“DE VOLTA PARA O FUTURO”

educação histórica e currículo em tempos de deslembrar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.50069

Palavras-chave:

History, History curriculum, Historical education, Autobiographical narratives

Resumo

Em que medida mudar o entendimento do passado impacta sobre o futuro? Muito mais do que uma pergunta retórica, essa questão se coloca na ordem do dia. Em tempos de potentes deslocamentos no campo da educação, seja pela implantação de novas políticas públicas no Brasil, como a BNCC, seja pelas profundas reinvenções do próprio conceito de educação e pela emergência de um discurso oficial que repetidamente fragiliza a instituição escola e a figura do professor, ainda é possível falar de história na escola? E, se o tema é história, de qual história o currículo da educação básica está falando? Para esse ensaio, que busca refletir sobre o currículo de história contemporâneo na educação básica, abordam-se os limites e as possibilidades trazidas pela educação histórica, como também o potencial que ela apresenta de contribuir para uma história emancipatória e transformadora. Se, de um lado, estamos inseridos em um cenário de deslembrar, e, de outro, efetivamente se constitui como algo pertencente ao humano o desejo utópico de tentar consertar o impossível, torna-se cada vez mais relevante ressignificar o estudo do passado dentro da instituição escola.  E, dessa forma, tornar a voltar os nossos olhos “de volta para o futuro”.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Waldy Luiz Lau Filho, Universidade Federal de Santa Maria, Brasil.

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria,  Mestre em Educação pela Universidade de Santa Cruz do Sul,  Coordenador Pedagógico do Ensino Fundamental II e Ensino Médio do Colégio Mauá e professor de História do Ensino Médio do Colégio Mauá, no município de Santa Cruz do Sul.

Referências

APPLE, Michael. A política de conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, Antonio Flavio; SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, p. 59-91, 2002. Tradução Maria Aparecida Baptista.

BITTENCOURT, Circe Fernandes. Reflexões sobre o ensino de história. Estudos Avançados. USP, v. 32, n.93, p. 127-149, 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em 11/12/2019.

CARVALHO FILHO, Roper Pires de. Ensino de História: políticas curriculares, cultura escolar, saberes e práticas docentes. Tempo e Argumento. Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UDESC. Florianópolis, v. 4, n.2, p 82-101, jul./dez. 2012.

CUNHA, Jorge Luiz da. Educação histórica e narrativas autobiográficas. Educar em Revista. Curitiba, Brasil, v. 35, n. 74, p. 93-108, mar./abr. 2019.

HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século 21. 1ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. Tradução Paulo Geiger.

LEE, Peter. Literacia histórica e história transformativa. Educar em Revista. Curitiba: Brasil, n. 60, abr./jun. 2016, p. 107-146. Tradução Lucas Pydd Nechi e Tiago Sanches.

PEREIRA, Nilton Mullet. O ensino de história e o presente. Revista Ágora. Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 151-166, jan./jun. 2007.

PEREIRA, Nilton Mullet; SEFFNER, Fernando. Ensino de História: passados vivos e educação em questões sensíveis. Revista História Hoje. Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 14-33, 2018.

RÜSEN, Jörn. História viva. Teoria da história III: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1ª reimpressão, 2010. Tradução Estevão de Rezende Martins.

RÜSEN, Jörn. Experiência, interpretação, orientação: as três dimensões da aprendizagem histórica. In.: SCHMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (org.). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. UFPR, 1ª reimpressão, 2011, p. 79-91.

RÜSEN, Jörn. Teoria da história: uma teoria da história como ciência. Curitiba: Editora UFPR, 1ª reimpressão, 2016. Tradução Estevão de Rezende Martins.

SCHAFFNER, Fábio. Aliança pelo Brasil: em 4 mil palavras, o bolsonarismo é expressado no novo partido. GaúchaZH, Política. 22/11/2019. Disponível em: <https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/noticia/2019/11/alianca-pelo-brasil-em-4-mil palavras-o-bolsonarismo-e-expressado-no-novo-partido-ck3ax5j5q046j01phdurgo1yd.html.>.

Acesso em 11/12/2019.

SCHIMITT, Jaqueline Zarbato. Currículo e ensino de história: diálogos sobre prática de ensino e o processo de formação de professores. Revista do Lhiste. Porto Alegre, n.2, v. 2, p. 103-117, jan./jun. 2015.

SOBANSKI, Adriane de Quadro; CARAMEZ, Claudia Senra. Educação histórica e o professor como investigador social. In.: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; URBAN, Ana Claudia (org.) O que é Educação Histórica. Curitiba: W. A. Editores, 2018 (Coleção Educação Histórica), Volume 1, p. 119-138.

Downloads

Publicado

2020-10-23

Como Citar

LAU FILHO, W. L. “DE VOLTA PARA O FUTURO”: educação histórica e currículo em tempos de deslembrar. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 435–445, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.50069. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/50069. Acesso em: 7 dez. 2021.