AUTONOMIA CURRICULAR NO ENSINO MÉDIO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL

entre prescrições e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.51079

Palavras-chave:

Políticas Curriculares, Autonomia Curricular, Ensino Médio Integral em Tempo Integral, Cadernos de Sistematização

Resumo

As novas políticas curriculares e a parceria da Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina (SED), com o Instituto Ayrton Senna (IAS), resultaram na implementação do Ensino Médio Integral em Tempo Integral (EMITI). Considerando esta parceria, esta produção tem como objetivo discutir e refletir acerca da percepção dos docentes que atuam no EMITI sobre os desafios na construção da autonomia curricular frente à utilização dos Cadernos de Sistematização e das Orientações para os Planos de Aula (OPAs). De perspectiva metodológica qualitativa, essa investigação contou com a aplicação de um questionário, com questões abertas e fechadas, aos 28 docentes que atuam no programa na cidade de Joinville-SC. A análise articula as respostas das questões fechadas, nas quais utilizou-se uma escala de valores denominada Likert, organizada em cinco níveis, e das questões abertas em meio ao referencial teórico das políticas e estudos curriculares. A partir das análises dos materiais orientadores e da percepção dos professores relacionada à construção da autonomia curricular no planejamento docente, constatou-se que os desafios enfrentados pelos docentes que atuam no EMITI decorrem das prescrições dos materiais disponibilizados pelo IAS. As condições aportadas na investigação permitem inferir que, cientes das regulações, os professores acreditam ter autonomia curricular, porém está diretamente condicionada ao expressivo grau prescritivo dos materiais didáticos utilizados, o que implica numa autonomia curricular regulada.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leiri Ratti, Universidade da Região de Joinville, Brasil.

Mestrado em Educação pela Universidade da Região de Joinville e é assistente Técnico Pedagógico da Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina. 

Jane Mery Richter Voigt, Universidade da Região de Joinville, Brasil.

Doutora em Educação: Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE).

Referências

ALVES, Palmira. Autonomia curricular: a face oculta da (re) centralização? V Colóquio sobre Questões Curriculares/I Colóquio Luso-Brasileiro, subordinado ao tema Currículo e Produção de Identidades. Universidade do Minho. Braga - Portugal. 2002. p. 161-166.

APPLE, Michael W. Reestruturação Educativa e Curricular e as Agendas Neoliberal e Neoconservadora. Entrevista com Michael Apple Universidade de Wisconsin-Madison. Madison, EUA Currículo sem Fronteiras, v.1, n.1, Jan/Jun, 2001, pp.5-33. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org. Acesso em: 18 maio. 2018.

CABRAL NETO, Antonio; SILVA, Tatiane Campelo da. Projeto Político-Pedagógico como mecanismo de autonomia escolar. Gestão em Ação, Salvador, v. 7, n. 1, jan./abr. 2004, p. 7-23.

CARVALHO, Maria Regina Viveiros de. Perfil do Professor da Educação Básica. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Série Documental. Relatos de Pesquisa n. 41. Brasília, DF. 2018, 67 p..

DALE, Roger. A Sociologia Da Educação E O Estado Após A Globalização. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, out.-dez. 2010, p. 1099-1120. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>

INSTITUTO AYRTON SENNA. Metodologias Integradoras. Caderno 2. Uma Parceria entre a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e o Instituto Ayrton Senna. [s.l.], [2017?] 64 p..

INSTITUTO AYRTON SENNA. Metodologias Integradoras. Caderno 3. Uma Parceria entre a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e o Instituto Ayrton Senna. [s.l.], [2017?] 76 p..

INSTITUTO AYRTON SENNA. Núcleo Articulador. Caderno 5. Uma Parceria entre a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e o Instituto Ayrton Senna. [s.l.], [2017?] 148 p..

INSTITUTO AYRTON SENNA. Gestão do Núcleo Articulador. Caderno 11 Uma Parceria entre a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e o Instituto Ayrton Senna. [s.l.], [2017?] 65 p..

INSTITUTO AYRTON SENNA. Apoio à Gestão Pedagógica. Caderno 12 Uma Parceria entre a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e o Instituto Ayrton Senna. [s.l.], [2017?] 182 p..

INSTITUTO AYRTON SENNA. Orientações para os Planos de Aula (OPAs).Uma Parceria entre a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e o Instituto Ayrton Senna. [s.l.], [2017?]

LEITE, Carlinda. A articulação curricular como sentido orientador dos projetos curriculares. Educação Unisinos. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, vol. 16, núm 1, janeiro/abril, São Leopoldo, Brasil. 2012, p. 87-92.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Desafios aos professores na construção de mudanças educacionais e curriculares: que possibilidades e que constrangimentos? Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, set./dez. 2010, p. 198-204.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa. Em busca da autonomia docente nas práticas curriculares no brasil. In: Currículo, didática e formação de professores. OLIVEIRA, Maria Rita N.S.; PACHECO, José Augusto (Orgs) Papirus Editora. 1ª edição Campinas SP, 2013, 208 p..

MORGADO, José Carlos Bernardino. A (des)construção da Autonomia Curricular. Edições ASA. 1ª. Edição. Porto – Portugal. 2000, 160 p..

MORGADO, José Carlos Bernardino. Projecto curricular e autonomia da escola: possibilidades e constrangimentos. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación. Braga,vol. 10, n° 8, ano 7°-2003. Universidade do Minho, Braga - Portugal. 2003, p. 335-344.

MORGADO, José Carlos Bernardino Liderança e autonomia: impactos na mudança das práticas curriculares. Contrapontos. Revista de Educação da Universidade do Vale do Itajaí. Programa de Pós-Graduação/Mestrado em Educação (PPG/ME). Itajaí. Vol. 4, n. 3, set./dez. 2004, p. 425-438.

MORGADO, José Carlos Bernardino Democratizar a escola através do currículo: em busca de uma nova utopia. Fórum Currículo, escola e sociedade, 4º Congresso Marista de Educação, Edição Internacional: “Espaços, Tempos e Horizontes na Educação de Infâncias e Juventudes”. São Paulo – Brasil. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 21, n. 80, jul./set. 2013, p. 433-448.

PACHECO, José Augusto. Estudos Curriculares para compreensão crítica da educação. Porto - Portugal. Porto Editora, 2005, 192 p..

PACHECO, José Augusto; MORGADO, José Carlos Bernardino. Construção e avaliação do projeto curricular de escola. Porto – Portugal: Porto Editora Coleção Educação. 2002, 62 p..

PERONI, Vera Maria. A gestão democrática da educação em tempos de parceria entre o público e o privado. Pro-Posições, Campinas, v. 23, n. 2 (68), maio/ago. 2012, p. 19-31.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O Currículo uma reflexão sobre a prática Porto Alegre. Artmed. 3ª edição. 1998, 351 p..

SACRISTÁN, J. Gimeno. Plano do Currículo, Plano do Ensino: O Papel dos Professores/as. In:Compreender e Transformar o Ensino. GÓMEZ, A. I. Pérez; SACRISTÁN, J. Gimeno (Orgs.). Tradução: Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre - RS. Artmed. 4ª edição. 2007. Cap. 8, p 197- 232.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 14a edição, Campinas: Papirus, 2002, 192 p

Downloads

Publicado

2020-11-09

Como Citar

RATTI, L.; VOIGT, J. M. R. AUTONOMIA CURRICULAR NO ENSINO MÉDIO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL: entre prescrições e desafios. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 573–582, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.51079. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/51079. Acesso em: 27 set. 2021.