EDUCAÇÃO AMBIENTAL E INTERCULTURA

pensando um currículo a partir dos trópicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42394

Palavras-chave:

Biologia do Amor/Biologia do Conhecer, Antropofagia Cultural, Educação Ambiental, Currículo e Intercultura

Resumo

Este artigo se refere aos resultados de pesquisa desenvolvida com financiamento/CNPq/CAPES. Entre os objetivos está o de promover a reflexão sobre as possibilidades de construção de conhecimento curricular numa perspectiva intercultural. Foram tomadas como referência as contribuições de dois pressupostos epistemológicos da obra de Humberto Maturana: a Biologia do Amor (BA) e a Biologia do Conhecimento (BC), bem como as proposições filosóficas da Antropofagia Cultural Brasileira (ACB) para a construção de uma educação ambiental (EA) a partir dos trópicos. Estas proposições estão ancoradas na ideia de que a construção do conhecimento, pode se dar via diferentes práticas didáticas, metodológicas, pedagógicas e curriculares. Neste caso estamos propondo a BA e a BC como princípios epistemológicos orientadores do processo da aprendizagem humana na busca de ruptura com a cultura de dominação de origem patriarcal. Sintetizando: (1) em contrapartida a uma organização curricular hegemonizada pela razão, propomos a BA a BC como pressupostos epistemológicos, para uma organização curricular que tenha o amor como a emoção que nos institui, como seres sociais, capazes de edificar um mundo social e ecologicamente mais justo e (2) uma EA a partir dos trópicos referenciada nos pressupostos filosóficos da ACB que busca romper com a prática subalternizante de copiar e imitar modelos  sem a sua devida contextualização.  As atividades de EA são um momento privilegiado, tanto para ampliar nossas concepções curriculares quanto para criar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sandra Maders, Universidade Federal do Pampa, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria e Professora Adjunta na Universidade Federal do Pampa.

Valdo Barcelos, Universidade Federal de Santa Maria, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina e Professor Titular da Universidade Federal de Santa Maria. 

Referências

ANDRADE, O. Ponta de Lança. Rio de janeiro. Civilização Brasileira, 1972.

ANDRADE. O. Do Pau-Brasil à antropofagia e às utopias. Obras Completas. V.6. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 1970.

________. Estética e Política. São Paulo, Globo, 1992.

BATESON, G. Mente e Natureza – a unidade necessária. Rio de Janeiro. Francisco Alves, 1986.

BARBOSA, I. O. Alternativas emancipatórias em currículo (Orga.) São Paulo: Cortez, 2004.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte. Ed. UFMG, 2003.

BOAVENTURA SANTOS, S. A Crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da experiência, v. 1. São Paulo. Cortez, 2000.

BRANDÃO, C. R. A educação como cultura. Campinas. Mercado Aberto, 2002.

CANCLINI. N.G. Consumidores e Cidadãos. Rio de Janeiro. UFRJ, 2006.

________. Culturas Híbridas. São Paulo. EDUSP, 2003.

CANDIDO. A. Literatura e Sociedade. Estudos de teoria e história literária. São Paulo. T.A. QUEIRÓS, 2000.

CASTRO, E. V. De. Encontros. Rio de Janeiro. AZOUGUE, 2008.

DA MATTA, R. CARNAVAIS, MALANDROS E HERÓIS. Rio de Janeiro. ZAHAR EDITORES, 1979.

FERRAÇO, C. E. Redes entre saberes, espaços e tempos. In: ROSA, D.E.G; SOUZA. V.C. (Orgas.) Políticas Organizativas e curriculares, educação inclusive e formação de professores. Rio de Janeiro. DP&A Editora, 2002.

FLEURI, R. M. Intercultura e Movimentos Sociais. Florianópolis. NUP-UFSC, 1998.

________. Intercultura e Educação. Revista Brasileira de Educação-ANPEd. Editores Associados, Campinas-SP. N.23, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1997.

_______, Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro. PAZ e TERRA, 1970.

_______, Pedagogia da indignação. São Paulo. UNESP, 2000.

GEERTZ, C. O saber Local. VOZES, 2009.

GOMES, R. Crítica da Razão Tupiniquim. Criar. Curitiba, 1981.

GUATTARI, F. As Três Ecologias. São Paulo. Papirus, 1991.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo. Companhia das Letras (Edição comemorativa aos 70 anos), 2006.

LARROSA, J. Literatura, experiência e formação. In: COSTA, M. V. Caminhos investigativos novos olhares na pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

LÜDKE, M.. A complexa relação entre o professor e a pesquisa. En: ANDRÉ, M. E. D.

OITICICA, H. Encontros/Hélio Oiticica. Rio de Janeiro. Beco do Azougue, 2009.

MATURANA, H.R. La realidad: objetiva o construída? Fundamentos biológicos Del conocimiento. Barcelona, 1996.

MATURANA, H.; Reflexões sobre o amor. In:.MAGRO, C; GRACIANO,M; VAZ, N. (Orgs). A ontologia da realidade Belo Horizonte. UFMG, 1997.

----Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte. UFMG, 1998.

----A Ontologia da Realidade. Belo Horizonte. UFMG, 1997.

----Da biologia à psicologia. Porto Alegre. ARTES MÉDICAS, 1998.

MATURANA, R.M.; VERDEN-ZÖLLER,G. Amar e brincar – fundamentos esquecidos do humano. São Paulo. Palas Athena, 2004.

MATURANA, H.R.; VARELA, F. De máquinas e seres vivos – Autopoiese – a organização dos seres vivos. Porto Alegre. Artes Médicas, 1997.

----COGNIÇÃO, CIÊNCIA E VIDA COTIDIANA. Belo Horizonte. UFMG, 2001.

MATURANA, H. & DAVILA, X. Educación desde la matriz biológica de la existencia humana: biología del conocer y biología del amar. www.matriztico.org, Chile: 2005.

MATURANA, H.; VERDEN-ZÖLLER, G. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano do patriarcado à democracia. São Paulo, SP: Palas de Athenas, 2004.

MATURANA, H. R. & VARELA, F. G. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do conhecimento humano. Campinas, SP: Workshopsy, 1995.

MATURANA, H. R. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte, MG: UFMG, 1998.

PORTO-GONÇALVES, C.W. A Globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2006.

PAZ, O. Obras Completas. V. III. México. Fondo de Cultura Econômica, 1994. 13v.

REIGOTA, M. A Floresta e a Escola: por uma educação ambiental pós-moderna. São Paulo. Cortez, 1999.

__________, Trajetórias e Narrativas através da educação ambiental. RJ. DP&A Editora, 2003

RIBEIRO, D. O povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil. São Paulo. Companhia das Letras, 1996.

RIBEIRO, D. Utopia Brasil. São Paulo. HEDRA, 2008.

RIBEIRO, D. Encontros. Rio de Janeiro. Beco do AZOUGUE Editorial, 2008.

SANTIAGO, S. Ora (direis) puxar conversa – ensaios literários. Belo Horizonte. Ed. UFMG, 2006.

___________, S. Uma Literatura nos Trópicos. Rio de Janeiro. ROCCO. 2ª. Ed. 2000.

Downloads

Publicado

31-12-2018

Como Citar

MADERS, S.; BARCELOS, V. EDUCAÇÃO AMBIENTAL E INTERCULTURA: pensando um currículo a partir dos trópicos. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42394. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n11.42394. Acesso em: 18 jul. 2024.