REFORMA DO ENSINO MÉDIO E BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

estudo entre São Paulo e Paraíba

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.56955

Palavras-chave:

Ensino Médio, BNCC, Paraíba, São Paulo

Resumo

Com a aprovação da Lei 13.415/2017, que modificou o ensino médio no Brasil e permitiu maior flexibilização de disciplinas e de conteúdo a serem ofertados por itinerários formativos, as redes estaduais de ensino passaram a construir suas propostas curriculares a partir da Base Nacional Comum Curricular.  Este artigo objetiva analisar os percursos iniciais de implementação da proposta curricular em debate no estado da Paraíba em comparação com a formulação já finalizada do estado de São Paulo. Tomando como orientação teórica autores como Apple e Gramsci, procura-se, em primeiro lugar, apreender o sentido da disputa de hegemonia no campo das reformas educativas a partir das relações de poder na formação do currículo, bem como as influências que o pensamento neoliberal imprime nessas reformas. Num segundo momento empreende-se uma análise comparativa das proposições das duas redes estaduais, focando a área de Ciências Humanas por opção de recorte metodológico de análise. Nessa comparação, percebe-se a diferença na formulação do currículo, mesmo tendo como base uma reforma de caráter nacional, com diferenças de enfoque, assumindo o estado de São Paulo uma diretriz marcadamente gerencialista, ao tempo em que o estado da Paraíba ainda sustenta uma visão mais plural de currículo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fernanda de Paula Gomides, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Federal da Paraíba e Professora Substituta da Universidade Federal da Paraíba.

Luiz de Sousa Júnior, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo e Professor Associado da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

APPLE, M. W. Educação e poder. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARANHA, M. L. de A. História da Educação e da Pedagogia. 3a. ed. São Paulo; Moderna, 2006

BEDIN, G. A.; NIELSSON, J. G. A crise da década de 1970: observações sobre as ideias neoliberais e suas consequências. In: COSTA, L. C., NOGUEIRA, V. M. R.,; SILVA, V. R., orgs. A política social na América do Sul: perspectivas e desafios no século XXI [online]. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2013, pp. 27-41. Disponível em http://books.scielo.org/id/rfv9p/epub/costa-9788577982318.epub. Acesso em 6 ago. 2020.

CABRAL NETO, A.; CASTRO, A. M. D. A. Reflexões sobre os atuais cenários da política educacional na América Latina. O público e o Privado, Fortaleza, n. 5, jan./jun., 2005. Disponível em: http://www.seer.uece.br/?journal=opublicoeoprivado&page=article&op=view&path%5B%5D=316. Acesso em: 28 nov. 2020.

DALE, R. A globalização e o desenho do terreno curricular. Espaço do currículo, v. 1, n. 1, p. 12-33, mar./set. 2008.

FERRARO, A. R. Neoliberalismo e políticas sociais: a naturalização da exclusão. Estudos Teológicos, v. 45, n. 1, p. 99-117, 2005. Disponível em: http://www3.est.edu.br/publicacoes/estudos_teologicos/vol4501_2005/et2005-1f_aferraro.pdf. Acesso em 28 nov. 2020.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. Um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 4ªed. São Paulo: Cortez, 1993.

FRIGOTTO, G. A polissemia da categoria trabalho e a batalha das ideias nas sociedades de classe. Rev. Bras. Educ. [online]. 2009, vol.14, n.40, pp.168-194. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782009000100014&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso 13 set. 2020.

FUNDAÇÃO LEMANN. Projeto de vida: o papel da escola na vida dos jovens. São Paulo: Fundação, Lemann, 2015.

GRUPO BANCO MUNDIAL. Um Ajuste Justo: Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/884871511196609355/pdf/121480-REVISED-PORTUGUESE-Brazil-Public-Expenditure-Review-Overview-Portuguese-Final-revised.pdf. Acesso em 20 dez. 2017.

GISI, M. L. Os significados de flexibilidade curricular. Cogitare Enferm., Curitiba, v.3, n.2, p.81-86, jul./dez. 1998.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Os Intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. v. 2.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

GONÇALVES, A. M.; DEITOS, Roberto Antônio. Competências gerais da Base Nacional Comum Curricular (BNCC): Análise teórica e ideológica da proposição socioemocional. Inter-Ação, Goiânia, v. 45, n. 2. p. 420 – 434, maio/ago, 2020. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/view/63822. Acesso em: 28 nov. 2020.

HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos – O Breve Século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985. Livro I. tomo II.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

NEVES, L. Brasil século XXI: propostas educacionais em disputa. In: LOMBARDI, José; SANFELICE, José (Org.). Liberalismo e educação em debate. Campinas/SP: Autores Associados, 2007. p. 205-224.

NOSELLA, P; AZEVEDO, Luiz Neves de. A educação em Gramsci. Rev. Teoria e Prática da Educação, v. 15, n. 2, p. 25-33, maio./ago. 2012. Disponível em: http://186.233.154.236/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/20180/10526. Acesso em 01 ago. 20

RODRIGUES, J; HORA, L. C. A. da (coords.). A educação em Gramsci e sua influência na pedagogia histórico-crítica: a temática da escola e a crítica ao espontaneísmo. 2012. Disponível em: http://www.ifch.unicamp.br/formulario_cemarx/selecao/2012/trabalhos/Licia%20Hora.pdf. Acesso em: 19 ago. 2020.

SCHULTZ, T. W. O Capital Humano: Investimentos em Educação e Pesquisa. Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1971.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DA PARAÍBA. Comissão de Implementação da Base Nacional Comum Curricular da Paraíba. Proposta curricular da Paraíba Ensino médio: Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. Julho de 2020.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Currículo paulista etapa ensino médio. 2020. Disponível em : https://efape.educacao.sp.gov.br/curriculopaulista/wp-content/uploads/sites/7/2020/08/CURR%C3%8DCULO%20PAULISTA%20etapa%20Ensino%20M%C3%A9dio.pdf. Acesso em: 05 set. 2020.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SOUZA, A. R. A teoria da agenda globalmente estruturada para a educação e sua apropriação pela pesquisa em políticas educacionais. RBPAE, v. 32, n. 2, p. 463-485, maio/ago. 2016. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/viewFile/63947/38376. Acesso em: 13 nov. 2017.

KUENZER. A. (org). Ensino Médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. – 3ª ed – São Paulo: Cortez, 2002.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

GOMIDES, F. de P.; JÚNIOR, L. de . S. . REFORMA DO ENSINO MÉDIO E BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: estudo entre São Paulo e Paraíba. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–15, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.56955. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/56955. Acesso em: 13 maio. 2021.