Entre sentidos e significados da tradução das Diretrizes Curriculares Nacionais de Pedagogia (DCNS) em MT

Silvana Alencar Silva, Ozerina Victor Oliveira

Resumo


Nesse artigo problematizamos a tradução das Diretrizes Curriculares Nacionais de Pedagogia de 2006 (DCNs), realizada em três cursos de Licenciatura em Pedagogia, em Instituições de Ensino Superior (IES) do Estado de Mato Grosso. O objetivo é compreender o processo de tradução produzido nestes cursos, os sentidos e significados dados ao elaborarem seus próprios projetos de currículo considerando as DCNs. Em termos teórico-metodológicos, desenvolvemos uma análise que recorre à noção de tradução da Teoria do Discurso, das contribuições de Hall (2003), de apropriações desta noção para o campo do currículo e do entendimento de currículo como política cultural. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, articulada à consideração do Ciclo de Políticas (BOWE; BALL, 1992), que toma como fonte de dados os Projetos Pedagógicos de Curso (PPC). Dessa pesquisa conclui-se que a tradução das DCNs nos cursos de Licenciatura em Pedagogia em MT se caracterizou como um processo de negociação, marcado por dissensos e acordos provisórios, pois os cursos estabelecem diálogo entre sua identidade originária e a identidade proposta para a pedagogia nas DCNs. Esse processo de tradução indica que os dissensos e a instabilidade de sentidos que o configuram dão corpo ao caráter híbrido dos PPCs. A tradução constrói a identidade profissional num movimento agonístico à medida que nunca se completa, pois sua característica é a indecidibilidade, a impossibilidade constante de acessar o “real” significado das DCNs.  

Palavras-chave: Pedagogia. Diretrizes Curriculares. Tradução.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. A. S; BRZEZINSKI I.; FREITAS, L. H.; SILVA, P. S. M. PINO, R. I. Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia no Brasil: Disputas de projetos no campo de formação do profissional da educação. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 96 – Especial. p. 819-842, p. 818-842, out. 2006. Disponível em: Acessado em: 10 out. 2015.

APPLE, M. W. Educação e poder. Trad. de Maria Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

ANFOPE. Boletim da ANFOPE. Campinas, SP, abril, 1998.

______. Documento Final do IX Encontro Nacional da ANFOPE. Campinas-SP, 1998.

______. VII Seminário Nacional sobre a Formação dos Profissionais da Educação. Documento conjunto das entidades. Brasília: UnB, 2005. Anais.

BACKES, J. L.; PAVAN, R. A desconstrução das representações coloniais sobre a diferença cultural e a construção de representações interculturais: um desafio para formação de educadores. Currículo sem Fronteiras, v. 11, p. 108-119, 2011. Disponível em: Acessado em: 25 jun. 2015.

BALL, S. J; BOWE, Richard. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BALL, S. J. The policy processes and the processes of policy. In: BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. (Org.). Reforming education e changing school: case studies in policy sociology.Londres / Nova York: Routledge.1992. p. 6-23.

BERALDO, T.; OLIVEIRA, V. O. Comunidades epistêmicas e desafios da representação nas políticas curriculares do curso de Pedagogia. Revista Teias. Rio de Janeiro RJ. v. 11 n. 22, p. 113-132, maio/ago. 2010.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education &changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

_____. Parecer CNE/CP nº. 133/2001. Trata de esclarecimentos quanto à formação de professores para atuar na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 2001.

______.Resolução CNE/CP nº 01, de 18 de fevereiro de 2002: Institui as diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2002.

______. Lei nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2003. Disponível em: . Acessado em: 11ago. 2015.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 5, de 13 de dezembro de 2005. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Diário Oficial da União. Brasília, 2005.

______. Resolução CNE/CP 1/2006. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de maio de 2006.

_____. Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Disponível em: Acessado em: 10 ago. 2015.

BRZEZINSKI I. et al.Diretrizes curriculares do curso de Pedagogia no Brasil: disputas de projetos no campo da formação do profissional da educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96, p.819-842, out. 2006a (Especial).

DOURADO, F. L. A formação de professores e a base comum nacional: questões e proposições para o debate. RBPAE, v. 29, n. 2, p. 367-388, mai/ago. 2013.

FRANCO, M. A. S. et al.. Elementos para formulação de diretrizes curriculares para cursos de Pedagogia. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, p. 63-97, jan./abr. 2007.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. 7º ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 1995.

HALL, S. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

LACLAU, E. Misticismo, retórica y política. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2002. 128 p.

