QUESTÕES SOBRE AS DIFERENÇAS DE GÊNERO NO ENSINO SUPERIOR

QUESTIONS ON GENDER DIFFERENCES IN HIGHER EDUCATION

Autores

  • Maria Helena Santana Cruz Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2019v28n1.24695

Palavras-chave:

Diversidade, Educação, Ensino Superior, Gênero

Resumo

Este paper reflete sobre as diferenças de gênero no ensino superior brasileiro, considerando a mulher como clientela potencial nesse nível. A abordagem apoia-se na revisão da literatura e em dados de pesquisas, destacando particularidades e expressões das diferenças por meio da segmentação no trabalho docente e do acesso de alunos(as) aos diferentes cursos no ensino superior. Observa-se que em nenhuma sociedade as mulheres desfrutam das mesmas oportunidades educacionais que os homens. A jornada de trabalho delas é mais longa, seu salário é menor e suas opções de vida são mais restritas. A igualdade na educação deve ser entendida não apenas como uma questão de oportunidades oferecidas no sistema de ensino, mas tem a ver com os resultados reais das diversas opções educativas e do desempenho de diferentes grupos de alunos por intermédio do sistema de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Helena Santana Cruz, Universidade Federal de Sergipe

Professora Emérita da Universidade Federal de Sergipe, Pós-Doutora em Sociologia da Educação, Doutora e Mestra em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Coordenadora do Grupo de Pesquisa do CNPq: “Educação, Formação, Processo de Trabalho e Relações de Gênero”. Professora dos Programas de Pós-Graduação em Educação e Serviço Social; Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares sobre a Mulher e Relações Sociais de Gênero (NEPIMG/UFS).

Referências

BALSA, C.; SIMÕES, J. A.; NUNES, P.; CARMO, R.; CAMPOS R. L. Perfil dos estudantes do ensino superior: Desigualdades e diferenciação. Lisboa, Portugal: CEOS, Edições Colibri. 2001.

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o desenvolvimento mundial de 2012. Igualdade de gênero e desenvolvimento. Washington: BM. 2012.

BLAY, E. A.; CONCEIÇÃO R. R.. A mulher como tema nas disciplinas da USP. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 76 (50-56), fevereiro. 1991.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/ arquivos/ pdf/ldb.pdf> Acesso em: 27 mai. 2015.

______________. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação para o decênio 2014-2024. Disponível em <http://www2.camara.leg.br/ legin/fed/lei/2014/lei-13005-25-junho-2014-778970-publicacaooriginal-144468-pl.html>. Acesso em: 13 ago. 2014.

BOURDIEU, P.. Le sens pratique. Paris: Minuit. 1980.

______________. Razões práticas sobre a teoria da acção. Oeiras: Celta Editora. 2001.

BUTLER, J.. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade; Trad. Renato Aguiar. – 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012

CASTRO, M. G.; LAVINAS, L.. Do feminino ao gênero: a construção de um objeto. In: Costa, A. O.; Bruschini, C. (orgs.). Uma questão de gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas. 1992.

COULON, A.. A condição de estudante. A entrada na vida universitária. Salvador: Edufba. 2008.

CRUZ, M. H. S.. Mapeando diferenças de gênero no ensino superior da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão: Editora UFS, 2013.

DE LAURETIS, T.. Tecnologies of gender: essays on theory, film and fiction: Indianápolis: A midland Book, 1987.

GIDDENS, A.. As conseqüências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

GIDDENS, A.. Modernidade e identidade pessoal. Oeiras: Celta Editora, 1994.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSICA (IBGE). Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível: <http://www.ibge.gov.br.> Acesso em 30 jul. 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). (2013). Censo da Educação Superior de 2013. Disponível: http://www.inep.gov.br .Acesso: 30 nov. 2013.

ISAIA, S. Formação do professor de ensino superior: tramas na tecitura. In: MOROSINI, M. (org.). Enciclopédia de pedagogia universitária. Porto Alegre: FAPERGS/RIES. 2003.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 12.ed. Rio de Janeiro: Bertrand. 2006.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote. 1992.

ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OECD). (2009) Educationat a Glance 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. (1948). Adotada pela Assembleia Geral da ONU, em 10 de dezembro de 1948. Disponível em: <http://www.ohchr.org/EN/UDHR/ Documents/ UDHR. Translations/por.pdf> Acesso em: 26 mai. 2015.

______________. Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência Contra a Mulher (CEDAW). (1979) Aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em18 de dezembro de 1979. Promulgada pelo Brasil através do Decreto nº 89.460, de 20/03/1984.

______________. Convenção sobre os Direitos da Criança. (1989) Adotada pela Assembleia Geral da ONU, em 20 de novembro de 1989 e ratificada pelo Brasil através do Decreto 99.710 de 21 de novembro de 1990.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). (2014). Relatório monitoramento global educação. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002256/225654por.pdf/> Acesso em: 21 jun. 2014.

PASSOS, E. S.. A educação das virgens: um estudo do cotidiano do colégio Nossa Senhora das Mercês. Rio de Janeiro: Universidade Santa Úrsula, 1995.

PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto. 2007.

ROSEMBERG, F. Afinal, por que somos tantas psicólogas? Psicologia, Ciência e Profissão, vol.4 nº 1, Brasília. 1984.

SANTOS, B. S.. Pela mão de Alice: o social e o político na pós- modernidade. São Paulo: Cortez, 2001.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, vol. 16, nº 2, jul./dez. 1990.

SILVA, E.G.; NOGUEIRA, C.; NEVES, A. S. A.. (RE)conciliação dos usos do tempo: imigração, gênero e trabalho-família. Porto Alegre: PSICO. 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE (UFS). Histórico da Universidade Federal de Sergipe. (2010). Disponível em: <http://www.ufs.br/index-antigo.php?pagina=interna&id=2.> Acesso em 24 jan. 2010.

VAN DIJK, T. A.. Discurso, notícia e ideologia – Estudos na análise crítica do discurso. Porto: Campo das Letras. 2005.

ZABALZA, M. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed. 2004.

ZAGO, N. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.11 n.32, 2006.

Downloads

Publicado

2019-04-18

Como Citar

CRUZ, M. H. S. QUESTÕES SOBRE AS DIFERENÇAS DE GÊNERO NO ENSINO SUPERIOR: QUESTIONS ON GENDER DIFFERENCES IN HIGHER EDUCATION. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 114–137, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2019v28n1.24695. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/24695. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

MÉMÓRIAS CIENTÍFICAS ORIGINAIS