TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE O ENSINO DE PRODUÇÃO TEXTUAL NA BNCC

Antonio Naéliton do Nascimento, Denise Lino de Araújo

Resumo


A Base Nacional Comum Curricular (BNCC, 2016) surge como resultado de uma discussão sobre a necessidade de um currículo comum para o país e propõe para cada área do conhecimento os conteúdos que devem compor os currículos das escolas. Desse modo, levando em consideração a área de Linguagens e a disciplina de Língua Portuguesa, podemos perceber que opções teóricas são feitas durante a elaboração desse documento, todavia não são indicadas. Assim sendo, este artigo tem como foco apresentar a (des)montagem (Le Goff, 1997) da arquitetura conceitual e estrutural da segunda versão do documento no nível do ensino médio. A partir de pesquisa documental, de base qualitativo-interpretativista e situada no campo crítico-colaborativo da Linguística Aplicada (LA), procuramos investigar a Transposição Didática (Chevallard, 2001), ou seja, a passagem do saber científico ao saber escolarizável, a qual (re)define objetos de ensino. Portanto, mostra-se importante desvelar a configuração teórica que emana desse documento com força de lei e quais as implicações para o ensino. Para tal investigação, apoiamo-nos na teoria da Transposição Didática, Chevallard (2001, 1991), Marandino (2004); na Linguística Textual, Brait (2016), Koch (2009); e nos Estudos sobre Currículo, Silva (2005) e Moreira (2009), para analisar o conceito de produção textual desse documento. Os resultados apontam para o apagamento das filiações teóricas e uma imprecisão conceitual, que podem se revelar como complicadores da leitura. Além disso, há a uma vinculação recorrente à noção grafocêntrica de texto, resultando numa visão menos pedagógica do objeto de ensino em referência. 


Texto completo:

PDF

Referências


BENTES, A. C. Linguística textual. In. BENTES, A. C.; MUSSALIM, F. (Orgs). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2004, p. 245-282.

BRAIT, B. O texto nas reflexões de Bakhtin e do Círculo. In: BATISTA, R. O. (Org.) O texto e seus conceitos. São Paulo: Párabola, 2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 2ª versão. Brasília, DF: MEC, 2016.

CHEVALLARD, Y. Estudar matemáticas – O elo perdido entre o ensi¬no e a aprendizagem. Artmed: Porto Alegre, 2001.

FÁVERO, A. A.; TAUCHEN, G. ; SCHWANTES, L . Da transposição à compreensão didática: sentidos do conhecimento escolar na educação em ciências. Roteiro, v. 37, p. 325-342, 2012.

GARCEZ, L. H. do C. A escrita e o outro: os modos de participação na construção do texto. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

GERALDI, J. W. O ensino de língua portuguesa e a Base Nacional Comum Curricular. Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 381-396, jul./dez. 2015.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 2005.

LE GOFF, J. Documento/monumento. In: Enciclopédia Einaudi v.1. memória-história. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1997. p. 95-106.

MACEDO, R. S. Currículo, campo, conceito e pesquisa. Petrópolis: Pontes, 2012.

MARANDINO, M. Transposição didática ou recontextualização? Sobre a produção de saberes na educação em museus de ciências. Revista brasileira de educação. maio/jun./ago. 2004, n.26, p. 95-183.

MARCHUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Párabola, 2008.

MOITA LOPES, L. P. Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOREIRA, A. F. B. Estudos de currículo: avanços e desafios no processo de internacionalização. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n.137, p.367-381, maio/ago, 2009.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

PAIS, L. C. Didática da matemática: uma análise da influência francesa. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

PENNA, M. Construindo o primeiro projeto de pesquisa em educação e música. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PETITJEAN, A. Importância e limites da noção de transposição didática para o ensino do francês. [Tradução de: Ana Paula Guedes e Zélia Anita Viviani]. Fórum Linguístico, 5 (2): 83-116, Florianópolis, jul. dez., 2008.

SILVA, K. A.; ALVAREZ, M. L. O. Perspectivas de investigação em linguística aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2008.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SOUZA, J. W. A. de ; FERRAZ, M. M. Tr.; COSTA, T. M. de. A significação nos documentos parametrizadores nacionais: relação entre teorias e a prática nos livros didáticos. XVII Congresso Internacional da Associação de Linguística e Filologia da América Latina. 2014. (Congresso).




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n2.42062

Direitos autorais 2019 Revista Espaço do Currículo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.





Este periódico está indexado nas bases:



Licença Creative Commons
A Revista Espaço do Currículo, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.