LACLAU, E. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LIBANEO, J. C. Diretrizes curriculares da Pedagogia: imprecisões teóricas e concepção estreita da formação profissional de educadores. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 96, 2006. Disponível em: Acessado em: 07 mar. 2015.

______. Diretrizes curriculares da Pedagogia: um adeus à Pedagogia e aos pedagogos? 2006. Disponível em: Acesso em: 03 fev. 2015.

LOPES, R. C. A. Discurso e representação na política de um currículo: o caso do ensino médio (2003-2010). Projeto de pesquisa de 2010. Disponível em: Acessado em 15jan. 2015.

LOPES, R. C. A.; CUNHA, R. V. E.; COSTA, C; H. HUGO. Da recontextualização à tradução: investigando políticas de currículo. Currículo sem fronteiras, v.13, n. 3, p. 392-410, set/dez.2013. Disponível em: . Acessado em: 10 ago.2014.

MACEDO, E. Formação de Professores e Diretrizes Curriculares Nacionais: para onde caminha a educação? Revista Teias, Rio de Janeiro, ano I, n. 2, pp.7-29, jul./dez. 2000. Disponível em: http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php/revistateias/article/view/29/31. Acessado em: 10/10/2015.

MACEDO, E. (Orgs.). Disciplinas e integração curricular: histórias e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 145-17.

MCLAREN, P. A Vida nas Escolas. Uma introdução à pedagogia crítica nos fundamentos da educação. Porto Alegre: Artes médicas, 1997.

MENDONÇA, D. A teoria da hegemonia de Ernesto Laclau e a análise política brasileira. Ciências Sociais Unisinos, v. 43, n. 3, 249-258, set./dez., 2007.

_____. Currículo: questões atuais. Campinas, SP: Papirus, 1997.

MOREIRA, A. F. B; SILVA, T. T.. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

MOREIRA, A. F. B; CANDAU, V. M.. Indagações sobre o currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, 2007.

MAZZOTTI, T. Estatuto de cientificidade da Pedagogia. In: PIMENTA, S. G. (Org.). Pedagogia, ciência da educação? São Paulo: Cortez. 1996.

OLIVEIRA, O. V.de. Movimento comutativo da política de currículo: o caso da Escola Sarã. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 17, n. 33, p. 13-24, jan.-abr. 2008.

RONUNCIAMENTO CONJUNTO DAS ENTIDADES DA ÁREA DA EDUCAÇÃO EM RELAÇÃO ÀS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA. Educ. Soc., n. 97, v. 27, p.1361-1363, set./dez. 2006.

PAVAN, R. Currículo a construção das identidades de gênero e a formação de professores. Revista Contrapontos, v. 13, n. 2 (2013). Disponível em: Acessado em: 10 out. 2015.

PIMENTA, S. G.. (Org.) Pedagogia, ciência da Educação? São Paulo: Cortez, 1996.

SANTIAGO, A.R. F. Projeto Político Pedagógico e organização curricular: desafios de um novo paradigma. In: VEIGA, I. P. A.; FONSECA, M. (Orgs.). As dimensões do projeto político‐pedagógico: novos desafios para a escola. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 2008. p. 141-173.

SAUL, A. M. Considerações a respeito do conceito de currículo. Anais 1984: Seminário Tendências e prioridades de currículo na realidade brasileira. São Paulo: EDUC, 1985.

SAVIANI, D. Pedagogia: o espaço da educação na universidade. Cadernos de Pesquisa, v. 37, nº. 130, jan./abr., p. 99-134, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v37n130/06.pdf. Acessado em 20/08/2014.

SCHEIBE, L. Diretrizes Curriculares para o curso de Pedagogia: trajetória longa e inconclusa. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 130, p. 43-62, jan/abr., 2007. Disponível em Acessado em: 10 jan. 2015.

______. Valorização e formação dos professores para a educação básica: questões desafiadoras para um novo Plano Nacional de Educação. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 981-1000, jul.-set. 2010. Disponível em: Acessado em: 10 nov. 2015.

SCHEIBE, L; AGUIAR, M. Â. Formação de profissionais da educação no Brasil: o curso de Pedagogia em questão. Educação e Sociedade, Campinas, Cedes, n. 69, p.80-108, dez. 1999.

SCHEIBE, L; DURLI, Z. Curso De Pedagogia No Brasil: Olhando o compreendendo o presente. Revista Espaço em Foco, ano 14, n. 17, p. 79-109, julho 2011. Disponível em: Acessado em: 3 mar. 2015.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3º ed. Belo Horizonte - MG: Editora Autêntica, 2011.




DOI: https://doi.org/10.15687/rec.v10i2.35460

Direitos autorais 2017 Revista Espaço do Currículo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.







Este periódico está indexado nas bases: