INCLUSÕES DE ALUNOS SURDOS

sinalizações da diferença mediante o pressuposto curricular de “Educação Para Todos"

Palavras-chave: Escolarização de surdos, Normalização, Políticas curriculares

Resumo

A inclusão é um processo repleto de sinalizações que destacam trajetórias, vivências, práticas e subjetivações relacionadas aos alunos surdos em escola regular. Sobre isso, objetivamos problematizar algumas das sinalizações de inclusão desses alunos mediante alguns pressupostos curriculares que tem como fundamento contribuir com a ideia de uma “educação para todos”, perguntando: o que tais pressupostos por meio da homogeneização têm sinalizado sobre os sujeitos surdos e suas escolarizações? Para tanto, optamos pela Análise do Discurso de alguns documentos brasileiros à nível de Ministério da Educação, uma vez que esse movimento de análise nos permite perceber alguns discursos e práticas de “educação para todos” a definir – em menor ou maior grau – os currículos escolares, os quais sinalizam uma recolocação de diferentes modos de discussão da surdez e dos surdos em um contexto mais próximo (ou não) de sua condição de diferença cultural, social e linguística. Ao mesmo tempo, estimulamos alternativas escolares para pensar o surdo enquanto autor e ator de uma cultura minoritária, enquanto usuário de uma língua natural, enquanto grupo heterogêneo que demanda uma educação bilíngue e multicultural, embora pertencentes de políticas curriculares que muitas vezes concedem pouco espaço para isso.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Silvana Matos Uhmann, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutora em Educação nas Ciências, área Educação Especial, pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - Unijuí. Professora de Libras e Educação Inclusiva do Instituto de Educação de Angra dos Reis (IEAR), da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Maria Simone Vione Schwengber, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professora assistente da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Referências

ANGELUCCI, Carla; LUZ, Renato. Contribuições da escola para a (de)formação dos sujeitos surdos. Psicologia Escolar e Educacional, vol. 14, p.35-44, 2010.

ASPILICUETA, Patrícia; CRUZ, Gilmar. A questão linguística na inclusão escolar de alunos surdos: ambiente regular inclusivo versus ambiente exclusivamente ouvinte. Revista Brasileira de Educação Especial, v.3, 395-410, 2015.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1998.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 8.069 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Brasília: Diário oficial da República Federativa do Brasil, 1990.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 9.394 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação (LDBEN). Brasília: Diário oficial da República Federativa do Brasil, 1996.

BRASIL. Presidência da República. Resolução n. 2 - Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: Diário oficial da República Federativa do Brasil, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.436 - Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e dá outras providências. Brasília: Diário oficial da República Federativa do Brasil, 2002.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.626 - Regulamenta a Lei nº 10.436 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Brasília: Diário oficial da República Federativa do Brasil, 2005.

BRASIL. Sala de recursos multifuncionais: espaços para atendimento educacional especializado. Secretaria de Educação Especial: Brasília: Ministério da Educação, 2006.

BRASIL, Atendimento Educacional Especializado: pessoa com surdez. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial, 2007.

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial, 2008.

BRASIL. Resolução n. 4 - Diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educação básica na modalidade educação especial. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2009.

BRASIL. Estatuto da pessoa com deficiência. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial, 2015.

CAPOVILLA, Fernando César. Sobre a falácia de tratar as crianças ouvintes como se fossem surdas, e as surdas, como se fossem ouvintes ou deficientes auditivas: pelo reconhecimento do status linguístico especial da população escolar surda. In: SÁ, Nídia Regina L. de. Surdos: qual escola? Manaus: Valer, 2011.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Foucault e a crítica à institucionalização da Educação: implicações para as artes de governo. Revista Pro-Posições. v. 25, n. 2 (74). p. 103-120. maio/ago. 2014.

CASSOLI, Raquel Alves. As várias faces da produção do fracasso escolar: em nome da inclusão, uma história de exclusão. Dissertação (Mestrado) – PUC-SP - Universidade Pontifícia Católica/SP, São Paulo, 2006.

CORAZZA, Sandra; TADEU, Tomaz. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

DIAS, Vera Lúcia Lopes. Rompendo a barreira do silêncio: interações de uma aluna surda incluída em uma classe de ensino fundamental. Dissertação de Mestrado. Universidade do Estado do rio de Janeiro, Faculdade de Educação, Rio de Janeiro, 2006.

DORZIAT, Ana. Educação de surdos no ensino regular: inclusão ou segregação? Cadernos de Educação Especial, Santa Maris/RS, v.2, n.24, p.77-85, 2004.

