O QUE SE DISPUTA NA/COM A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.57084

Palavras-chave:

Política Curricular, BNCC, Discurso, Direito

Resumo

Este artigo examina o contexto de produção da Base Nacional Comum Curricular pondo em discussão elementos destacados como marcos simbólicos das mudanças que a BNCC traz para educação. A eleição desses elementos para análise tem por mote uma peça publicitária veiculada na mídia pelo Ministério da Educação logo após a promulgação da BNCC pelo Conselho Federal de Educação. A narrativa construída assume um tom de acordo consensual que oblitera as disputas em torno dos pontos postos em destaque. Evidenciar essas disputas é objetivo desse texto, argumentando, a partir de uma perspectiva discursiva pós-estruturalista, que essas disputas não cessaram, no entendimento da política como processo de significação contingente, o que implica em lê-la como fechamento provisório, abertura à negociação.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rita Frangella, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Professora associada da Faculdade de Educação - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

CÁSSIO, Fernando. Existe vida fora da BNCC? IN: CÁSSIO, Fernando; CATELLI JR, Roberto. Educação é a base? 23 educadores discutem a BNCC. São Paulo: Ação Educativa, 2019.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BHABHA, Homi. Nuevas minorías, nuevos derechos – notas sobre cosmopolitismos vernáculos. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2013.

BRASIL/MEC. Base Nacional Comum Curricular, 2018. (Versão homologada). Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: dez. 2020.

DERRIDA, Jacques. Força de lei – o fundamento místico da autoridade. São Paulo: Martins Fontes, 2010, 2a. ed.

DERRIDA, Jacques. Papel-Máquina. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

FRANGELLA, Rita de Cássia. “Muitos como um”: políticas curriculares, justiça social, equidade, democracia e as (im)possibilidades de diferir. Educar em Revista. Curitiba, V. 36, e75647, 2020.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e Diferença. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para a educação. Revista e Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p. 1530- 1555, Out/Dez, 2014.

NORVAL, Aletta. Las deciosiones democráticasy la cuestión de la universalidad. Repensar los enfoques recientes. IN: CRITCHLEY, Simon; MARCHART, Oliver (comp). Laclau – aproximaciones críticas a su obra. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2008.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

FRANGELLA, R. O QUE SE DISPUTA NA/COM A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR?. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–7, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.57084. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/57084. Acesso em: 13 maio. 2021.