CURRÍCULO DE LETRAS (PORTUGUÊS-ESPANHOL)

entre o reconhecimento e a negação da Afro-latinidade

Palavras-chave: Currículo, Formação de professor, Afro-latinidade, Decolonialidade

Resumo

O ensino do Espanhol como Língua Estrangeira (E/LE) se converteu em possibilidade de rupturas, em um contexto marcado pelo isolamento do Brasil com relação aos países do entorno. Os movimentos culturais que se constituíram na contramão do ethos colonial, têm mostrado alternativas para se estabelecer vínculos com diferentes áreas de pesquisa da América Latina (AL) e Caribe. Com essas orientações, tem sido possível vislumbrarmos ambientes formativos mais plurais, e menos unívocos. No presente artigo, indagamos o currículo de Letras (UFRRJ) para E/LE acerca de outras interconexões privilegiando, dessa vez, as afrolatinidades e o espaço curricular que ocupam.

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael dos Santos Lazaro, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e Professor Assistente de Didática Geral e Ensino de Língua Espanhola na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 

Claudia Miranda, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Educação (PROPEd/UERJ) e Professora Associada do Departamento de Didática e do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. 

Referências

BRASIL. BNCC, 3ª versão. Brasília, DF, Ministério da Educação, 2017. 396p.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm>. Acesso em: 26 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm>. (Conhecida como Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB). Acesso em: 21 mar.2020.

COSTA, Marisa Vorraber, SILVEIRA, Rosa Hessel; SOMMER, Luis Henrique. Estudos culturais, educação e pedagogia. Revista Brasileira de Educação. Maio/Jun/Jul/Ago 2003. nº 23.

COSTA, Marisa Vorraber. Currículo e Política Cultural. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). O Currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

JOVINO, Ione da Silva; COUTO, Ligia Paula. Entre laços: representação e identidade racial num livro didático de espanhol. Muitas Vozes, v. 4, n. 1, p. 43-62, 2015.

LOPES, Alice Casimiro. Conhecimento escolar: processos de seleção cultural e de mediação didática. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 22, n.1, p. 95-112, 1997.

LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2012.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultura. Revista Brasileira de Educação v. 11 n. 32 maio/ago. 2006.

MATORY, J. Lorand. Yorubá: as rotas e as raízes da nação transatlântica, 1830-1950*. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 4, n. 9, p. 263-292, out. 1998

MIRANDA, Claudia.; RIASCOS, Fanny Milena; QUINONEZ, Jhon Henry Arboleda. Pedagogías quilombolas y aprendizajes decoloniales en la dinámica organizacional de las poblaciones negras. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as) - ABPN, v. 8, p. 25-43, 2016.

MIRANDA, Claudia; PIMENTEL, Fernando. G. Currículo de História na UERJ e na UFRJ: todos os caminhos levam a Europa? Currículo sem Fronteiras, v. 15, p. 456-478, 2015.

OLIVEIRA, Ivanilde A. et al. A entrevista na pesquisa educacional. In.: MARCONDES, Maria I. et al. Metodologia e técnicas de pesquisa em educação. Belém: EDUEPA, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. 1a ed. - Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2014.

QUIJANO, Aníbal. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estudos avançados, v.19, n.55 (200).

RODRIGUES, Fernanda dos Santos Castelano. Leis e línguas: o lugar do espanhol na escola brasileira. Espanhol. V.16. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/abril-2011-pdf/7836-2011-espanhol-capa-pdf/file. Acesso em: 20/01/2020

SILVA, E. A.; Estudo das africanidades na aula de espanhol: caminhos à uma educação étnico-racial mais justa. In: II Congresso Nacional de Africanidades e Brasilidades, 2015, Vitória. Anais do Congresso Africanidades e Brasilidades, 2014. v. I. p. 1-11.

WALSH, Catherine. Pedagogías Decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. 1. ed., Equador: Abya Yala, 2013, v. 1, p. 15-18.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia Intercultural: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera Maria. Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

Publicado
2020-12-11
Como Citar
LAZARO, R. DOS S.; MIRANDA, C. CURRÍCULO DE LETRAS (PORTUGUÊS-ESPANHOL). Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. Especial, p. 768-780, 11 dez. 2020.