DRUMOND, Andréa Hees. Escola bilíngue para surdos: constituição de práticas que configuram um espaço bilíngue. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo. 2017.

FERNANDES, Eulália. Surdez e bilinguismo. Porto alegre: Mediação, 2008.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 20 ed. Rio de Janeiro: Edições Graaal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. 30. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

FRANZOI, Elenara Borges Silveira. Interações da criança surda em escola comum. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Caxias do Sul. 2016.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Caderno Cedes, vol. 26, p. 163-184, 2006.

LOPES, Maura; VEIGA-NETO, Alfredo. Inclusão como dominação do outro pelo mesmo. VII Colóquio Internacional Michel Foucault. São Paulo: PUC-SP, 2011.

LOPES, Alice Casimiro. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? Revista Brasileira de Educação. Maio /Jun /Jul /Ago, v. 26, p. 109-118, 2004.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Segredos e mentiras do currículo: sexualidade e gênero nas práticas escolares. In. SILVA, Luiz H. D. (org). A escola cidadã no contexto da globalização. Petrópolis: Vozes, 1998, p.33-47.

MACHADO, Paulo César. A política educacional de integração/inclusão: um olhar do egresso surdo. Florianópolis: Ed. UFSC, 2008.

MESERLIAN, Katia Tavares; VITALIANO, Célia Regina. Análise sobre a trajetória histórica da educação dos surdos. In: Anais. IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE. III encontro sul brasileiro de psicopedagogia. PUCPR, 2009.

PERLIN, Gladis. Prefácio. In. QUADROS, Ronice Muller de; PERLIN, Gladis. (org). Estudos surdos II. Petrópolis: Arara Azul, v. 1, p.9-13, 2007.

QUADROS, Ronice Muller de. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: Inclusão/exclusão. Ponto de Vista, vol. 05, p. 81-111, 2003.

RIBEIRO, William de Góes; CRAVEIRO, Clarissa Bastos; FREITAS, Adriano Vargas. Teorização curricular e formação docente: uma aposta em grupos de pesquisa. Revista Eletrônica de Educação, v. 13, n. 2, p. 588-599, maio/ago. 2019

SÁ, Nídia Regina de. Cultura, poder e educação de surdos. São Paulo: Paulinas, 2006.

SCHWENGBER, Maria Simone Vione; UHMANN, Silvana Matos; MEDEIROS, Daniela. Corpos marcados pela deficiência: O ‘fora do lugar’ de muitos alunos. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 16, p. 213-226, jan./jun. 2015.

SARTURI, Cláudia de Arruda. Cultura e identidade surda no discurso curricular e seus efeitos na docência de professores formados no curso de Letras/Libras – polo UFSM. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria. 2013.

SCNEIDER, Rosélia. Educação de surdos: Inclusão no ensino regular. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, 2006.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e Diferença: Impertinências. In: Revista Educação & Sociedade, ano XXIII, v. 79, Agosto. 2002.

SILVA, Adriana Ramos. O desafio do bilinguismo para alunos surdos no contexto da inclusão: o caso de uma escola municipal do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e Diferença: Impertinências. In: Revista Educação & Sociedade, ano XXIII, v. 79, Agosto. 2002.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia improvável da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SKLIAR, Carlos. A inclusão que é “nossa” e a diferença que é do “outro”. In. RODRIGUES, David. (org). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.

SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre a diferença. Porto Alegre: Mediação, 2013. 6 ed.

STREIECHEN, Eliziane Manosso; KRAUSE-LEMKE, Cibele; OLIVEIRA, Jáima Pinheiro de; CRUZ, Gilmar de Carvalho. Pedagogia surda e bilinguismo: pontos e contrapontos na perspectiva de uma educação inclusiva. Revista Acta Scientiarum: Education. Maringá, v. 39, n.1, p. 91-101, Jan.-Mar., 2017.

UHMANN, Silvana Matos. Sinalizações sobre a escolarização de alunos surdos: discursos de (in)visibilidade da diferença e seus efeitos na escola. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Unijuí: Ijuí, 2020.

UHMANN, Silvana Matos; SCHWENGBER, Maria Simone Vione. Sujeitos com deficiência no mundo do trabalho: discursos que marcam aparências e, por sua vez, capacidades? Revista Educação Especial. v. 33. 2020.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & Educação. 3ª edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

Publicado
2020-12-11
Como Citar
UHMANN, S. M.; SCHWENGBER, M. S. V. INCLUSÕES DE ALUNOS SURDOS. Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. Especial, p. 194-807, 11 dez. 2020.