A ESTÉTICA NEOLIBERAL DA NOVA RAZÃO DO MUNDO CAPITALISTA

educando o indivíduo competitivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.40594

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Estética, Mídia

Resumo

Este ensaio apresenta argumentos para sustentarem a afirmação da hipótese de ser o capitalismo um regime estético, que tem na manutenção e sustentação da “partilha do sensível” através de fundamentos políticos, na liberdade e na verdade da mercadorização de tudo e de todos em contexto competitivo de todos contra todos como ideal. Nossa perspectiva crítica se apoia na análise de discurso (AD), de Eni Orlandi (2009) e na estética de Jacques Rancière (2009, 2011) e Pablo René Estevez (2011). O material empírico utilizado foram uma capa de jornal, uma campanha e uma propaganda de imóvel como exemplo de como àquela razão do mundo se expressa e produz uma significação ao leitor em conformidade a ideologia capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Wagner Valente dos Passos, Universidade Federal do Rio Grande, Brasil.

Doutor em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande e Editor Independente.

Carlos Roberto da Silva Machado, Universidade Federal do Rio Grande, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Professor Titular de Políticas Públicas da Educação na Universidade Federal do Rio Grande.

Referências

CECEÑA, Ana Esther.Estrategias de construcción de una hegemonía sin límites.En libro: Hegemonias y emancipaciones en el siglo XXI. Ana Esther Ceceña(comp.). CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Buenos Aires, Argentina. 2004. p. 224. Disponible en la World Wide Web: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/cecena2/cecena.rtf, acesso 16 de jun. 2018.

CORREIO do Povo.Entrevista com Jeferson Tenório. In.Caderno de Sábado, 19 Maio de 2018.

DARDOT, Pierre. LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

EISNER, Will. Quadrinhos e arte sequencial. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ESTEVEZ, Pablo Rene. Educar para elbien y labelleza, Editorial Pueblo y Educación, Cuba, 2011.

GRUPO RBS.Zero Hora. [Versão Impressa]. Publicação de 03 de maio de 2018.

GRUPO RBS. O Grupo RBS. In. Grupo RBS.com. Disponível em: <http://www.gruporbs.com.br/o-grupo-rbs/.>.acesso em 16 de jun. 2018.

HARVEY, David. El cosmopolitismo y las geografias de la liberdad. Espanha: EdicionesAkal, 2017.

LAROUSSE.DicionárioEnciclopédico Ilustrado. São Paulo: Larousse do Brasil, 2007.

LE ROBERTIT.Dicionário Língua Francesa. Paris: Sejur, 2008.

LÍSIAS, Ricardo. Escarcéu Jurídico. RevistaQuatro Cinco Um. Associação Quatro Cinco Um. São Paulo: 2018.Disponível em:<http://revista451.com.br/conteudos/visualizar/Escarceu-juridico>, acesso 17 de jun. 2018.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8ª. ed. Campinas: Pontes, 2009. 100p.

PALLAMIN, Vera. Aspectos da relação entre o estético e o político em Jacques Rancière. Risco:Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo (Online), São Carlos, n. 12, p. 6-16, july 2010. ISSN 1984-4506. Disponível em:<https://www.revistas.usp.br/risco/article/view/44800/48431>, acesso 17 de jun. 2018.

RANCIÉRE, Jacques. Partilha do sensível, 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora 34, 2009.

RANCIÉRE, Jacques. AISTHESIS – Escenas del régimen estético del arte.Buenos Aires: Bordes Manantial, 2013.

Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul. Disponível em:.Acessoem 16 de jun. 2018.

Downloads

Publicado

31-12-2018

Como Citar

PASSOS, W. V. dos; MACHADO, C. R. da S. A ESTÉTICA NEOLIBERAL DA NOVA RAZÃO DO MUNDO CAPITALISTA: educando o indivíduo competitivo. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.40594. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n11.40594. Acesso em: 29 maio. 2024.