UMA CRIANÇA CAÍDA DO CHÃO

contaminação e acoplamentos virais em currículos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.40142

Palavras-chave:

Crianças com HIV, Biopoder, Ecologia Queer, Currículo

Resumo

Um acoplamento viral com HIV é uma composição que põe à prova mecanismos como a temporalidade da reprodução sexual e a relacionalidade social. É esse campo que cruza política e sexualidade, matizado por graus de ansiedade e pânico que analisamos nesse artigo, explorando as dimensões da contaminação dentro um panorama mais amplo das políticas ecológicas. Inspirados nos debates sobre biopoder, propomos um experimento narrativo e ensaístico a partir trajetórias de crianças vivendo com HIV nas escolas, argumentando que a iminência de contaminação dos corpos nos currículos convida a pensar os entrelaçamentos entre vida e morte e vida e não-vida. Sugerimos, assim, o vírus como uma figura de poder que produz a materialização diferença como um erro metabólico do tempo da reprodução e da projeção do futuro. Defendemos que abordar a experiência dessas crianças oferece um suplemento às considerações (bio)políticas dos debates ambientais e das políticas ecológicas. O agenciamento viral coloca enredamentos existentes nos currículos entre sexualidade e ecologia política que tem recebido pouco crédito nos recentes debates sobre o Antropoceno. Esses laços complicam a imaginação ética da vida social ao expandir o corpo para além do humano quanto permitem abordar como e onde as disposições de poder dos currículos podem ser configuradas ao colabar os corpos como unidades separáveis em si mesmas e hermeticamente fechadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thiago Ranniery Moreira de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Luan Carpes Barros Cassal, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ABIA. A AIDS e a escola: nem indiferença, nem discriminação. Rio de Janeiro: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS, 1993.

ABREU, Caio Fernando. Morangos mofados. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BARAD, Karen. Meeting the Universe Halfway. Durham: Duke University Press, 2007

BARAD, Karen. Nature’s Queer Performativity. Kvinder, Køn & Forskning, n. 1-2, p. 25-53, 2012.

BARAD, Karen. Transmaterialities: Trans*/matter/realities and Queer Political Imaginings. GLQ, v. 21, n. 2–3, p. 387–422, 2015.

BARAD, Karen. Queer Causation and the Ethics of Mattering. In: GIFFNEY, Noreen; HIRD, Myra. Queering the Non/Human. Nova York: Routledge, 2016 p. 311-338..

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BUTLER, Judith. Como os corpos se tornam matéria. Revista Estudos Feministas, v. 10, n.1, p. 155-167, 2002.

BUTLER, Judith. Bodies that matter. Nova York: Routledge, 1993.

CARRARA, Sergio. Moralidades, racionalidades e políticas sexuais no Brasil contemporâneo. Mana, v. 21, p. 323-345, 2015.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. A invenção do sujeito ecológico: sentidos e trajetórias da educação ambiental. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

CHAKRABARTY, Dipesh. O clima da história: quatro teses. Sopro, v. 91. 2013.

CHEN, Mel. Toxic Animacies, Inanimate Affections. GLQ: A Journal of Lesbian and Gay Studies, v. 17, n.2–3, p. 265–286, 2011.

DONINI, Ângela. Potência virótica da vida: afeto, escrita e subjetivação. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

GIORGI, Gabriel. Política de la supervivincia. Kamchatka: Revista de Análisis Cultural, n.10, 2017, p. 249-260.

DESPRET, Vicienne. O que os animais diriam se...?. Cadernos de Leitura, n. 45, maio 2016.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Ed.34, 2002.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 2001.

EDELMAN, Lee. No Future. Durham: Duke University Press, 2008.

FOUCAULT, Michel. The order of things. New York: Vintage Books, 1970.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FREEMAN, Elizabeth. Time Binds. Durham: Duke University Press, 2010.

HARAWAY, Donna. Staying with the Trouble. Durham: Duke University Press, 2016.

HARAWAY, Donna. When Species Meet. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008.

HARAWAY, Donna. The Promises of Monsters: A Regenerative Politics for Inappropriate/d Others In: GROSSBERG, Lawrence; NELSON, Cary.; TREICHLER, Paula. (eds). Cultural Studies New York; Routledge, 1993. p. 295-337.

HARAWAY, Donna. The Biopolitics of Postmodern Bodies: Determinations of Self in Immune System Discourse. diferences, v. 1, n. 1, p. 3-43, 1989.

HAYWARD, Eva. Fingeryeyes: Impressions of Cup Corals. Cultural Anthropology, n. 25, v. 4, p. 577-599, 2010.

HUSTAK, Carla; MYERS, Natasha. Involutionary Momentum: Affective Ecologies and the Sciences of Plant/Insect Encounters. Différences, v. 23, n. 3, p. 74-118, 2012.

KIRBY, Vicky. Quantum antropologies. Durham: Duke University Press, 2011.

