AS CONTRIBUIÇÕES DOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS INDÍGENAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42365

Palavras-chave:

Ciência Moderna, Natureza, Saberes Ancestrais Indígenas

Resumo

Este artigo é um ensaio teórico sobre a Educação Ambiental na pós-colonialidade articulada com saberes ancestrais indígenas e conceito de Ecologia de Saberes. O objetivo desse artigo foi compreender os tropeços da Ciência Moderna em relação ao meio ambiente e a cultura indígena assim como fazer o diálogo entre autores Pós-Coloniais e dos Estudos Culturais que podem contribuir para a construção de uma Educação Ambiental que valorize os conhecimentos das sociedades detentoras de conhecimentos tradicionais. Como metodologia utilizamos o levantamento bibliográfico que foi utilizado na fundamentação teórica contribuindo para as reflexões acerca da modernidade e a expropriação ambiental. Com o desenvolvimento da ciência moderna constrói-se a ideia de crescimento e desenvolvimento. Acreditava-se na razão e no poder da ciência como resposta para todos os problemas da humanidade. A ciência teve seu apogeu no século XIX e início do século XX, com muitos avanços e sua aplicação prática na vida diária das pessoas por meio da tecnologia, mas é também no século XX que as consequências negativas apareceram afetando a qualidade de vida do ser humano, sendo chamados de problemas socioambientais, havendo necessidade de reavaliar as crenças da razão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elisangela Castedo Maria do Nascimento, Universidade Católica Dom Bosco, Brasil.

Doutoranda em Educação na Universidade Católica Dom Bosco.

Heitor Queiroz de Medeiros, Universidade Católica Dom Bosco, Brasil.

Doutor em Ciências - Ecologia e Recursos Naturais, pela Universidade Federal de São Carlos e Professor da Universidade Católica Dom Bosco.

Referências

ALMEIDA, Aires. Filosofia e ciências da natureza: alguns elementos históricos. Crítica. 2004. Disponível em: <https://criticanarede.com/filos_fileciencia.html> Acessado em 19/02/2018.

ALVES, Washington Lair Urbano. A história da educação no Brasil: da descoberta à lei de Diretrizes e Bases de 1996. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium – UNISALESIANO, Lins, SP para Pós-Graduação “Lato Sensu” em Metodologia do Ensino Superior, Lins, 2009.

BORTOLOTI, Karen Fernanda da Silva; O Ratio Studiorium e a missão no Brasil. REVISTA HISTÓRIA HOJE, SÃO PAULO, N 2, 2003.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Escolar Indígena. Parecer 14/99, aprovado em 14/09/1999.

BRASIL, lei No 9.795, Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências, de 27 de abril de 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Cadernos SECAD 3- Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena resinificando a escola. Brasília: SEF/MEC, 2007.

BRASIL, Decreto Nº 6.040, Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. de 7 de fevereiro de 2007a.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

COLLET, Célia Letícia Gouvêa. Interculturalidade e educação escolar indígena: um breve histórico. CADERNOS DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA - 3º GRAU INDÍGENA. Barra do Bugres: UNEMAT, v. 2, n. 1, 2003.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, 1988

DIEGUES, Antônio Carlos S. Etnoconservação da natureza: enfoques alternativos. In: Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: USP, 2000.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalizaªo ou ps-desenvolvimento? (in) LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. Coleccin Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autnoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005.

FARIAS, Edineide Bernardo; MEDEIROS, Heitor Queiroz de. O Povo Terena e a Educação Escolar Indígena Diferenciada e Bilíngue em Mato Grosso do Sul. Notandum 43 jan-abr, 2017 .

FREIRE, P. Extensão ou Comunicação? Trad. Rosisca D. de Oliveira. 10. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, José Ribamar B. Trajetórias de muitas perdas e poucos ganhos. In Educação escolar indígena em Terra Brasilis, tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: IBASE, 2004.

