A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E OS CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA NO ESTADO DE MATO GROSSO

Kelly Katia Damasceno, Benedito de Jesus Pinheiro Ferreira

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar a maneira como a proposta curricular na rede estadual mato-grossense se vincula à política de organização do trabalho pedagógico a partir dos ciclos de formação humana. São empregadas as refêrenciais fundamentais da pedagogia histórico-crítica, isto é, toma-se como referência pedagógica fundamental o princípio da humanização como assimilação dos elementos clássicos da cultura humana. Os dados apresentados provêm da análise documental das Orientações Curriculares do Estado de Mato Grosso (OC´s) e das respostas de 31 (trinta e um) professores que responderam a um questionário aplicado em agosto de 2017, em quatro (04) escolas da rede estadual de educação, no município de Cuiabá/MT. A partir desse levantamento procurou-se analisar os aspectos conceituais relevantes da proposta curricular voltados à promoção da humanização, via ação intencional voltada à assimilação dos conhecimentos científicos, artísticos e filosóficos, efetiva forma de compromisso político que se entende que deve estar presente na escola organizada por ciclos de formação humana. A partir do estudo realizado, foi possível desvelar algumas fragilidades acerca da consistência do documento oficial de referência curricular do Estado de Mato Grosso e dos vínculos com a prática pedagógica.


Texto completo:

PDF

Referências


DUARTE, Newton. Vigotski e o “Aprender a Aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 2. ed. rev. e ampliada. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

FREITAS, Luiz Carlos de. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas, SP: Papirus, 1995.

GAMA, Carolina N., DUARTE, Newton. Concepção de currículo em Dermeval Saviani e suas relações com a categoria marxista de liberdade. Interface (Botucatu). 2017; 21(62):521-30.

GORODICT, Clarice; SOUZA M.C. O complexo temático. In: SILVA, L. H. (org). Escola cidadã – teoria e prática. 5. ed. Petrópolis: 2004.

KUENZER, Acácia. Z. Ensino Médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez, 2000.

MALANCHEN, Julia. A pedagogia histórico-crítica e o currículo: para além do multiculturalismo das políticas curriculares nacionais [tese]. Araraquara (SP): Universidade Estadual Paulista; 2014.

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. Tradução e Introdução de Florestan Fernandes. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular. 2008. 288 p.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares: Concepções para a Educação Básica. Cuiabá: Defanti, 2010a.

______________________________________________. Orientações Curriculares: Área da Linguagem. Cuiabá: Defanti, 2010b.

PISTRAK, M.M. Fundamentos da escola do Trabalho: uma pedagogia social. São Paulo: Expressão Popular, 2011. (Tradução de Daniel Aarão Filho).

PRESTES, Zoia Ribeiro. Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

ROCHA, Silvio (Org.). Ciclos de formação: a proposta político-pedagógica da escola cidadã. Coleção Cadernos Pedagógicos SMED, v.9, Secretaria Municipal de Porto Alegre, 1996.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. Campinas: Autores Associados, 2008.

__________________. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2013a.

__________________. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013b.

VIGOTSKY, Lev S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n2.40724

Direitos autorais 2019 Revista Espaço do Currículo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.





Este periódico está indexado nas bases:



Licença Creative Commons
A Revista Espaço do Currículo, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.