PENSAR O CÓDIGO DISICPLINAR

possibilidades de recomposição do mosaico curricular das disciplinas escolares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i2.65426

Palavras-chave:

Código Disciplinar, Currículo, Disciplinas Escolares

Resumo

Este trabalho analisa, os fundamentos da formação da categoria Código Disciplinar no pensamento de Raimundo Cuesta Fernández e as suas possibilidades investigativas que partindo da História se estendem a outras disciplinas no exercício de pensar as construções curriculares. Na primeira parte, examina-se a formação da categoria Código Disciplinar realizada por Cuesta Fernández desde os trabalhos de Ivor Goodson, André Chervel e Ulf Lundgren. Na segunda parte, analisam-se dissertações e teses que se serviram dessa categoria em suas investigações, seja na disciplina de História, seja em outras disciplinas. Para tanto, é realizada uma pesquisa bibliográfica e um estudo comparativo do levantamento realizado na plataforma de dados que compõem o acervo do Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Como resultado, constata-se o potencial elucidativo exercido pelo Código Disciplinar em face das apropriações dos pesquisadores brasileiros de aspectos dessa categoria em suas averiguações. Não obstante, verifica-se que o emprego adequado do Código Disciplinar exige a compreensão da sutil trama intersubjetiva e dialética entre as ações dos sujeitos nas escolas em contraste com os anseios políticos, sociais e econômicos da sociedade ao longo do tempo. Por fim, averigua-se que a apropriação do Código Disciplinar confere a imprescindibilidade de constituição de um arco temporal analítico que construa um quadro sinótico da realidade das práticas educativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sandra Regina Ferreira de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas e Professora da Universidade Estadual de Londrina. 

Luciana de Aquino, Secretaria Municipal de Educação de Ourinhos, São Paulo, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Londrina e Professora Rede Municipal de Ensino de Ourinhos, São Paulo, Brasil.

Referências

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Trad. Cesar Augusto R. de Almeida, Antônio Abranches e Helena Franco Martins. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

ALVES, Raquel da Silva. Formas de contar a História: ensino de História na escola primária cearense nas décadas de 1920/30. Orientadora: Meize Regina de Lucena Lucas. 2015. 283 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Ceará – UFC, Ceará, 2015.

BITENCOURT, Paulo Raphael Siqueira. A pergunta que ensina: um livro didático de História do Brasil para os exames de admissão (1954-1971). Orientadora: Ana Maria Ferreira da Costa Monteiro. 2015. 156 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Rio de Janeiro, 2015.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares. Teoria & Educação, Porto Alegre: Pannonica, n. 2, p. 177-229, 1990.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Retificada em 18 ago. 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5692.htm. Acesso em: 18 nov. 2022.

CUESTA FERNÁNDEZ, Raimundo. Sociogénesis de una disciplina escolar: la historia. Edición original en Pomares-Corredor, Barcelona, 2009. Disponível em: http://www.nebraskaria.es/wp-content/uploads/2016/09/Sociog%C3%A9nesis...-.pdf. Acesso em: 18 nov. 2022.

CUESTA FERNÁNDEZ, Raimundo. El código disciplinar de la historia escolar em España: algunas ideas para la explicación de la sociogénesis de una materia de enseñanza. Encounters on Education, v. 3, p. 27-41, 2002. Disponível em: https://ojs.library.queensu.ca/index.php/encounters/article/view/1721. Acesso em: 18 nov. 2022.

CUESTA FERNÁNDEZ, Raimundo. El código disciplinar de la Historia. Tradiciones,discursos y prácticas sociales de la educación histórica en España (siglos XVIII-XX). 1997. 714 f. Orientador: José María Hernández Díaz Tese (Doutorado em História) Faculdade de Educação da Universidade de Salamanca – USAL, Salamanca - Espanha, 1997. Disponível em: http://www.nebraskaria.es/wp-content/uploads/2016/08/Tesis-de-R.-Cuesta.pdf Acesso em: nov. 2022.

ECO, Umberto. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

GÖEDERT, Rosicler Terezinha. A cultura jovem e as suas relações com a educação física escolar. Orientadora: Maria Auxiliadora Schmidt. 2005. 156 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2005.

GOODSON. Ivor F. La construcción social del currículum. Posibilidades y ámbitos de investigación de la historia del currículum. Revista de Educación, n. 295, p. 7-57, 1991.

GEVAERD, Rosi Terezinha Ferrarini. História do Paraná: a construção do código disciplinar e a formação de uma identidade paranaense. Orientadora: Maria Auxiliadora Moreira dos Santos Schmidt. 2003. 189 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2003.

LUNDGREN, Ulf Paul. Teoría del curriculum y escolarización. Madrid: Ed. Morata, 1992.

MENDES, Naldemir Maria. A Filosofia no Ensino Fundamental na perspectiva das pesquisas discentes. Orientador: Geraldo Balduíno Horn. 2006. 146 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2006.

MORENO, Jean Carlos. Quem somos nós? Apropriações e Representações Sobre a(s) Identidade(s) Brasileira(s) em Livros Didáticos de História (1971, 2011). Orientador: Milton Carlos Costa. 2013. 380 f. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Assis, 2013.

ROCHA, Elisabete. A Filosofia como disciplina escolar: perspectivas e caminhos de sua curricularização na rede municipal de ensino de Curitiba. Orientador: Geraldo Balduino Horn. 2010. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2010.

SAGATIO, Sandra Guimarães. A constituição da disciplina Prática Pedagógica B na formação de pedagogos e professores nas séries iniciais do ensino fundamental na Universidade Federal do Paraná (1980-2010). Orientadora: Leilah Santiago Bufrem. 2014. 276 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2014.

SENRA, Luciana Xavier; LOURENÇO, Lélio Moura. A importância da revisão sistemática na pesquisa científica. In: BAPTISTA, Makilim Nunes; CAMPOS, Dinael Corrêa de. Metodologias de Pesquisa em Ciências: análises quantitativa e qualitativa. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

URBAN, Ana Claudia. Didática da História: percursos de um código disciplinar no Brasil e na Espanha. Orientadora: Maria Auxiliadora Moreira dos Santos Schmidt. 2009. 246 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2009.

Downloads

Publicado

06-06-2023

Como Citar

OLIVEIRA, S. R. F. de; AQUINO, L. de. PENSAR O CÓDIGO DISICPLINAR: possibilidades de recomposição do mosaico curricular das disciplinas escolares. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 1–18, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i2.65426. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec/article/view/65426. Acesso em: 14 jul. 2024.