ASSOCIAÇÃO ENTRE O CRONOTIPO E O DESEMPENHO ESCOLAR DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CURITIBA, PR

Autores

  • Henrique Gomes PUCPR
  • Hellen Monique Silva Bet Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2021v30n2.56306

Palavras-chave:

Ritmo biológico. Cronobiologia. Aprendizagem.

Resumo

O cronotipo constitui fator importante para o aprendizado e tarefas cotidianas. Alterações no ciclo sono-vigília podem ocorrer com maior frequência em adolescentes, o que também pode levar à diminuição de seu desempenho. Atualmente, tem se mostrado que quando o estudante está matriculado no mesmo período de acordo com seu cronotipo, seu desempenho escolar é melhor. Este trabalho teve como objetivo avaliar o cronotipo dos alunos do 9º ano e associar com as notas obtidas ao longo de um semestre. A pesquisa envolveu alunos de dois colégios públicos de Curitiba. As informações foram coletadas através de questionário de identificação do cronotipo. Teve também o apoio de um levantamento documental sobre o desempenho acadêmico dos alunos investigados. Observou-se nos resultados obtidos que o cronotipo intermediário é o mais comum entre esses adolescentes e que apenas 7% deles estudam em horário inapropriado ao seu cronotipo. Ficou demonstrado, também, que o rendimento escolar não sofreu interferência significativa do cronotipo, sexo ou idade do aluno, o que pode estar associado ao pequeno universo amostral de estudantes. Com base nos resultados, conclui-se que a aprendizagem destes estudantes não demonstrou relação com seu tipo cronobiológico, ou com a idade e o sexo, ainda que outras pesquisas sejam necessárias para melhor compreensão dessa relação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Gomes, PUCPR

Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Genética (UFPR). Doutor em Genética com ênfase no ensino de Genética e Evolução (UFPR). Professor da Educação Básica em Curitiba/PR e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Hellen Monique Silva Bet, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Referências

ALAM, M. F. et al. Caracterização e distribuição de cronotipos no sul do Brasil: Diferenças de gênero e estação de nascimento. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 57, n. 2, p. 83–90, 2008.

ALVES, E. Relação Entre Duração do sono noturno e Desempenho Cognitivo: Um Estudo com dosos. 2018. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/10842/Disserta%C3%A7%C3%A3o_%C3%89len%20Santos%20Alves.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 18 de maio de 2020.

ANTICO, M. A. G.; ROYER, M. R. Efeito da alimentação e cronobiologia no processo da aprendizagem. 2010. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2010/2010_fafipa_cien_artigo_marli_aparecida_godoy.pdf>. Acesso em: 23 de ago de 2019.

BARBIERI, M. F. A Influência do Ritmo Biológico no rendimento Escolar de Alunos de uma Escola do Município de Farroupilha-RS. Teses e Dissertações PPGECIM, 2014.

BARIN, I. L. A interferência do ritmo biológico no rendimento escolar de pré-adolescentes de uma escola do município de Esteio/RS. 2011. Disponível em: <https://lume.ufrgs.br/handle/10183/29930>. Acesso em: 15 de maio de 2019.

BORILLE, J. M. et al. O sono e sua importância na idade escolar: Análise de cronotipos, avaliação da qualidade do sono e conscientização sobre o tema. 2009. Disponível em: <http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:c9_1-oANHFgJ:www.sinect.com.br/2016/down.php%3Fid%3D3540%26q%3D1+&cd=1&hl=pt- BR&ct=clnk&gl=br>. Acesso em: 25 de set. de 2019.

CARVALHO, P. Hábitos de estudo e sua influência no rendimento escolar. 2012. Disponível em: <http://bdigital.ufp.pt/handle/10284/3572>. Acesso em: 15 de jun. de 2020.

CEDERNAES, J. et al. Learning and sleep-dependent consolidation of spatial and procedural memories are unaltered in young men under a fixed short sleep schedule. Neurobiology of Learning and Memory, v. 131, p. 87–94, 2016.

CIAMPO, L. A. DEL et al. Características de hábitos de sono entre adolescentes da cidade de Ribeirão Preto (SP). J Hum Growth Dev, v. 27, n. 3, p. 307–314, 2017.

COSTA, R. M.; MARTINS, I. D. S. Melatonina na insônia primária: Quais as evidências? Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 11, n. 38, p. 1–9, 2016.

DUARTE, L. L. Cronotipos humanos. Cruz das Almas: UFRB, 2018.

DUARTE, L. L. et al. Chronotype ontogeny related to gender. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 47, n. 4, p. 316–320, 2014.

EL HALAL, C. DOS S.; NUNES, M. L. Sleep and weight-height development. Jornal de Pediatria, v. 95, p. 2–9, 2019.

FERNANDES, R. M. F. O sono normal. Medicina, v. 39, n. 2, p. 157–168, 2006.

FINIMUNDI, M.; RICO, E. P.; SOUZA, D. O. Relação Entre Ritmo Circadiano, Turno e Rendimento Escolar de Alunos do Ensino Fundamental. Revista Neurociencias, v. 21, n. 2, p. 175–183, 2013.

