CURRÍCULOS PRATICADOSPENSADOS NOS COTIDIANOS DA EJA: condições e procedimentos de tradução

Francisco Canindé Silva

Resumo


O que acontece nos cotidianos escolares, nas relações entre professores e estudantes, a maneira como constroem conhecimento, afetividades e interagem nos espaços-lugares de uso diário, é sempre mais amplo e possível do que verticalmente estabelecem os currículos prescritos. Compreender como são praticadospensados estes diferentes currículos nos cotidianos da educação de jovens, adultos e idosos, e de como praticantes desta modalidade educativa resistem a lógica monocultural de conhecimento e re-ligam saberes, criando táticas operacionais de aprendizagem, constituem objetivos deste trabalho. A compreensão dessa realidade – existente-possível, vincula-se aos estudos acerca do pensamento complexo, das pesquisas nosdoscom os cotidianos e de reflexões acerca da sociologia das ausências e das emergências. Assim, um mergulho profundo nos cotidianos de professores desta modalidade educativa se caracterizou procedimento metodológico indispensável para que fosse possível conhecer, desde dentro, como estes professores enfrentam as condições postas pela realidade do conhecimento curricular hegemônico e quais procedimentos de tradução vêm-se produzindo nas interações que mantêm com o grupo. O enlace das diferentes práticas curriculares revelou indícios de luta, de resistência e de criatividade, específicas de processos educativos democratizantes, contribuindo com o debate no atual contexto das reformas políticas em educação, e na maneira de como os saberes produzidos na EJA não partem da premissa de um conhecimento geral e nem de uma ignorância geral.


Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Augusto. O papel do professor na (Re)Construção do Currículo do 1º Ciclo do Ensino Secundário em Angola: das intenções às práticas. Capítulo III da Tese de Doutoramento. Braga: Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, 2004.

ANGOLA - Lei de Bases do Sistema Educativo Angoano. Lei de Base do Sistema de Educação e Ensino Nº 17/16 de 7 de Outubro. Angola, 2016.

CANÁRIO, Rui. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

COUTINHO, Carlos. Paradigmas, Metodologias e Métodos de Investigação. Lisboa: Almedina, 2011.

DLP. Dicionário da Língua Portuguesa. Porto: Porto Editora, 2011.

FIGUEIREDO, Carla; LEITE, Carlinda & FERNANDES, Preciosa. O desenvolvimento do currículo no contexto de uma avaliação de escolas centrada nos resultados: que implicações? Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 646-664, set./dez. 2016.

GIL, António. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª Edição. São Paulo: Atlas , 2008.

LEITE, Carlinda. Para uma escola Curricularmente inteligente. Porto: Edições Asa, 2003.

MARCONI, Andrade; LAKATOS, Eva. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A, 2003.

MORGADO, José . A (des)construção da autonomia curricular. Lisboa: Edições ASA, 2000.

MACHADO, Manuel. O Papel do Professor na Construção do Currículo. Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Ciências da Educação. Braga: Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, 2006.

PACHECO, José. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, 2001.

PACHECO, José. Tendências de descentralização das políticas curriculares. In José Augusto Pacheco (Org.), Políticas Educativas. O Neoliberalismo em Educação. Porto: Porto Editora, pp. 91-107, 2001.




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n2.38641

Direitos autorais 2019 Revista Espaço do Currículo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.





Este periódico está indexado nas bases:



Licença Creative Commons
A Revista Espaço do Currículo, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.