“O FUNDAMENTAL É MANTER A APRENDIZAGEM”

a política curricular da cidade de São Paulo em 2020-2021

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v17i1.69519

Palavras-chave:

Reforma educacional, Política Curricular, Pandemia, Currículo da Cidade

Resumo

O trabalho adota como ponto de partida os distintos modelos organizacionais que operam sobre as escolas e sua relação com a dimensão normativa das políticas – modelos decretados, interpretados, recriados e praticados, que se articulam em uma complexa relação de legitimação, adesão e infidelidades normativas no cotidiano das instituições, aplicando tal referencial à análise das políticas curriculares do município de São Paulo durante a crise pandêmica de COVID-19, estruturadas a partir do Currículo da Cidade. Analisou-se desde documentos de caráter normativo gerais e locais até depoimentos sobre práticas, através de entrevistas com educadoras das escolas pesquisadas. A análise foi organizada em quatro vertentes de implementação das políticas curriculares: projeto político-pedagógico da escola (PPP), formação de professores, materiais didáticos e avaliação. Assim, considerando o debate acerca das reformas gerenciais na educação, o presente trabalho pretende analisar as práticas mobilizadas nas escolas a partir das orientações normativas específicas emanadas em 2020 e 2021. Com enfoque na compreensão da noção de “objetivos de aprendizagem”, discute-se, a partir da literatura, as implicações disso nas políticas curriculares implantadas no Brasil tendo como campo de análise as orientações curriculares do município de São Paulo e a forma que essas orientações mobilizaram a organização escolar, afetando a noção de Educação e de gestão escolar em tempos de crise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bruna Mello, Universidade Federal do ABC, Brasil.

Mestra em políticas públicas pela Universidade Federal do ABC e professora da Rede Pública Municipal de São Paulo. 

Salomão Ximenes , Universidade Federal do ABC, Brasil.

Doutor em Direito pela Universidade de São Paulo e professor da Universidade Federal do ABC. 

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Reforma do Estado e políticas educacionais: entre a crise do Estado-nação e a emergência da regulação supranacional. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 75, p. 15-32, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302001000200003

ARAÚJO, Gilda Cardoso de; OLIVEIRA Romualdo Portela de. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação [on line], v. 28, p. 5–23, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782005000100002

AVELAR Marina, BALL, Stephan. Mapping new philanthropy and the heterarchical state: The Mobilization for the National Learning Standards in Brazil. International Journal of Educational Development, v. 64, p. 65 – 73, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijedudev.2017.09.007

BALL, Stephan. Performatividade, privatização e o pós-Estado do Bem-Estar. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105–1126, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000400002

BAUER, Adriana. “Novas” Relações entre Currículo e Avaliação? Recolocando e Redirecionando o Debate. Educação em Revista [online], v. 36, p. 1-19, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698223884

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Diário Oficial da União. Imprensa Oficial, Brasília-DF. Disponível em: https://www.gov.br/imprensanacional/pt-br. Acesso em: 24 de abril de 2024.

CÁSSIO, Fernando; AVELAR Marina; TRAVITZKI Rodrigo; NOVAES, Thais Andrea Furigo. Heterarquização do Estado e a Expansão das Fronteiras da Privatização da Educação em São Paulo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 41, p. e241711, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/es.241711

FATTORI, Camila Campos Tinoco; XIMENES, Salomão Barros. A resposta educacional às consequências da pandemia de Covid-19 e a atuação da rede temática. Revista Interdisciplinar em Educação e Territorialidade, v. 2, n. 2, p. 64 - 93, jan./jun., 2021. DOI: https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.14560

FREITAS, Luis Carlos de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GATTI, Bernadete. Possível reconfiguração dos modelos educacionais pós-pandemia. Estudos Avançados [online]. v. 34, n. 100, p. 29-41, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.003

HAGE, Salomão Antônio; SENA, Ivânia Paula Freitas de Souza. Direito à Educação na Pandemia: defender a vida e não as prescrições curriculares da BNCC. Revista Espaço do Currículo, v. 14, n. 2, p. 1-14, 2021. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.58060

LIMA, Licínio. A escola como organização educativa. São Paulo: Cortez, 2001.

