O PERFIL DO GESTOR DA ESCOLA PÚBLICA PORTUGUESA

Maria João Carvalho

Resumo


Resumo: Este artigo resulta de uma atitude reflexiva suportada por um conjunto de considerações que foram surgindo à medida que estudávamos a figura do gestor escolar da escola pública portuguesa, desde o Estado Novo até à atualidade, tentando conhecer quais as terminologias que os diferentes normativos legais impuseram, em simultâneo com os requisitos exigidos para o exercício da função. Nesta breve incursão diacrónica, numa abordagem de caráter, assumidamente, legalista conseguimos percecionar as diferentes políticas educativas que foram enformando o modelo de gestão educativo português, numa clara relação com modelos de gestão de caraterísticas colegiais e democráticas, aos quais o perfil do gestor escolar não seria alheio. Porém, a atual legislação marca um recuo relativamente a esses princípios assumindo a exigência de um órgão unipessoal, com uma configuração próxima da de um técnico de gestão. Palavras-chave: Gestão democrática. Escola. Gestor escolar

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Almerindo. A(s) Autonomia(s) da Escola na Encruzilhada Entre o Velho e o Novo Espaço Público, in Inovação. Vol.12, nº 3, Lisboa, IIE, 1999, pp.121-137.

BARROSO, João. Formar professores para intervir na administração das escolas, in Aprender. nº11, 1990, pp.11-16.

______. Para uma abordagem teórica da reforma da administração escolar: a distinção entre a “Direcção” e a “Gestão”, in Revista Portuguesas de Educação. Vol.8, nº1, Braga, UM, 1995, pp.35-56.

______. Da Autonomia à Gestão. Uma visita guiada por João Barroso (entrevista), 1996, (polic.), pp.15-18.

______. Regulação e Autonomia da Escola Pública: O Papel do Estado, dos Professores e dos Pais, in Inovação. Vol.12, nº3, Lisboa, Ministério da Educação, 1999, pp.9-33.

CARVALHO, Maria João (2012b). A modalidade de escolha do diretor na escola pública portuguesa”. Revista Lusófona de Educação. N.º 22, pp. 103-121.

CRSE. Documentos Preparatórios II. Lisboa, GEP, 1988.

ESTEVÃO, Carlos. Justiça e Educação. São Paulo, Editora Cortez, 2001.

LIMA, Licínio. Modelos de Organização das Escolas Básica e Secundária. Para uma Direcção Democrática e uma Gestão Profissional, in Comissão de Reforma do Sistema Educativo. A Gestão do Sistema Escolar. Relatório de Seminário. Lisboa, Gabinete de Estudos e Planeamento do Ministério da Educação, 1988, pp.149-195.

______. A Administração do Sistema Educativo e as Escolas (1986/1996), in A Evolução do Sistema Educativo e o PRODEP – Estudos Temáticos. Vol. I, Lisboa, ME, 1998, pp.15-96.

______. Regime da Gestão Escolar na RAM é “Ataque à Democracia”, in Prof, nº65, Madeira, 2005, s.p.

LEGISLAÇÃO

Decreto-Lei n.º27 084, de 14 de Outubro de 1936

Decreto-Lei n.º 36 508, de 17 de Setembro de 1947

Decreto-Lei n.º 48 572, de 9 de Setembro de 1968

Decreto-Lei n.º 513/73, de 10 de Outubro de 1973

Decreto-Lei n.º 735-A, de 21 de Dezembro de 1974

Decreto-Lei n.º 176/74, de 29 de Abril de 1974

Decreto-Lei n.º 221/74, de 27 de Maio de 1974

Decreto-Lei n.º 769-A/76, de 23 de Outubro de 1976

Lei n.º 46/86, de 14 de Outubro de 1986

Decreto-Lei n.º 43/89, de 3 de Fevereiro de 1989

Decreto-Lei n.º 172/91, de 10 de Maio de 1991

Decreto-Lei n.º 115-A/98, de 4 de Maio de 1998

Decreto-Lei n.º75/2008, de 22 de Abril de 2008




DOI: https://doi.org/10.15687/rec.v10i1.32586

Direitos autorais 2017 Revista Espaço do Currículo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.







Este periódico está indexado nas bases: