TÃO PERTO E TÃO LONGE

escolas próximas a unidades de conservação e os desafios para a ambientalização do currículo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42333

Palavras-chave:

Ambientalização do Currículo, Unidades de Conservação, Escola, Educação Ambiental

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender os aspectos que motivam a aproximação ou que dificultam as relações entre escolas e unidades de conservação. Busca, também, observar se essas relações influenciam na ambientalização do currículo escolar. Os estudos foram realizados a partir de uma abordagem etnográfica, em escolas próximas a unidades de conservação em Porto Alegre e Viamão, RS, entre 2014 e 2018. Observaram-se fatores que facilitavam a aproximação entre as escolas e as unidades de conservação, como os investimentos dos funcionários das unidades de conservação na promoção da educação ambiental nas escolas, a presença de professores e de gestores engajados com as questões ambientais, e os incentivos de políticas públicas, como o "Programa Mais Educação" e a legislação referente à educação ambiental. Outros elementos, ao contrário, impediam ou dificultavam essa relação, entre os quais podemos citar a carência de recursos humanos e financeiros, a violência nos locais, os limites de certas políticas educacionais - que podem levar a uma rigidez no currículo -, a imposição das regras de acesso e de uso das unidades de conservação e os conflitos históricos da implantação destas instituições no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Taís Cristine Ernst Frizzo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e Professora do Departamento de Ciências Exatas e da Natureza, Colégio de Aplicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Isabel Cristina de Moura Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Professora titular visitante no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Paulo e Professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

BARRIGA, Ángel Díaz. Curriculum: una mirada sobre su desarrollo y sus retos. In: WESTBURY, Ian. ¿Hacia donde va el curriculum? La contribuición de la teoria deliberadora. Massanet de la Selva (Girona): Ediciones Pomares, 2012. p. 163-175.

BORGES, Marcelo Gules. Formas de aprender em um mundo mais que humano: emaranhados de pessoas, coisas e instituições na ambientalização do contexto escolar. 2014. 197f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

BRASIL. Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, 18 jul. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em: 06 mai. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação em Direitos Humanos e Cidadania. Coordenação-geral de Educação Ambiental. Programa Dinheiro Direto na Escola - PDDE Escolas Sustentáveis - Guia de Orientações Operacionais. Brasília, 2014. Disponível em: <http://pdeinterativo.mec.gov.br/arquivo/pdf/Guia_PDDE_2014_Sustentavel.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2015.

CARVALHO, Isabel Cristina Moura. Paisagem, historicidade e ambiente: as várias naturezas da natureza. Paisagem, historicidade e ambiente: as várias naturezas da natureza. Confluenze, Bolonha, v. 1, n. 1, p. 136-157, 2009.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura; FARIAS, Carmen Roselaine; PEREIRA, Marcos Villela. A missão “ecocivilizatória” e as novas moralidades ecológicas: a educação ambiental entre a norma e a antinormatividade. Ambiente e Sociedade, Campinas, v. 14, n. 2, p. 35-49, jul./dez. 2011.

CARVALHO, Isabel Cristina Moura; TONIOL, Rodrigo. Ambientalização, cultura e educação: diálogos, traduções e inteligibilidades possíveis desde um estudo antropológico da educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 1, p. 28-39, 2010.

DEBETIR, Emiliana. Gestão de unidades de conservação sob influência de áreas urbanas: diagnóstico e estratégias de gestão na Ilha de Santa Catarina – Brasil. 2006. 247 p. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

DIEGUES, Antonio Carlos Santana. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Hucitec Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP, 2000.

FARIAS, Carmem Roselaine de Oliveira. A ambientalização do currículo do ensino básico segundo nossos olhares e práticas de pesquisa. In: CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS, 9., 2013, Girona: 2013. Anais do IX Congresso Internacional sobre Investigación en Didáctica de Las Ciencias. Girona, 2013. Disponível em <http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/307065>. Acesso em 11 dez. 2017.