HALL, Stuart. Da diaspora: Identidades e mediações culturais. Organizacao Liv Sovik; Traducao Adelaine La Guardia Resende let all. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasilia: Representacao da UNESCO no Brasil, 2003.

LANDER, Edgardo. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos (in) LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. Coleccin Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autnoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005.

Lei Nº 9.394, de 20 de Dezembro, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, 1996.

LÉVI-STRAUS., Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Papirus, 2012.

MINAS GERAIS, Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais (CIMOS) - Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Direito dos Povos e Comunidades tradicionais, 2014. Disponível em: <http://conflitosambientaismg.lcc.ufmg.br/wp-content/uploads/2014/04/Cartilha-Povos-tradicionais.pdf> Acessado em 25/03/2018,

MUSSI, Vanderleia, P. L., História e Histórias dos Povos Indígenas. In: URQUIZA, Antônio H. A. (Org.) Cultura e História dos Povos Indígenas. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância. Módulo 4, Marcos conceituais referentes à diversidade sóciocultural. Campo Grande – MS, 2010.

OLIVEIRA, Ana Maria Soares de. Relação Homem/Natureza no Modo de Produção Capitalista. Scripta Nova, Revista Eletrônica de Geografia Y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona. Vo. VI; num. 119 (18), 2002.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Romantismo, negociação política ou aplicação da antropologia: perspectivas para as perícias sobre terras indígenas. In: OLIVEIRA, João Pacheco de. Ensaios de antropologia histórica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1999.

PONTEL, Evandro; MASS, Olmaro Paulo. Esclarecimento e modernidade: uma leitura a partir da crítica de Adorno e Horkheimer. Revista Filosofazer. Passo Fundo, n. 42, jan./jun. 2013.

PRIMON, Ana Lucia de Mônaco; JÚNIOR, Lourival Gabriel de Siqueira; ADAM, Silvia Maria; BONFIM, Tania Elena. História da ciência: da idade média à atualidade. Psicólogo informação ano 4, nº 4, jan/dez. 2000.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos, 2007.

_____________. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Janaina Roberta dos. A ciência moderna e o domínio da natureza: contribuições filosóficas para pensar a crise ambiental. VII EPEA - Encontro Pesquisa em Educação Ambiental; Rio Claro - SP, 07 a 10 de Julho de 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade uma introdução às teorias do currículo; 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

SOUZA, Ana Hilda Carvalho de; LIMA, Alexandrina Maria de Andrade; MELLO, Marcos Aurélio Anadem; OLIVEIRA, Elialdo Rodrigues de. A relação dos indígenas com a natureza como contribuição à sustentabilidade ambiental: uma revisão da literatura. Revista destaques acadêmicos, VOL. 7, N. 2, - CCHS/UNIVATES, 2015.

TRISTÃO, Martha. A educação ambiental na formação de professores: redes de saberes. São Paulo: Annablume; Vitória: Facitec, 2004.

_______________. A Educação Ambiental e o pós-colonialismo. Revista Educação Pública. Cuiabá, v. 23, n. 53/2, p. 473-489, maio/ago. 2014.

_______________. Educação ambiental e a descolonização do pensamento. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. Ed. Especial, julho/2016.

UNESCO-UNEP International strategy for action in the field of environmental education and training for the 1990s. Paris: UNESCO e Nairobi. 1987.

URQUIZA, Antônio H. Aguilera; CALDERONI, Valéria A. M. O. A INFLUÊNCIA DOS ESTUDOS CULTURAIS PARA A CONSTRUÇÃO DOS diferentes olhares e saberes sobre os povos indígenas. Cadernos de Estudos Culturais. Campo Grande: UFMS v. 7, n. 13, 2015.

Downloads

Publicado

31-12-2018

Como Citar

NASCIMENTO, E. C. M. do; MEDEIROS, H. Q. de. AS CONTRIBUIÇÕES DOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS INDÍGENAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42365. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42365. Acesso em: 18 jul. 2024.