A DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

um parâmetro dos conteúdos físicos e astronômicosnas orientações dos documentos oficiais do estado do Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i3.66224

Palavras-chave:

Ensino de Física, Análise curricular, Pesquisa documental, Orientações educacionais

Resumo

O ensino de Física na Educação Básica tem sido longamente discutido na bibliografia recente e pretérita. Pesquisadores têm divulgado a evolução dos currículos escolares e discorrido sobre a forma que essa disciplina e seus conceitos foram incluídos na grade curricular ao longo dos anos. Recentemente pudemos observar novas alterações nesta organização, em detrimento da homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a publicação de novos documentos orientadores para a elaboração dos currículos escolares. Assim, este trabalhou objetivou a comparação das orientações presentes nos documentos oficiais para a Educação Básica no que se refere ao ensino de conceitos físicos no âmbito do Ensino Fundamental II. Para tanto analisamos o documento que representa as antigas orientações do Estado do Paraná, as Diretrizes Curriculares Estaduais, e o novo documento, representado pelo Currículo da Rede Estadual Paranaense. A pesquisa classifica-se como um estudo documental qualitativo e revelou que houve um aumento dos conceitos físicos presentes no currículo de referência nos últimos anos, além de indicar que as estratégias de ensino permanecem, em sua maioria, as mesmas. Algo comum nos dois documentos é a indicação da contextualização do conhecimento como elemento essencial para o alcance dos objetivos de aprendizagem listados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leonardo Deosti, Universidade Estadual de Maringá, Brasil.

Mestre em Educação para a Ciência e a Matemática pela Universidade Estadual de Maringá e doutorando pela mesma instituição.

Marcos Cesar Danhoni Neves, Universidade Estadual de Maringá, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Maringá e professor pela mesma instituição.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 28 jul. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Recuperado de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 04 dez. 2022.

BRASIL. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 jul. 2022.

CARVALHO, A. M. P. Ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: Carvalho, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. (p. 1-20). São Paulo, SP: Cengage Learning, 2013.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas S.A. 176 p, 2002.

GIOPPO, C.; SCHEFFER, E. W. O.; NEVES. M.C.D. O ensino experimental na escola fundamental: uma reflexão de caso no Paraná. Educar, n. 14, p. 39-57, 1998. Recuperado de: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/2028. Acesso em: 13 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.180

LEMOS, A. S. J. Abordagem dialógica como proposta didático-metodológica para o ensino de física (Dissertação de metrado). Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Natureza. Universidade Federal Fluminense. 53p. Niterói, 2017. Recuperado de: https://app.uff.br/riuff/bitstream/handle/1/6013/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20%c3%81lvaro%20Siguin%c3%a9.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 16 dez. 2022.

PARANÁ. Departamento de Educação Básica. Caderno de expectativas de aprendizagem. Curitiba: SEED/PR, 2011. Recuperado de: www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/caderno_expectativas.pdf. Acesso em: 20 dez. 2022.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica. Ciências. Curitiba: SEED/PR, 2008. Recuperado de: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_cien.pdf Acesso em: 25 nov. 2022.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação e do Esporte. Currículo da Rede Estadual Paranaense para os anos finais do Ensino Fundamental: Ciências, 2021. Recuperado de: https://www.educacao.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2021-05/crep_ciencias_2021_anosfinais.pdf. Acesso em: 29 nov. 2022.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação e do Esporte. Lançado o Caderno de Expectativas de Aprendizagem, 2012. Recuperado de: https://www.educacao.pr.gov.br/Noticia/Lancado-o-Caderno-de-Expectativas-de-Aprendizagem. Acesso em: 08 dez. 2022.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação e do Esporte. Referencial curricular do Paraná: princípios, direitos e orientações. Curitiba: SEED/PR, 2018. Recuperado de: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/bncc/2018/referencial_curricular_parana_cee.pdf. Acesso em: 12 dez. 2022.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação e do Esporte. Referencial curricular do Paraná em foco. Curitiba: SEED/PR, 2020. Recuperado de: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/referencial_curricular_parana_foco/referencial_emfoco_anos_finais_ciencias.pdf. Acesso em: 10 dez. 2022.

MACEDO, E. F. de; LOPES, A. C. A estabilidade do currículo disciplinar: o caso das Ciências. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. F. (Org.). Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, p. 73 – 94, 2002.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 8. ed. São Paulo: Atlas S.A. 200 p, 2017.

MARTINS, M. R.; BUFFON, A. D. A História da Ciência no currículo de Física do Ensino Médio. ACTIO: Docência em Ciências. Curitiba, 2017. Recuperado de: https://periodicos.utfpr.edu.br/actio/article/view/6790. Acesso em: 05 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.3895/actio.v2n1.6790

MOREIRA, M.A. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária. 2ª ed. 242p, 2011.

NASCIMENTO, R. R. do. Análise das transformações do conceito de energia segundo a termodinâmica nos livros de Física do Ensino Médio (Dissertação de metrado). Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências. Universidade Federal Rural de Pernambuco. 128p. Recife, 2017. Recuperado de: http://www.tede2.ufrpe.br:8080/tede2/bitstream/tede2/7448/2/Robson%20Raabi%20do%20Nascimento.pdf. Acesso em: 18 dez. 2022.

SANTOS, W. L. P. dos. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Revista Ciência & Ensino, v. 1, 2007. Recuperado de: https://www.academia.edu/27297895/Contextualiza%C3%A7%C3%A3o_no_ensino_de_ci%C3%AAncias_por_meio_de_temas_CTS_em_uma_perspectiva_cr%C3%ADtica. Acesso em: 13 dez. 2022.

VIEIRA, M. M. F. Por uma boa pesquisa qualitativa. In VIEIRA, M. M. F. & ZOUAIN, D. M. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em Administração. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004, p. 13-28.

Downloads

Publicado

04-07-2023

Como Citar

DEOSTI, L.; NEVES, M. C. D. . A DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: um parâmetro dos conteúdos físicos e astronômicosnas orientações dos documentos oficiais do estado do Paraná. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 1–17, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i3.66224. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/66224. Acesso em: 24 abr. 2024.