UMA DANÇA-MENOR EM UM CURRÍCULO-DANÇANTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i2.67279

Palavras-chave:

Dança-menor, Currículo-dançante, Aprender

Resumo

Este artigo mostra como um currículo-dançante, criado a partir de experimentações com dança no território de um currículo em ação, se reinventou e desencadeou outros modos de aprender ao se conectar com uma dança-menor, aquela que está nos corpos estudantis e é frequentemente marginalizada no currículo maior. Utilizou-se como metodologia o dançarilhar, isto é: uma composição feita de cartografia + dança e que se inspira tanto nos estudos de Gilles Deleuze e Félix Guattari como no “Andarilho” de Nietzsche para apostar em um currículo-dançante. O objetivo deste artigo é mostrar como um currículo-dançante funcionou ao se conectar a uma dança-menor no território de um currículo, seguindo alguns sons da cultura hip-hop, como o funk, a trap dance e o k-pop. Essa dança-menor com um professorar sensível e à espreita de brechas para fazer o movimento acontecer no meio de disciplinas autorizadas ensinadas nas escolas possibilitou quebrar, romper e subverter as regras, a visão de corpo e de dança de um currículo-maior. O artigo mostra, também, que, por meio dessa conexão, estudantes aprendem seguindo a linha dançante do prazer e da alegria. O argumento desenvolvido é o de que um currículo-dançante se tornou um espaço de transgressão e criação ao se conectar a uma dança-menor, enunciando corpos, dança e um currículo por vir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carla Char, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais e professora pela mesma instituição.

Marlucy Alves Paraíso, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf >. Acesso em: 21 jun. 2023.

BRAZ, Matheus. O que é a trap dance? [Entrevista cedida a] Carla Char. Instagram: via direct. Contagem, 18 mar. 2019. 1 arquivo .mp3 (5 min.).

BRUM, Leonel B. Videodança: uma escrita cênica da dança. 2012. 181 p. Tese (Doutorado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. Tradução Álvaro Lorencini. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

CAMPOS, Camila A. Currículo com música: essa composição normaliza ou faz dançar? 2018. 155 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

CASTRO, Edgardo. Leituras da modernidade educativa. Disciplina, biopolítica, ética. In: GONDRA, José; KOHAN, Walter (orgs.). Foucault 80 anos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

CHAR, Carla. Dança e resistência e educação: por uma pedagogia dançante. Monografia. Faculdade de Educação. Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: <https://www.academia.edu/44321204/dan%C3%A7a_e_resist%C3%AAncia_e_educa%C3%A7%C3%A3o_por_uma_pedagogia_dan%C3%A7ante>. Acesso em: 21 jun. 2023.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução Peter Pál Pelbart. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Féliz. Kafka: por uma literatura menor. Tradução Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1977.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, v. 4. Tradução Suely Rolnik. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012a.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, v. 5. Tradução Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012b.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

FORNACIARI, Christina. Tentativas atrevidas: o funk na arte-educação. In: FORNACIARI, Christina (org.). Corpo em contexto. Belo Horizonte: Scriptum, 2014.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: N-1 Edições. 2013.

LEPECKI, André. Coreopolítica e coreopolícia. ILHA, v. 13, n. 1, p. 41-60, jan.-jun. 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5007/2175-8034.2011v13n1-2p41>. Acesso em: 21 jun. 2023.

LIE, John. What Is the K in K-pop? South Korean Popular Music, the Culture Industry, and National Identity. Korea Observer, v. 43, n. 3, p. 339-363, Autumn 2012. Disponível em: <https://www.tobiashubinette.se/hallyu_1.pdf>. Acesso em: 21 jun. 20203.

LOPES, Adriana C. Funk-se quem quiser: no batidão negro da cidade carioca. 1. ed. Rio de Janeiro: Bom Texto; FAPERJ, 2011.

OLIVEIRA, Danilo Araujo de; FERRARI, Anderson; CHAR, Carla. “A história que a história não conta”: heterotopias de um samba-enredo no currículo. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 634-658, abr./jun. 2021.

PARAISO, Marlucy Alves. O “coração” da escola... Um território disputado. In: PARAISO, Marlucy Alves. Currículos: teorias e políticas. São Paulo: Contexto, 2023, p. 7-19.

RIBEIRO, Ana Cristina; CARDOSO, Ricardo. Dança de rua. Campinas: Editora Átomo, 2011.

SILVA, Ana Cristina R. Dança de rua: do ser competitivo ao artista da cena. 2014. 269 f. Dissertação, (Mestrado em Artes da Cena) – Teatro, Dança, Performance, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

VIANNA, Klauss. A Dança. Em colaboração com Marco Antonio de Carvalho. 8. edição. São Paulo: Summus, 2018.

YUKA, Marcelo. Muitos falam, pouco conhecem. E o que fazem? In: LEAL, Sérgio José de Machado. Acorda hip-hop!: despertando um movimento em transformação. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2007. Disponível em: <https://issuu.com/tramas.urbanas/docs/acorda_hip_hop>. Acesso em: 21 jun. 2023.

Downloads

Publicado

02-09-2023

Como Citar

CHAR, C.; PARAÍSO, M. A. . UMA DANÇA-MENOR EM UM CURRÍCULO-DANÇANTE. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 1–20, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i2.67279. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec/article/view/67279. Acesso em: 18 jul. 2024.