CONTRIBUIÇÕES DE BAKHTIN PARA PENSAR A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE ARTE PARA ALÉM DO CURRÍCULO

Palavras-chave: Videocarta. Autoria. Enunciado. Relações dialógicas

Resumo

Este estudo se sustenta na teoria do dialogismo de Mikhail Bakhtin para refletir sobre as relações dialógicas em uma experiência na formação de professores de arte que se propõe colaborativa. Na intenção de contribuir com o observatório de formação de professores de arte apresento nesse estudo uma reflexão sobre a potência dos enunciados na linguagem videográfica. Os dados discutidos são de uma pesquisa realizada com estudantes de licenciatura em artes visuais de uma universidade brasileira e uma estadunidense, com vistas a identificar como ocorrem os processos de autoria em experiências de formação colaborativas e a distância não previstas no currículo. À luz de uma perspectiva teórico/metodológica ético-estética, a qual pressupõe uma escuta ética e responsiva, atentamo-nos aos enunciados produzidos em vídeo por esses dois grupos de sujeitos participantes de um projeto de extensão. Os dados foram coletados a partir de videocartas legendadas e discussões em um ambiente virtual de aprendizagem. A partir das análises, é possível inferir que os enunciados das videocartas foram construídos a partir de múltiplas vozes nos dois contextos (brasileiro e estadunidense) conectando e movimentando os elos da cadeia dialógica. Promovendo ressonâncias no diálogo dos sujeitos e produzindo sentido entre eles. Há de se considerar também o impacto desse projeto no currículo de ambos os cursos, no que tange a curricularização da extensão e nos programas de licenciaturas internacionais .


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katyuscia Sosnowski, IFPR - Instituto Federal do Paraná
Professora de Artes Visuais no Instituto Federal do Paraná- IFPR. E-mail: katyuscia.sosnowski@ifpr.edu.br. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-0110-7657

Referências

AMORIM, M. Cronotopo e exotopia. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006. p. 95-114.

______. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa, 2004.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

COPPETE, M. C. Da multiculturalidade à Interculturalidade: percursos e processos. In: VALLEJO, Antonio Pantoja; ZWIEREWICZ, Marlene. Sociedade da Informação, educação digital e inclusão. Florianópolis. Insular. p. 117-142. 2007.

COPPETE, M. da C.; ZWIEREWICZ, M. Os limiares da educação intercultural na formação e no trabalho docente. 2007. Disponível em: <http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/55200782917PM.pdf> Acesso em: 19 Abr 2019.

DUBOIS, Philippe. Cinema, Vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

PNE – Plano Nacional de Educação LEI (2014-2024)

PALLOF, R. M. e PRATT, K. Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço. Porto Alegre: Artmed. 2002

SAMPAIO, M. C. H. A propósito de Para uma filosofia do ato (Bakhtin) e a pesquisa científica nas ciências humanas. Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 42-56, 2009.

STAM, Robert. Bakhtin : Da Teoria Literária à Cultura de Massa. São Paulo: Editora Ática. 1992.

Publicado
2019-10-03
Como Citar
SOSNOWSKI, K. CONTRIBUIÇÕES DE BAKHTIN PARA PENSAR A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE ARTE PARA ALÉM DO CURRÍCULO. Revista Espaço do Currículo, v. 12, n. 3, 3 out. 2019.