MAPEAMENTO DE PESQUISAS SOBRE COMO PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA MODELAM O CURRÍCULO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.43980

Palavras-chave:

Currículo Moldado, Educação Matemática, Professores, Estado da Arte

Resumo

Neste artigo, nosso objetivo é analisar a produção acadêmica expressa nas teses e dissertações sobre Currículo na Matemática produzidas no período de 1987 a 2012, de forma a compreender a configuração desta temática no campo da Educação Matemática brasileira e o que se tem produzido sobre o currículo moldado pelos professores. Metodologicamente, assume-se a pesquisa como sendo do tipo estado da arte com a utilização da Análise Textual Discursiva para a construção dos metatextos que emergiram das leituras dos trabalhos analisados e como uma investigação dentro da abordagem qualitativa de caráter interpretativo. Os resultados apontam que existe uma preocupação nas produções analisadas em aproximar a prática social da Matemática, que está prescrita nos documentos oficiais, com as demandas do cotidiano vivenciado pelos estudantes, a fim de significar o conteúdo a ser ensinado na sala de aula ou em espaços não escolares, mas que despertam a aprendizagem.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Wagner Barbosa de Lima Palanch, Universidade Cruzeiro do Sul, Brasil.

Doutor em Educação de Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Professor Assistente I da Universidade Cruzeiro do Sul.

Tiago Cardoso Silveira, Universidade Cruzeiro do Sul, Brasil.

Mestre em Ensino de Ciências pela Universidade Cruzeiro do Sul.

Referências

ALVES, D. S. Simetria axial: uma sequência didática para alunos da 6ª série com o uso de software de geometria dinâmica. Dissertação de Mestrado em Educação. Recife: Universidade Federal de Pernambuco. (2005).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental – Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF. 1998.

BEYER, L. Direções do currículo: as realidades e as possibilidades dos conflitos políticos, morais e sociais. Currículo sem Fronteiras, 4(1), 72-100. 2004.

BORGES, P. A. P. Uma experiência de produção de currículos de Matemática junto a professores de 1º grau e universidade. Dissertação de Mestrado em Educação. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. 1988.

CAPELO, M. R. Diversidade sociocultural na escola e a dialética da exclusão/inclusão. In N. M. Gusmão (Org.). Diversidade, cultura e educação: olhares cruzados. São Paulo: Biruta. 2003. p. 107-134

CHARTIER, R. Práticas da Leitura. São Paulo: Estação Liberdade. 2009.

DOLL JR.; WILLIAM E. Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas. 1997.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, 23(79), 257-272. 2002.

FORQUIN, J. C. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação, 5, 28-49. 1992.

FREITAS, A. V.; PALANCH, W. B. DE L. Estado da Arte Como Metodologia de Trabalho Científico na Área de Educação Matemática: Possibilidades e Limitações. Perspectivas da Educação Matemática, 8(18), 784-802. 2015.

LOBO, J. DA S. O ensino de Geometria das 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental nas escolas estaduais da 27ª Coordenadoria Regional de Educação. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. Canoas: Universidade Luterana do Brasil. 2004.

MACEDO, E.; LOPES, A. C. Pensamento e política curricular: entrevista com William Pinar. In E. Macedo. & A. C. Lopes (Org.). Políticas de currículo em múltiplos contextos. São Paulo: Cortez. 2006. p. 13-37

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-210. 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo construído de múltiplas faces. Ciência & Educação, 12(1), 117-128. 2006.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. DO C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Unijuí. 2011.

ORTIGÃO, M. I. R. Currículo de Matemática e desigualdades educacionais. Tese de Doutorado em Educação. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. 2005.

PACHECO, J. A. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora. 2001.

PACHECO, J. A. Escritos curriculares. São Paulo: Cortez. 2005.

PALANCH, W. B. L. Mapeamento de Pesquisas sobre Currículos de Matemática na Educação Básica Brasileira (1987 a 2012). Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2016.

PILLÃO, D. A pesquisa no âmbito das relações didáticas entre matemática e música: estado da arte. 2009. Mestrado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo. 2009.

PIRES, C. M. C.; CURI, E. Avaliação de Professores do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, em relação a documentos e materiais de apoio à organização curricular na área de Educação Matemática. São Paulo, (Relatório de Pesquisa). 2012.

PROCÓPIO, W. O Currículo de Matemática do Estado de São Paulo: sugestões de atividades com o uso do GeoGebra. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2011.

REMILLARD, J. T.; HERBEL-EISENMANN, B. A.; LLOYD, G. M. (EDS.). Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction. New York: Routledge. 2009.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Tradução: Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artmed. 2000.

STEIN, M. K.; KIM, G. The Role of Mathematics Curriculum Materials in Large-Scale Urban Reform. In: J. T. REMILLARD; B. A. HERBEL-EISENMANN; G. M. LLOYD (EDS.). Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction. New York: Routledge. 2009. p. 37-55

Downloads

Publicado

2021-06-09

Como Citar

PALANCH, W. B. de L.; SILVEIRA, T. C. MAPEAMENTO DE PESQUISAS SOBRE COMO PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA MODELAM O CURRÍCULO. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 1–14, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.43980. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/43980. Acesso em: 18 set. 2021.