UM CORPO QUE SUFOCA: CULTURA, BIOPODER E ESTEREOTIPAGEM NO CURTA “O DIA EM QUE DORIVAL ENCAROU A GUARDA”

A SUFFOCATING BODY: CULTURE, BIOPOWER AND STEREOTYPING IN THE SHORT FILM “O DIA EM QUE DORIVAL ENCAROU A GUARDA”

Palavras-chave: Biopoder, Estudos Culturais, Cinema, Estereotipagem, Corpo sem Órgãos

Resumo

Neste artigo buscamos dialogar com o curta-metragem brasileiro "O Dia em que Dorival Encarou a Guarda” (1986), dirigido por Jorge Furtado e José Pedro Goulart, objetivando compreender os processos de significação em torno da diferença racial e o que ela pode nos dizer sobre a noção de estereotipagem como política de representação. Para tanto, lançando mão da “etnografia de tela” (RIAL, 2004; BALESTRIN & SOARES, 2011), trazemos para o debate as problematizações foucaultianas sobre biopoder, na qual a função do racismo é regular a distribuição da morte e tornar possíveis as funções do Estado mediante a divisão dos corpos que devem morrer e os que devem viver. Assim, dialogamos com os Estudos Culturais em Educação, destacando o conceito de “estereotipagem” (HALL, 2016), bem como evidenciamos, à luz das reflexões sobre “Corpo sem Órgãos”  (DELEUZE & GUATTARI, 2011) e “corpo utópico” (FOUCAULT, 2014), os agenciamentos produzidos em uma nova política de resistência diante dos processos de subjetivação sistematizados pelo Estado, conforme narrativa do curta-metragem. Assim, comprendemos que é na luta contra o Organismo que insiste em enquadrar a sua vida, em meio a um sorriso que sutilmente anuncia o refrigério de sua conquista, que Dorival produz potências desestabilizadoras cheias de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcidesio Oliveira da Silva Junior, Universidade Federal da Paraíba

Mestrando em Educação pela Universidade Federal da Paraíba, membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Culturais e Arte/Educação (GPCAE) e do Laboratório de Experiência, Visualidade e Educação (LEVE/UFPE). ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5536-064x. E-mail: ateneu7@gmail.com

Ana Paula Abrahamian de Souza, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Professora Adjunta do Departamento de Educação da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Vice-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Culturas e Identidades (PPGECI-UFRPE/FUNDAJ) e Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Estudos Culturais e Arte/Educação (GPCAE). ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4321-3458. E-mail: apabrahamian@hotmail.com

Fabiana Souto Lima Vidal, Colégio de Aplicação/Universidade Federal de Pernambuco

Professora de Artes Visuais do Colégio de Aplicação da UFPE. Vice-coordenadora do Programa Associado de Pós-Graduação em Artes Visuais UFPE/UFPB. Integrante da Rede de Representantes da Federação de Arte/Educadores do Brasil - FAEB/PE - (biênio 2019-2020). Líder do Grupo de Pesquisa em Estudos Culturais e Arte/Educação (GPECAE). ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0439-7378. E-mail: fabiana.vidal@uol.com.br

Referências

BALESTRIN, Patrícia Abel; SOARES, Rosângela. “Etnografia de tela”: uma aposta metodológica. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012, p. 87-109.

COSTA, Marisa Vorraber. Ensinando a dividir o mundo – as perversas lições de um programa de televisão. Revista Brasileira de Educação, n. 20, maio/jun/jul/ago. 2002.

DELEUZE, Gilles. F comme fidelité. Entrevista concedida a Claire Parnet. L’Abécésaire de Gilles Deleuze: uma realização de Pierre-André Boutang, produzido pelas Éditions Montparnesse, Paris. 1988-1989. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=sFOgYz2n3pU>. Acesso em: 23 jun. 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia (Vol. 1) Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia (Vol. 3) Tradução de Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2012. V. 3.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1988.

ELLSWORTH, Elisabeth. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de Brasília. Brasília, 2006.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A Vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hupert L.; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade. Curso no Collége de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos V – Ética, sexualidade e política. Tradução de Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, p. 288-293.

FOUCAULT, Michel A Hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico: as heterotopias. Tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: Edições n-1, 2013.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 42 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

GOMES, Paulo Augusto. Godard e a educação do olhar. In: COUTINHO, Mário Alves; MAYOR, Ana Lúcia (Orgs.). Godard e a educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013, p. 51-67.

GUTFREIND, Cristiane Freitas. O filme e a representação do real. E-compós, v. 6, 01-12, 2006.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Tradução de Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2016.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 12 ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Conhecer, pesquisar, escrever...Educação, Sociedade & Culturas, n. 25, p. 235-245, 2007.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PARAÍSO, Marlucy. Fazer do caos uma estrela dançarina no currículo: invenção política com gênero e sexualidade em tempos do slogan “ideologia de gênero”. In: PARAÍSO, Marlucy; CALDEIRA, Maria Carolina da Silva. Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018, p. 23-52.

RIAL, Carmen Silvia. Antropologia e mídia: breve panorama das teorias de comunicação. Antropologia em primeira mão, n.1, p. 04-67, 2004.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 73-102.

TADEU, Tomaz. A filosofia de Deleuze e o currículo. Goiânia: Faculdade de Artes Visuais, 2004.

VEIGA-NETO, Alfredo. Michel Foucault e os Estudos Culturais. In: COSTA, Marisa Vorraber; VEIGA-NETO, Alfredo et al. (Orgs.). Estudos Culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... 2 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004, p. 37-69.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 7-72.

Publicado
2020-07-30
Como Citar
OLIVEIRA DA SILVA JUNIOR, A.; ABRAHAMIAN DE SOUZA, A. P.; SOUTO LIMA VIDAL, F. UM CORPO QUE SUFOCA: CULTURA, BIOPODER E ESTEREOTIPAGEM NO CURTA “O DIA EM QUE DORIVAL ENCAROU A GUARDA”. Revista Temas em Educação, v. 29, n. 2, 30 jul. 2020.
Seção
DOSSIÊ – EXPRESSÕES EDUCATIVAS E CULTURAIS NO ESPAÇO DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE