PROSPECÇÃO DOS EFEITOS DO PROJETO “ESCOLA SEM PARTIDO” EM COMPONENTES CURRICULARES DO ENSINO BÁSICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.52502

Palavras-chave:

escola sem partido, currículo, ensino, ciências da natureza, ciências humanas

Resumo

As análises do PESP têm gerado produções científicas, das quais elegemos uma amostra para analisar e refletir sobre qual é a concepção de currículo subjacente ao projeto e se ele poderá impactar nas abordagens dos objetos de conhecimento, na sala de aula, em diferentes componentes curriculares. Extraímos da bibliografia sobre esse projeto as orientações para a formação científica, no Ensino Básico, prospectando as consequências dessas prescrições na aplicação do currículo oficial. Sob o referencial da abordagem crítica do currículo, elegemos como fontes as produções bibliográficas de 2016 a 2019, sobre o impacto do PESP nos currículos e em componentes curriculares de ciências da natureza e humanas. Identificamos que existe um debate acadêmico, social, político e filosófico, mas que há também uma demanda de análises de suas consequências pedagógicas sobre a seleção e a organização dos conteúdos na sala de aula. Concluímos que, embora nem o projeto, nem suas justificativas possuam argumentos pedagógicos, o projeto oscila entre a concepção tradicional e ampliada de currículo, de maneira casuísta, impactando de forma, antes proibitiva, do que propositiva.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Aurea de Carvalho Costa, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas e Professora da Universidade Estadual Paulista.

Referências

ALENCAR, D. P. Educação e neoliberalismo: o caso do projeto escola sem partido. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 7, n. 14, jul./dez., 2017, p. 127-140.

AQUINO, Renata 2015. A ideologia do Escola Sem Partido. Disponível em: https://liberdadeparaensinar.wordpress.com/tag/miguel-nagib/. Acesso: 06/03 de 2018.

BAGDONAS, Alexandre; AZEVEDO, Hernani Luiz. O projeto de Lei “Escola sem partido” e o ensino de ciências. Alexandria: revista de Educação em ciências e Tecnologia. Florianópolis, v. 10, n2, nov. 2017 p. 259-277.

BARBOSA, Tulio. Ensino de Geografia: novos e velhos desafios. Caderno prudentino de Geografia. Presidente Prudente, UNESP V. 1, n 32, Jan/jun. 2010, p. 23-40.

BRASIL, Senado Federal. s/d. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/hpsenado Acesso em: 20/04/2020.

BRASIL, Câmara dos Deputados Federais. s/d. Disponível: https://www.camara.leg.br/ Acesso em: 20/04/2020a.

BRASIL. 1997.Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais /Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília :MEC/SEF.

BURSZTYN, Marcel (Org). A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamon, 2001. p. 59-76.

CARVALHO, Fabiana Aparecida de; POLIZEL, Alexandre Luiz; MAIO, Eliane Rose Uma escola sem partido: discursividade, currículos e movimentos sociais. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, UEL, v. 37, n. 2, jul./dez. 2016 p. 193-210.

__________ 2012.

_____________ 2006.

CUNHA, Daniel Barcelos da; AS SILVA, Jackson Ronie; LIMA, Nilvanete Gomes de. Para além de um simples movimento: Escola sem partido e ensino de ciências. Ensino & pesquisa: revista multidisciplinar de licenciatura e formação docente. Paraná, UNESPAR, V. 17, n. 2, 2019, p. 146 – 174.

DUARTE, Newton. (org.) Crítica ao fetichismo da individualidade. São Paulo: autores associados. 2014. 242 p.

FONTES, Edilza; ROCHA, Davison. Escola sem partido e o ensino de história no tempo presente. Revista NUPEM. Campo Mourão, UNIESP, V. 1; n.24; set/dez, 2019. p. 94-107.

FRACALANZA, Hilário; AMARAL, Ivan Amorosino; GOUVEIA, Mariley Simões Flória. O ensino de Ciências no primeiro grau. São Paulo: Atual editora, 1987. (Projeto Magistério). 99p.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. 2003. Educação básica no brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação e sociedade, Campinas, UNICAMP, v. 24, n. 82, p.93-130.

GIROTO, E. Um ponto na rede: o “Escola sem partido” no contexto da escola de pensamento único. In: A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso / Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). — São Paulo : Ação Educativa, 2016. p. 65 – 76.

