ed.). (O que é teoria do currículo?) New York, NY: Routledge, 2011.

POPP, A.M., PEGUERO, A.A.. Routine activities and victimization at school: The significance of gender. (Atividades de rotina e vitimização na escola: O significado de gênero). Journal of Interpersonal Violence, 26(12), p. 2413–2436. doi:10.1177/ 0886260510383021 2010.

PRIME, G.M., MIRANDA, R.J.. Urban public high school teachers’ beliefs about science learner characteristics: Implications for curriculum. (Crenças dos professores do ensino médio urbano sobre as características do estudante de ciências: Implicações para o currículo). Urban Education, 41(5), p. 506–532. 2006.

QUINN, T., MINERS, E.R.. Flaunt it! Queers organizing for public education and justice. (Exiba! Queers se organizando pela educação pública e a justiça ). New York, NY: Peter Lang, 2010.

RANCIÈRE, J.. A política da estética The politics of aesthetics. (G. Rockhill, Trans.). New York, NY: Continuum, 2006.

RANCIÈRE, J.. Dissensus: On politics and aesthetics. (Dissenso: Sobre política e estética). New York, NY: Continuum. 2010.

RHONDA, M.A., VALENCIA, R.R.. “At-risk” Chicano students: The institutional and communicative life of a category. (Estudantes chicanos em risco: A vida institucional e comunicativa de uma categoria). Hispanic Journal of Behavioral Sciences, 16(4), p. 363–395. 1994.

RIST, R.C.. Student social class and teacher expectations: The self-fulfilling prophecy in ghetto education. (Classe social do estudante e as expectativas do professor: A auto-realizável profecia da educação no gueto). Harvard Educational Review, 40(3), p. 411–451. 1970.

SMYTH, J. (Org.).. Critical engagement in contexts of disadvantage. (Engajamento crítico em contextos de desvantagem). Special Issue. Critical Studies in Education, 50(1). Retrieved from http://www.tandfonline.com/toc/rcse20/50/1 2009

SOUTO-OTERO, M.. Breaking the consensus in educational policy reform? (Quebrando o consenso na política de reforma educacional?). Critical Studies of Education, 52(1), p. 77–91. 2011.

STERNE, J.. The audible past: Cultural origins of sound reproduction. (O passado audível: Origens culturais da reprodução sonora). Durham, NC: Duke University Press, 2003.

SWADENER, B.B., LUBECK, S. (Orgs.).. Children and families “at promise”: Deconstructing the discourse of risk. (Crianças e famílias “na promessa”: Descontruindo o discurso do risco). Albany, NY: SUNY Press, 1995.

TAUBMAN, P.M.. Teaching by numbers: Deconstructing the discourse of standards and accountability in education. (Ensinando pelos números: Desconstruindo os padrões e a responsabilização na educação). New York, NY: Routledge, 2009.

VALENCIA, R. (Org.).. The evolution of deficit thinking: Educational thought and practice. (A evolução do pensamento de déficit: Pensamento e prática educacional). London and Washington, DC: Falmer, 1997.

VALENZUELA, A. (Org.).. Leaving children behind: How “Texas-style” accountability fails Latino youth. (Deixando crianças para trás: Como a responsabilização ao estilo Texas falha com a juventude latina). New York: State University of New York Press, 2005.

VARENNE, H., & MCDERMOTT, R.. Successful failure: The schools America builds. (Fracasso bem sucedido: As escolas que a América constrói ). Boulder, CO: Westview Press, 1998.

WILLIS, P. Learning to labor: How working class kids get working class jobs. (Aprendendo a ser trabalhador: Como crianças da classe trabalhadora conseguem empregos da classe trabalhadora). New York, NY: Columbia University Press, 1977.

WINFIELD, A.. Eugenics and education in America: Institutionalized racism and the implications of history, ideology, and memory. (Eugênia e educação na América: Racismo institucionalizado e suas implicações históricas, ideológicas e na memória). New York: Peter Lang, 2007.

YOSSO, T.J.. Toward a critical race curriculum. (Por um currículo racial crítico). Equity & Excellence in Education, 35(2), 93–107. doi:10.1080/713845283 2002.

ZIAREK, E.P.. An ethics of dissensus: Postmodernity, feminism, and the politics of radical democracy. (A ética do dissenso: Pós-modernidade, feminismo e a política da democracia radical ). Stanford, CA: Stanford University Press, 2001.

Downloads

Publicado

2017-12-31

Como Citar

GERSHON, W. S. A INQUIETANTE NOÇÃO DE RISCO: dissenso, dissonância e o fazer sentido para aprendizagem com estudantes. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 366–383, 2017. DOI: 10.15687/rec.v10i3.37661. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/rec.v10i3.37661. Acesso em: 20 set. 2021.