HORNE, J. A.; OSTBERG, O. A self assessment questionnaire to determine Morningness Eveningness in human circadian rhythms. International Journal of Chronobiology, v. 4, n. 2, p. 97-110, 1976.

LIMA, J. Aplicação dos princípios da cronobiologia nas atividades escolares e sociais. 2013. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_uepg_cien_pdp_jucemara_de_lima.pdf>. Acesso em: 19 de maio de 2019.

MENDES, R. A. P. C. Variação matutina e vespertina no desempenho em testes de memória e de compreensão de leitura em adolescentes escolares com diferentes cronotipos. 2013. Disponível em: <0424http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/314125/1/Mendes_RubiaAparecidaPereiradeCarvalho_M.pdf>. Acesso em: 15 de jun. de 2020.

MENDES, R. A. P. C. Análise dos parâmetros rítmicos e de sono, cronotipo e jetlag social em adolescentes: relações com o gênero, turno escolar, atividades noturnas e desempenho cognitivo. 2019. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47135/tde-18112019-191921/publico/mendes_do.pdf. Acesso em: 07 de nov. de 2020.

MILBRADT, C.; HABOWSKI, A. C.; CONTE, E. O computador e a arte-educação: reflexões sobre limites e potencialidades dessa integração. Revista Temas em Educação, v. 29, n .3, p. 47–66, 2020.

MORAES, C. A. T. et al. Qualidade de sono em estudantes de medicina do método de aprendizado baseado em problemas. Medicina (Brazil), v. 46, n. 4, p. 289–297, 2013.

MÜLLER, M. R.; GUIMARÃES, S. S. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 24, n. 4, p. 519–528, 2007.

NEVES, G. S. M. L. et al. Transtornos do sono: visão geral. Revista Brasileira de Neurologia, v. 49, n. 2, p. 57–71, 2013.

NEVES, G. S. M. L.; MACEDO, P.; GOMES, M. M. Transtornos do sono: Atualização (Parte 2/2). Revista Brasileira de Neurologia, v. 54, n. 1, p. 32–38, 2018.

OLIVEIRA, W. A. et al. Influência da qualidade do sono sobre a aprendizagem no ensino de ciências. Rev. Psicopedagogia, v. 36, n. 109, p. 73–86, 2019.

PARAGINSKI, A. L. Compasso que varia de pessoa para pessoa. Revista UCS, 15. 2014. Disponível em: https://www.ucs.br/site/revista-ucs/revista-ucs-15a-edicao/no-ritmo-do-relogio-biologico/. Acesso em 13 de jun de 2019.

PASSOS, M. L. S.; GUIMARÃES, L. B. M. A influência da matutinidade e vespertinidade nos resultados alcançados por alunos de um curso superior on-line. 2017. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2017/trabalhos/pdf/292.pdf. Acesso em: 11 de maio de 2019.

PEREIRA, É. F. et al. Sono e adolescência: Quantas horas os adolescentes precisam dormir? Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 64, n. 1, p. 40–44, 2015.

ROZA, R. H. As TICS como mediadoras da relação entre o indivíduo e seus objetos de estudo. Revista Temas em Educação, v. 28, n. 3, p. 97–108, 2019.

RUCH, S.; HENKE, K. Learning During Sleep: A Dream Comes True? Trends in Cognitive Sciences, v. 24, n. 3, p. 170–172, 2020.

SCHMITT, C. S.; DOMINGUES, M. J. C. DE S. Estilos de aprendizagem: um estudo comparativo. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), v. 21, n. 2, p. 361–386, 2016.

SOARES, C. S.; ALMONDES, K. M. Sono e cognição: implicações da privação do sono para a percepção visual e visuoespacial. Psico, v. 43, n. 1, p. 85–92, 2012.

SOUZA, L. Z. Melatonina, distúrbios do sono e genótipo da apolipoproteína e em pacientes com demências: possível interação? 2018. Disponível em: http://www.famema.br/ensino/mestrado_acade/dissertacoes/Souza,%20LZ%20-%20MELATONINA,%20DIST%C3%9ARBIOS%20DO%20SONO%20E%20GEN%C3%93TIPO%20DA%20APOLIPOPROTE%C3%8DNA%20E%20EM%20PACIENTES%20COM%20DEM%C3%8ANCIAS%20-%20POSS%C3%8DVEL%20INTERA%C3%87%C3%83O.pdf. Acesso em: 25 de set de 2020.

ZANQUETTA, P. S.; STINGHEN, F. M. Sono e qualidade de vida. 2013. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_utfpr_edfis_artigo_paulo_sergio_zanquetta.pdf. Acesso em: 05 de maio de 2019.

ZERBINI, G. et al. Lower school performance in late chronotypes: Underlying factors and mechanisms. Scientific Reports, v. 7, n. 1, p. 1–10, 2017

Downloads

Publicado

2021-06-12

Como Citar

GOMES, H.; SILVA BET, H. M. ASSOCIAÇÃO ENTRE O CRONOTIPO E O DESEMPENHO ESCOLAR DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CURITIBA, PR. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 30, n. 2, p. 152–166, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2021v30n2.56306. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/56306. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

RELATOS DE PESQUISA