FORQUILHA, Salvador. Inquérito de Terreno: É possível falar de rigor em metodologias qualitativas? Em que condições e usando que critérios? Maputo: IESE, 2013. Disponível em <http://www.iese.ac.mz/lib/publication/outras/TD/TD-SF.pdf>. Acesso em 13 nov. 2015.

FRIZZO, Taís Cristine Ernst. Educação e Natureza: os desafios da ambientalização em escolas próximas a unidades de conservação. 2018. 281 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: <http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8085>. Acesso em: 30 mai. 2018.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo, Cortez, 2011. p. 185-225.

LEITE LOPES, José Sergio. Sobre processos de ambientalização dos conflitos e sobre dilemas da participação. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 12, n. 12, p. 31-64, 2006.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; AMORIM, Érica Pereira; AZEVEDO, Luísa; COSSÍO, Maurício Blanco. Conteúdos, Gestão e Percepção da Educação Ambiental nas Escolas. In: TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia Ramos. (orgs.) Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2007. p. 35-79.

GROHE, Sandra Lilian Silveira. Escolas Sustentáveis: três experiências no município de São Leopoldo - RS. 2015. 135 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

MACHADO, Júlia Teixeira. Educação ambiental: um estudo sobre a ambientalização do cotidiano escolar. 2014. 246 f. Tese (Doutorado em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aplicada, Universidade Estadual de São Paulo, Piracicaba, 2014.

MATOS, Mauricio dos Santos; MARIA, Tathiana Popak. Concepções de ambiente em atividades de educação ambiental desenvolvidas em um parque municipal. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 19-29, 2013.

MUHLE, Rita Paradeda; FRIZZO, Taís Cristine Ernst. Quando a natureza afasta o humano. In: LOPES, José Rogério; SILVA, Adimilson Renato da; SCHIERHOLT, Anelise Fabiana Paiva; MEIRELLES, Mauro (orgs.). Panorama das políticas culturais e ambientais no Brasil. V. 2. Porto Alegre: CirKula, 2016. p. 175-188. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2017. ISBN 9788567442693.

NUNES, Letícia B. e CARVALHO, Isabel C. M. Ambientalização do Ensino Médio: impactos do Novo ENEM - 2009. In: MOSTRA DE PESQUISA DA PÓS-GRADUAÇÃO, 5., 2010, Porto Alegre. Anais da V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. Disponível em: <http://www.pucrs.br/edipucrs/Vmostra/ V_MOSTRA_PDF/Educacao/82528-LETICIA_BASTOS_NUNES.pdf>. Acesso em: 23 set. 2013.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto Estadual n. 53.037, de 20 de maio de 2016. Institui e regulamenta o Sistema Estadual de Unidades de Conservação – SEUC. Porto Alegre, 20 de maio de 2016. Disponível em: <http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/ DEC%2053.037.pdf>. Acesso em: 23 out. 2015.

ROCHA, Keili Luci; AHLERT, Alvori; CARNIATTO, Irene. Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) como espeço para a educação ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v.12, n. 5, p. 10-24, 2017.

SACRISTÁN, José Gimeno. Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SOUZA, Nadir Leandro de. Unidades de Conservação em Áreas Urbanas - o caso Do Parque Cinturão Verde de Cianorte – Módulo Mandhuy. Raega, Curitiba, v. 23, p. 448-488, 2011.

SOUZA, Wesley de; AGUIAR, Renata Gonçalves. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 172-191, 2018.

TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia Ramos. (orgs.) Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2007.

Downloads

Publicado

31-12-2018

Como Citar

FRIZZO, T. C. E. .; CARVALHO, I. C. de M. . TÃO PERTO E TÃO LONGE: escolas próximas a unidades de conservação e os desafios para a ambientalização do currículo. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42333. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n1142333. Acesso em: 18 jul. 2024.