DESLOCAMENTOS METODOLÓGICOS NAS PESQUISAS EM CURRÍCULO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v14iEspecial.61884

Palavras-chave:

Metodologias, Modos de fazer, Encruzilhadas

Resumo

O dossiê pretende estimular conversações sobre os modos de fazer pesquisas no campo do currículo, considerando experimentos, criações e fabulações metodológicas que apontem os usos e limites da categoria currículo, a partir e para além do Ocidente.  O intuito é apresentar tensionamentos, resistências, subjetividades diaspóricas, identidades fraturadas, intersecções e a diferença nas práticas e políticas que se desenrolam no ambiente escolar, na relação de profissionais da educação com os movimentos sociais, instituições públicas regulatórias, bem como nas esquinas e nas frestas da vida. Após a virada qualitativa nas pesquisas em educação observa-se a ampliação do número de pesquisas que investem em métodos e técnicas voltados para acessar o “chão da escola”, seja por observações, entrevistas ou conversas, tais estratégias insistem no espaço formativo como lócus para a coleta de dados, reiterando noções de sujeito, autonomia e realidade, que por vezes se chocam com o referencial teórico mobilizado. Nesse sentido, interessa questionar como a produção de mapas conceituais articulam-se com as encruzilhadas, os híbridos, as conversações e com as autobiografias. Em que medida, as pesquisas sobre currículo, produzidas a partir de outros pontos de vista e epistemes têm possibilitado deslocamentos nos pilares ontológicos, éticos e epistemológicos das metanarrativas modernas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Iris Verena Oliveira de Oliveira, Universidade do Estado da Bahia, Brasil.

Doutora em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia e Professora da Universidade do Estado da Bahia.

Núbia Regina Moreira

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasilia e Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Referências

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho – o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In. OLIVEIRA, Inês Barbosa; ALVES, Nilda. Pesquisa no/do cotidiano das escolas - sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

BUTLER, Judith. A força da não violência. Um vínculo ético-político. São Paulo: Boitempo, 2021.

FERREIRA DA SILVA, Denise. A Dívida Impagável. São Paulo: Casa do Povo, 2019.

GALEFFI, Dante. O rigor nas pesquisas qualitativas: uma abordagem fenomenológica em chave transdisciplinar. In: MACEDO, Roberto Sidnei. GALEFFI, Dante. PIMENTEL, Álamo. Um rigor outro. Sobre a questão da qualidade na pesquisa qualitativa. Educação e ciências antropossociais. Salvador: Edufba, 2009.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e Estratégia Socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

MACEDO, Elizabeth; RANNIERY, Thiago. E depois do pós-estruturalismo?: experimentações metodológicas na pesquisa em currículo e educação. In: Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, n. 13, n.3, Set./Dez., 2018, p. 941-947.

MARTINS, Leda M. Performances do tempo espiralar. Poéticas do corpo-tela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

Downloads

Publicado

30-12-2021

Como Citar

OLIVEIRA, I. V. O. de; MOREIRA, N. R. . DESLOCAMENTOS METODOLÓGICOS NAS PESQUISAS EM CURRÍCULO. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. Especial, p. 1–7, 2021. DOI: 10.15687/rec.v14iEspecial.61884. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/61884. Acesso em: 14 jun. 2024.