LIMA, Licínio. A Gestão Democrática das Escolas: do Autogoverno à ascensão de uma pós-democracia gestionária? Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1067-1083, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014142170

LIMA, Licínio. Autonomia e flexibilidade curricular: quando as escolas são desafiadas pelo governo. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, Edição Especial, p.172-192, 2020.

LIMA, Licínio. Políticas educacionais, organização escolar e trabalho dos professores. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 21, n. 38, 2011.

LIMA, Licínio; AFONSO, Almerindo. Reformas da educação pública: democratização, modernização, neoliberalismo. Porto: Edições Afrontamento, 2002.

MALANCHEN, Julia; SANTOS, Silvia Alves dos. Políticas e reformas curriculares no Brasil: perspectiva de currículo a partir da pedagogia histórico-crítica versus a base nacional curricular comum e a pedagogia das competências. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 20, e020017, 2020. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8656967

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Currículo da Cidade. São Paulo: SME, 2018.

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Diário Oficial do Município de São Paulo. Imprensa Oficial, São Paulo. Disponível em: https://diariooficial.prefeitura.sp.gov.br/md_epubli_controlador.php?acao=inicio. Acesso em: 24 de abril de 2024.

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. O Acompanhamento das Aprendizagens e o Plano de Ação. São Paulo: SME, 2021i. Disponível em: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/11/Acompanhamento-das-Aprendizagens-2.pdf. Acesso em: 24 de abril de 2024.

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Priorização Curricular. São Paulo: SME, 2021. Disponível em: https://acervodigital.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2022/06/Prioriz-Curric_Ens-Fund_LP.pdf. Acesso em: 24 de abril de 2024.

PAVAN, Ruth; LIMA, Licínio. Por uma educação democrática, pública e da decisão: entrevista com Licínio Lima. Educação em Revista, v. 36, p. e219832, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698219832

SÃO PAULO. Diário Oficial do Estado de São Paulo. Imprensa Oficial, São Paulo. Disponível em: https://www.doe.sp.gov.br/. Acesso em: 24 de abril de 2024.

SAVIANI, Dermeval. Crise Estrutural, Conjuntura Nacional, Coronavirus e Educação – O Desmonte da Educação Nacional. Revista Exitus, Santarém, v. 10, e020063, 2020. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1463

SAVIANI, Dermeval. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento: revista de educação, ano 3, n. 4, p. 54-84, 2016. DOI: https://doi.org/10.22409/movimento2016.v0i4.a20909

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2019.

VERGER, Antoni; NORMAND, Romualdo. Nueva gestión pública y educación: Elementos teóricos y conceptuales para el estudio de un modelo de reforma educativa global. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 132, p. 599-622, set. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015152799

XIMENES, Salomão Barros. Contra quem os estudantes lutam? As ocupações secundaristas no epicentro das disputas sobre a escola pública. In: Jonas Medeiros; Adriano Januário; Rúrion Melo. (Org.). Ocupar e resistir: Movimentos de ocupação de escolas pelo Brasil (2015-2016). 1ed. São Paulo: Editora 34, 2019, v. 1, p. 50-80.

XIMENES, Salomão Barros. Responsabilidade educacional: concepções diferentes e riscos iminentes ao direito à educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 353-377, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000200003

Downloads

Publicado

30-04-2024

Como Citar

MELLO, B. .; XIMENES, S. “O FUNDAMENTAL É MANTER A APRENDIZAGEM”: a política curricular da cidade de São Paulo em 2020-2021. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 17, n. 1, p. e69519, 2024. DOI: 10.15687/rec.v17i1.69519. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/69519. Acesso em: 18 jul. 2024.