METODOLOGIAS EM CRUZO

pensando modos de fazer currículo a partir dos encontros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v14iEspecial.60790

Palavras-chave:

Metodologia do cruzo, Currículo, Acontecimento

Resumo

Esse artigo traz a possibilidade de se fazer e entender currículo a partir de uma metodologia, que se denomina nesse texto de metodologia do cruzo. Entende-se essa metodologia como sendo uma estratégia de construção de currículos por meio dos encontros entre subjetividades, histórias e culturas; percebendo a escola como uma comunidade em que a pluralidade se faz presente. A educação é compreendida como sendo acontecimento, no sentido derridiano dessa palavra, em que não cabem previsibilidade e cálculo; não sendo, portanto, a escola um local de se construir ou ensinar um dever ser fixo e desejável que corresponda às expectativas de um suposto mercado e da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marinazia Pinto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Mestre em Letras pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Professora de Língua Portuguesa da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro.

Marcelo José Derzi Moraes , Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ARAÚJO, Hellen Gregol; LOPES, Alice Casimiro. Redes políticas de currículo: a atuação da Fundação Getúlio Vargas. Práxis Educativa, v. 16, 2021. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/18297. Acesso em: 20/07/2021.

BORGES-ROSARIO, Fábio.; MORAES, Marcelo José Derzi.; HADDOCK-LOBO, Rafael. Toco, farofa e marafo. In: BORGES-ROSARIO, Fábio.; MORAES, Marcelo José Derzi.; HADDOCK-LOBO, Rafael. Encruzihadas Filosóficas. Rio de Janeiro: Editora Ape’Ku, 2020

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2018a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara da Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2018b.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio em debate. Brasília, DF: MEC, 2010c.

BROWN, Wendy. NAS RUÍNAS DO NEOLIBERALISMO: a ascensão da política antidemocrática no ocidente. Tradução: Mario A. Marino; Eduardo Altheman C. Santos. São Paulo: Editora Filosófica Politeia, 2019.

DERRIDA, Jacques. Força de lei. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2018.

DERRIDA, Jacques. O monolinguismo do outro ou a prótese de origem. Tradução: Fernanda Bernardo. Belo Horizonte: Chão da Feira, 2016.

DERRIDA, Jacques. MEMÓRIA DE CEGOS: o auto-retrato e outras ruínas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

DERRIDA, Jacques. Torres de Babel. Tradução: J. Barreto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

DERRIDA. Qu’est-ce que la deconstruction? In: Le Monde, mardi 12 octobre 2004.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Tradução: Fábio Landa. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

DERRIDA, Jacques. Posições. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2001a.

DERRIDA, Jacques. A solidariedade entre os seres vivos. Entrevista a Evando Nascimento. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 de Maio de 2001b. Suplemento Mais!

DERRIDA, Jacques. ESPECTROS DE MARX: o estado da dívida, o trabalho do luto e a nova internacional. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

HADDOCK-LOBO, Rafael. Fantasmas da Colônia. Rio de Janeiro: Editora Apeku, 2020.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Tradução: Ricardo Uebel, Maria Isabel Bujes e Maria Vorraber Costa. In: THOMPSON, Kenneth. (org.) Media and cultural regulation. London, Thousand Oaks, New Delhi: The Open University; SAGE Publications, 1997. Cap. 5. (Publicado em Educação & Realidade com a autorização do autor).

LOPES, Alice Casimiro. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Revista Retratos da Escola. Brasília, v. 13, n. 25, p. 59-75, jan./mai. 2019. Disponível em: . Acessado em 23/07/2021.

LOPES, Alice Casimiro. Normatividade e intervenção política: em defesa de um investimento radical. In: Alice Casimiro Lopes; Daniel de Mendonça. (Org.). A TEORIA DO DISCURSO DE ERNESTO LACLAU: ensaios críticos e entrevistas. 1ed.São Paulo: Annablume, 2015, v. 1, p. 117-147

LOPES, Alice Casimiro.; BORGES, Verônica. Currículo, conhecimento e interpretação. Currículo sem fronteiras, v. 17, n. 3, p. 555-573, set.dez. 2017. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org. Acesso em 10/07/2021.

LOPES, Alice Casimiro.; MACEDO, Elizabeth. Apresentação: Uma alternativa às políticas curriculares centralizadas. Revista Roteiro. Joaçaba, v. 46, Jan./Dez., 2021

MACEDO, Elizabeth. A teoria do currículo e o futuro monstro. In: Alice Casimiro Lopes, Marcos Siscar (orgs). Pensando a política com Derrida: responsabilidade, tradução, porvir. - São Paulo: Cortez, 2018

MACEDO, Elizabeth. MAS A ESCOLA NÃO TEM QUE ENSINAR?: Conhecimento, reconhecimento e alteridade na teoria do currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 539-554, set./dez. 2017

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, maio/agosto 2006

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia africana para descolonizar olhares: perspectivas para o ensino das relações étnico-raciais. Revista de Educação, Ciência e Tecnologia. Canoas, v. 3, n. 1, 2014.

MORAES, Marcelo J. D. DEMOCRACIAS ESPECTRAIS: por uma desconstrução da colonialidade. Rio de Janeiro: Editora Nau, 2020

MORAES, Marcelo J. D. Desobediência Epistemológica: Ubuntu e Teko Porã: outros possíveis a partir da desconstrução. In: CORREIA, A.; MARQUES, S. T.; SILVA, C. V. da; SOLIS, D. E. N. Filosofia francesa contemporânea. Coleção XVII. Encontro ANPOF: ANPOF, p. 70-81, 2017.

MORAES, Marcelo J. D. Acontecimento e desconstrução. Cadernos da FaEL, v.3, 2010 https://unig.br/wp-content/uploads/ACONTECIMENTO-E-DESCONSTRUCAO.pdf. Acessado em 15/01/2021

OLIVEIRA, Eduardo David de. Filosofia da ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Tese. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2005.

PINTO, Marinazia Cordeiro; MORAIS, Max Willa. Currículo e Projeto Político Pedagógico: programa de experimentação, transgressão e potência das periferias. In: VIANNA, Douglas.; RIBEIRO, Luciana.; SANTOS, Patrícia Elaine Pereira dos. Pesquisadores da educação na escola pública: desafios na produção de conhecimento a partir das periferias. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

RODRIGUES, Thamara de Oliveira. Sonho como exercício da diferença: o protagonismo ameríndio no questionamento do fim. In: BORGES-ROSÁRIO, Fabio; MORAES, Marcelo José Derzi de, HADDOCK-LOBO, Rafael. (orgs.). Encruzilhadas Filosóficas. Coleção X (Org. Rafael Haddock-Lobo). Rio de Janeiro: Ape’Ku, 2020

RUFINO, Luís. Pedagogia das encruzilhadas. Mórula Editora, 2019.

Downloads

Publicado

30-12-2021

Como Citar

PINTO, M.; MORAES , . M. J. D. METODOLOGIAS EM CRUZO: pensando modos de fazer currículo a partir dos encontros. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. Especial, p. 1–11, 2021. DOI: 10.15687/rec.v14iEspecial.60790. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/60790. Acesso em: 24 jun. 2024.