DIFERENÇAS, EDUCAÇÃO INTERCULTURAL E DECOLONIALIDADE

temas insurgentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13nEspecial.54949

Palavras-chave:

Educação intercultural crítica, Perspectiva decolonial, Saberes-práticas educacionais insurgentes

Resumo

Estamos vivendo uma situação de crise que afeta diferentes dimensões da vida social e política. No âmbito educacional, confrontam-se posições conservadoras com um intenso movimento, tanto de mobilização social quanto de produção acadêmica, de reconhecimento de diferentes grupos socioculturais inferiorizados e subalternizados na nossa sociedade. Este trabalho se situa nessa perspectiva e está orientado pela perspectiva decolonial e sua inter-relação com a educação intercultural crítica. Além de abordar essa temática, apresenta algumas questões que vêm adquirindo especial relevância hoje. São elas: igualdade-diferença, interseccionalidade, empoderamento, branquitude e ecologia de saberes. Reflete sobre cada uma delas e indica suas implicações para o desenvolvimento dos processos educacionais. Nas considerações finais -insurgindo...- assinala alguns desafios para avançarmos teórica e praticamente nessa direção. Defende que essa perspectiva exige desconstruir uma concepção padronizadora do formato e dos currículos escolares, questionar a colonialidade presente nas culturas escolares, reconhecer inúmeros saberes e práticas insurgentes que realizam professores e professoras no cotidiano escolar e colocar, no centro de nossas buscas para construir uma educação intercultural crítica e decolonial, os grupos sociais subalternizados e inferiorizados na nossa sociedade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vera Maria Candau, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutorado e Pós-Doutorado em Educação pela Universidad Complutense de Madrid (Espanha). Professora emérita do Departamento de Educação da PUC-Rio. Coordenadora do Grupo de Estudos sobre Cotidiano, Educação e Culturas (GECEC). Pesquisadora Senior do CNpq.

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019, p. 162.

AKOTIRENE, Carla. O que é Interseccionalidade? São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019, p. 113.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o Giro Decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, p. 89-117, Brasília/DF, maio-agosto de 2013.

BILGE, Sirma. Théorisations Féministes de “Intersectionnalité". Diogène, n. 225, p. 70-88, Paris, janeiro-março de 2009.

BATLIWALA, Sirilatha. The meaning of women’s empowerment: new concepts from action. In: G. Sen, A. Germain & L. C. Chen (eds.), Population Policies Reconsidered: health, empowerment and rights, Boston: Harvard University Press, 1994.

BRASIL. Lei n. 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2003.

BRASIL. Lei 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei 10.639/2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília: Casa Civil, 2008.

CANDAU, Vera Maria. Diferenças Culturais, Interculturalidade e Educação em Direitos Humanos. Educação & Sociedade, v. 33, p. 235-250, Campinas/SP, 2012.

CANDAU, Vera Maria Ferrão e RUSSO, Kelly. Interculturalidade e Educação: na América Latina: uma construção plural, original e complexa. Diálogo Educacional, v.10, (PUCPR), Paraná, 2010.

FLEURY, Reinaldo. Educação Intercultural e Movimentos Sociais. João Pessoa/PB: Editora do CCTA, 2017, p. 319.

FRASER, Nancy. Da Redistribuição ao Reconhecimento? Dilemas da Justiça numa era ‘Pós-Socialista’ Cadernos de Campo, v. 15, p. 151-169, São Paulo, 2006.

CRENSHAW, Kimberlé Williams. Demarginalizing the intersection of race and sex; a black feminist critique of discrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum, 1989.

MALDONADO TORRES, Nélson. Sobre la Colonialidad del Ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago y GROSFOGUEL, Ramón. (Orgs.) El Giro Decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, p. 127-167, 2007, p. 307.

SANTOS, Boaventura de Souza. Uma Concepção Multicultural de Direitos Humanos. Lua Nova [online]. n. 39, p. 105-124, 1997.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Souza e MENESES, Maria Paula. (Orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, p. 31-83, 2010, p. 637.

SANTOS, Boaventura de Souza. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Almedina, 2020, p. 32.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o Encardido, o Branco e o Branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2014, p. 192.

WALSH, Catherine. Memorias del Seminario Internacional “Diversidad, interculturalidad y construcción de ciudad”. (Bogotá, 17-19 de abril de 2007). Bogotá: Universidad Pedagógica Nacional, 2007.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

CANDAU, V. M. . DIFERENÇAS, EDUCAÇÃO INTERCULTURAL E DECOLONIALIDADE: temas insurgentes. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. Especial, p. 678–686, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13nEspecial.54949. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/54949. Acesso em: 18 set. 2021.