LAYRARGUES, Phillipe Pomier; LIMA, Gustavo Pereira. As macrotendências pol´tico—pedagógicas da educação ambiental brasileira. Revista Ambiente & Sociedade, Campinas, UNIICAMP, v. 12, n. 1, jan. Mar. 2014, p. 23 – 40.

LIBANEO, José Carlos Alguns aspectos da política educacional do governo Lula e sua repercussão no funcionamento das escolas. Revista HISTEDBR on line. Campinas, UNICAMP, n. 32, p. 168-178, dez 2008. p. 168 -178.

MACEDO, E. Re-politizar o social e tomar de volta a liberdade. Educação em Revista; Belo Horizonte, UFMG, 2018, v.34, e212010, p. 1-15.

MOURA, Fernanda Pereira. “Escola sem partido”: relações entre Estado, educação e religião e os impactos no ensino de História. 2016. 189 p. Dissertação (Mestrado em Ensino de História) Programa de pós graduação em Ensino de História do Instituto de História/UFRJ, Rio de Janeiro, 2016.

NAGIB, M. Apresentação Escola sem Partido. 2006. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/apresentacao. Acesso em: 06/03/2018.

NAGIB, Miguel Quem Somos. s/d Disponível em: http://www.escolasempartido.org/quem-somos Acesso em: 09/05/2019.

OLIVEIRA, Cláudia Rodrigues; LANZA, Fabio; STORTO, Letícia Jovelina. A educação básica brasileira em disputa: doutrinação versus neutralidade. R. Katálysis, Florianópolis, UFSC, v. 22, set./dez. 2019 n. 3, p. 468-478.

RAMOS, Moacyr Salles; STAMPA, Inez Subversão e resistência docente: notas sobre a ditadura militar e o programa escola sem partido. Revista ESPAÇO DO CURRÍCULO, João Pessoa, UEPB, v.9, n.2, , Mai/ago., 2016, p. 249-270.

REIS, Graça Regina Franco da Silva.; CAMPOS, Marina Santos Nunes de; FLORES, Renata Lúcia Baptista, Currículo em tempos de escola sem partido: hegemonia disfarçada de neutralidade. Espaço do currículo, João Pessoa: UEPB, v.9, n.2, Mai/ago., 2016, p. 200-214.

RODRIGUES, Cesar Augusto; PUCCI, Bruno PADILHA, Anna Maria Lunardi. O que move o movimento Escola Sem Partido? Comunicações. Piracicaba, UNIMEP. V. 24, n. 2 maio/ago. 2017, p. 267 – 282.

SALLES, Diogo A concepção pedagógica e o projeto educacional conservador e reacionário do Escola sem Partido: uma crítica a partir da função de subjetivação do processo de ensino-aprendizado. Revista Aleph, Niterói, UFF, ano 14, n. 28, jul./2017, p. 64 – 87.

SAVIANI, Dermeval Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Comum curricular. Movimento: revista de educação, Niterói: UFF, Ano 3, n. 4, 2016, p. 54 – 84.

SILVA, José Gustavo dos Santos; PEREIRA, Rafaela Brito; GUADAGNIN, Mário Ricardo. Escola sem partido e o ensino de Geografia: uma ameaça a criticidade dentro da sala de aula. Criar Educação. Criciúma: UESC. V. 8, n. 1, 2019, p. 1-20.

SILVA, Alexandre Fernando; FERREIRA, José Heleno; VIEIRA, Carlos Alexandre. O discurso falacioso do movimento escola sem partido. Revista pedagógica, Chapecó, Universidade Comunitária de Chapecó V.19, n.42, set./dez. 2017. P. 49 – 65.

SILVA, Marcio Magalhães. A sexualidade como tema pedagógico: análise das propostas do MEC e da UNESCO para a inserção do tema nas escolas. (Dissertação). Mestrado Em educação Escolar. Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara – UNESP. Araraquara, 2013.

SINGER, P. Poder, política e educação. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, associação Nacional de Pós Graduação, n. 1, jan./abr. 1996. P. 5 – 15.

Publicado

2021-03-24

Como Citar

COSTA, A. de C. . PROSPECÇÃO DOS EFEITOS DO PROJETO “ESCOLA SEM PARTIDO” EM COMPONENTES CURRICULARES DO ENSINO BÁSICO. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 1, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.52502. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/52502. Acesso em: 13 maio. 2021.