KRISTEVA, Julia. The power of horror. New York: Columbia University Press, 1999.

LATOUR, Bruno. Investigacíon sobre los modos de existência. Buenos Aires: Paidos, 2013.

LAW, John. What’s Wrong with a One-World World. Paper apresentado ao Center for the Humanities, Wesleyan University, Connecticut em 19 de Setembro de 2011. Disponível em: http://www.heterogeneities.net/publications/Law2011WhatsWrongWithAOneWorldWorld.pdf Acesso em: 14 de março de 2018.

LEWIS, Simon; MASLIN, Mark. Defining the Anthropocene. Nature, v. 519, n. 12 2015, pág. 172.

MORTIMER-SANDILANDS, Catriona. Unnatural Passions?: Notes Toward a Queer Ecology, Invisible Culture. An Electronic Journal for Visual Culture, v. 9, 2005. Disponível em: http://www.rochester.edu/in_visible_culture/Issue_9/title9.html. Acesso em: 2 de junho de 2018.

MORTIMER-SANDILANDS, Catriona. ERICKOSN, Bruce. A Genealogy of Queer Ecologies. In: ERICKSON, Bruce. Queer Ecologies. Bloomington: Indiana University Press, 2010. p. 1-47.

MBEMBE, Acquille. Necropolítica. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

MIRZOEFF, Nicholas. O direito de olhar. Educação Temática Digital, v.18 n.4 p.745-768 out./dez. 2016a.

MIRZOEFF, Nicholas. Não é o Antropoceno, é a cena da supremacia branca ou a linha divisória geológica da cor. Baula, 2016. Disponível em: http://www.buala.org/pt/a-ler/nao-e-o-antropoceno-e-a-cena-da-supremacia-branca-ou-a-linha-divisoria-geologica-da-cor. Acesso em: 5 de maio de 2018.

MEYERS, Natasha. Rendering Life Molecular. Durham: Duke University Press, 2015.

MUÑOZ, José Esteban. Cruising Utopia. New York: New York University Press, 2009.

NGAI, Sianne. Ugly Feelings. Cambridge: Harvard University Press, 2005.

NYONG’O, Tavia. Back to the Garden: Queer Ecology in Samuel Delany’s Heavenly Breakfast. American Literary History, v. 24, n. 4, 2013. 747-767.

PATTON, Cindy. Globalizating AIDS. Minneapolis: University of Minnesota Press, Spring 2002.

PELUCIO, Larissa. Abjeção e Desejo. São Paulo: Editora Annablume, 2009.

PEREIRA, Pedro Paulo. Sucatas do mundo: noções de contaminação e de abjeção em uma instituição de portadores de Aids. Sociedade e Cultura, v. 4, n. 2, p. 127-147,jul./dez. 2001.

PERLONGHER, Néstor. O que é AIDS. São Paulo: Brasiliense, 1987.

PRECIADO, Paul B. Quem defende a criança queer?. Jangada, n. 1, p. 96-99, jan-jun 2013.

POVINELLI, Elizabeth. The Empire of Love. Durham: Duke University Press, 2006

POVINELLI, Elizabeth. Geontologies. Durham: Duke University Press, 2016a.

POVINELLI, Elizabeth. Geontologies: The Figures and the Tactics. e-flux, n. 78, 2016b. Disponível em: https://www.e-flux.com/journal/78/81514/geontologies-the-figures-and-the-tactics/. Acesso em: 2 de junho de 2018.

POVINELLI, Elizabeth. As quatro figuras da “sexualidade” nos colonialismos de povoamento. Cadernos Pagu, v. 41, p. 11-18, jul-dez 2013.

POVINELLI, Elizabeth. Interview with Elizabeth Povinelli by Mat Coleman and Kathryn Yusoff. Theory, Culture & Society. Volume Especial, p. 1-17, 2017.

PUAR, Jasbir. Terrorist Assemblages. Durham: Duke University Press, 2007.

PUAR, Jasbir. “Prefiro ser um ciborgue a ser uma deusa”: interseccionalidade, agenciamento e política afetiva. Meritum, v. 8, n. 2, p. 343-370, jul./dez. 2013.

SEDGWICK, Eve. How to Bring Your Kids Up Gay. Social Text, v. 29, p. 18-27, 1991.

REICHLER, Paula. AIDS, Homophobia, and Biomedical Discourse: An Epidemic of Signification. October, v. 43, p. 31-70, 1987.

SILVA, Denise Ferreira da. Toward a Global Idea of Race. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2007.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

SPOSITO, Roberto. Bios: biopolítica e filosofia. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2017.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes. São Paulo: Cosac & Naify, 2015.

Downloads

Publicado

31-12-2018

Como Citar

OLIVEIRA, T. R. M. de .; CASSAL, L. C. B. UMA CRIANÇA CAÍDA DO CHÃO: contaminação e acoplamentos virais em currículos. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.40142. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n11.40142. Acesso em: 18 jul. 2024.