CURRÍCULO INTERCULTURAL

experiência de construção com o povo Huni Kuin

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50753

Palavras-chave:

Currículo, Educação Intercultural, Povo, Huni Kuin

Resumo

O texto situa-se no âmbito da construção do desenho curricular do Curso Técnico Integrado ao Ensino Médio em Magistério intercultural Indígena com professores do povo Huni Kuin, dos municípios de Tarauacá, Jordão, Feijó e Marechal Thaumaturgo, desenvolvido no Laboratório Intercultural - LABINTER da UFAC, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade. O artigo tem como objetivo analisar o percurso e tensões que envolveram a construção do desenho curricular intercultural com esse povo. No percurso investigativo foi privilegiado a produção do Grupo Modernidade-Colonialidade, principalmente pelo o que está circunscrito no pensamento de Walsh (2005). No primeiro momento são apresentado conceitos que orientaram a construção do desenho curricular onde imperou a vontade de não impor a cultura escolar, historicamente construída para os que não são indígenas. Na sequência, esboça-se breve histórico do que tem se constituído a educação dos povos indígenas e a decisão política do povo Huni Kuin voltar-se para uma educação que atenda seus interesses. Por fim, é narrado o percurso e tensões que envolveram a construção do desenho curricular intercultural com esse povo. Foram analisados toda a documentação produzida pelo grupo no Laboratório de interculturalidade – Labinter (Caderno Textuante, Relatório geral do I Seminário de pesquisas da escola indígena, realizado na Aldeia Morada Nova/Feijó) diário de campo produzido no ano de 2019 no ambiente das reuniões e durante o III Seminário Internacional de Linguagens e Culturas Indígenas – línguas ameríndias: diversidades, tradições e memórias) e dissertações de mestrado que tematizaram aspectos educacionais dos Huni Kuin.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Valda Inês Fontenele Pessoa, Universidade Federal do Acre, Brasil.

Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Letras: linguagem e identidade da UFAC.

Lucia de Fatima Melo, Universidade Federal do Acre, Brasil.

Professora e pesquisadora da Universidade Federal do Acre. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE/UFAC.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de estado: notas sobre os aparelhos ideológicos de estado. 10ª ed. Rio de Janeiro, Graal, 1985.

BANIWA, Gersem. Educação escolar indígena no século XXI: encantos e desencantos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Mórula, Laboratório de pesquisas em etnicidade, cultura e desenvolvimento – LACED, 2019.

BANIWA, Gersem. Língua, educação e interculturalidade na perspectiva indígena. In: ALBUQUERQUE, Gerson Rodrigues. Das margens. Rio Branco, Nepan editora, 2016.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; DOEBBER, Michele Barcelos; BRITO, Patricia Oliveira. Estudantes indígenas em universidades brasileiras: um estudo das políticas de acesso e permanência. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 99, n. 251, p. 37-53, jan./abr, 2018.

BOURDIEU, Pierre. A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1987.

CANDAU, V. M. (Org.). Didática crítica intercultural: aproximações. Petrópolis (RJ): Vozes, 2012.

GRUPIONI, Luís Donizete Benzi. O ponto de vista dos professores indígenas: entrevista com Joaquim Maná Kaxinawá, Fausto Mandulão Macuxi e Francisca Novantino Pereci. Em Aberto. Brasília, v. 20, n. 76, p. 154-176, fev. 2003.

VEIGA-NETO, Alfredo. Incluir para excluir. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR. Habitantes de babel: políticas e poéticas da diferença. Tradução de Semíramis Gorini da Veiga. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

WALSH, Cathrine. Pensamento crítico y matriz (de)colonial: reflexões latino-americanas. Quito: Ediciones Abya-yala, 2005.

GONÇALVES, R. M. Bricolagens praticadas e políticaspráticas de currículos nos cotidianos escolares / Rafael Marques Gonçalves. Rio de Janeiro/ UERJ, 2018.

GONÇALVES, R. M. Autonomia e Políticaspráticas de Currículos: uma equação entre raízes e opções. Educ. Real., Porto Alegre , v. 44, n. 3, e84870, 2019 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-62362019000300401&lng=en&nrm=iso>. access on 26 May 2020. Epub Sep 12, 2019. https://doi.org/10.1590/2175-623684870.

GONÇALVES, R. M;et at all. A BNCC NA CONTRAMÃO DAS DEMANDAS SOCIAIS: PLANEJAMENTO COM E PLANEJAMENTO PARA. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 38, p. 338-351, jan. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6012>. Acesso em: 26 maio 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i38.6012.

GONÇALVES, R. M. CONVERSAS SOBRE PRÁTICAS E CURRÍCULOS ENTRE PROFESSORAS: ARTESANIA E MANEIRAS DE FAZER O COTIDIANO ESCOLAR. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, Ano 23, Edição Especial, dez. 2018. Disponível em: https://revistas.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/7876. Acesso em 26 de maio de 2020. Doi: https://doi.org/10.26694/les.v1i1.7876

Downloads

Publicado

29-03-2020

Como Citar

FONTENELE PESSOA, V. I. .; MELO, L. de F. CURRÍCULO INTERCULTURAL: experiência de construção com o povo Huni Kuin. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 47–57, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50753. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/50753. Acesso em: 9 fev. 2023.