DA MODERNIDADE DESENCANTADA AOS REENCANTAMENTOS POSSÍVEIS

as criações curriculares cotidianas e seus encantamentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i2.67235

Palavras-chave:

Reencantamento do mundo, Cotidianos escolares e criações curriculares, Pesquisa com os cotidianos

Resumo

Pensar o reencantamento do mundo e a relevância das criações curriculares cotidianas nesse processo exige recorrermos ao fenômeno e ao processo de desencantamento do mundo de modo a poder tecer uma reflexão que aborde diferentes aspectos do debate, inserindo-os no debate curricular. Assim sendo, este artigo recorre ao pensamento weberiano sobre o desencantamento produzido na e pela racionalidade moderna e ao diálogo deste com algumas das formulações de possibilidades do reencantamento. Por meio de extensa pesquisa bibliográfica, percorrem-se as diferentes contribuições para a reflexão sobre este, de Morin e Prigogine com a compreensão do reencantamento pela renovação da ciência, a Krenak e Gudynas, que preconizam uma nova relação com a natureza, e a Maffesoli e sua compreensão da renovação das sociabilidades e recurso às tecnologias como reencantamentos em curso. Importante ressaltar a contribuição de Boaventura de Sousa Santos, tanto pela relação que estabelece entre o reencantamento do mundo e a vida cotidiana – fundamental para pensar as criações curriculares – quanto por sua abordagem mais ampla, que dialoga com todas as já referidas, e com o campo do currículo.  Em sua parte final, com base nas diferentes contribuições elencadas, o texto examina brevemente algumas criações curriculares narradas em trabalhos acadêmicos no campo da pesquisa com os cotidianos das escolas, nas quais se podem encontrar contribuições à reflexão sobre o tema, bem como iniciativas relevantes de contribuição possível das escolas e daquilo que nelas se cria para o reencantamento do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Inês Barbosa de Oliveira, Universidade Estácio de Sá, Brasil.

Doutora em Sciences Et Théories de L'éducation pela Université de Sciences Humaines de Strasbourg e professora adjunta do Programa de pós-graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá.

Referências

ALVES, Nilda. Práticas pedagógicas em imagens e narrativas: memórias de processos didáticos e curriculares para pensar as escolas hoje. São Paulo: Cortez, 2019.

BRUNO, Giordano. Tratado da Magia. Tradução e Notas Rui Tavares. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

COHN, Gabriel (Org.). Weber. São Paulo: Ática: 1986.

EMILIÃO, Soymara Vieira. Vida de Professora: currículos como romance em escolas públicas do estado do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), 2022.

GUDYNAS, Eduardo. Direitos da natureza: ética biocêntrica e políticas ambientais. São Paulo: Elefante, 2019

HABERMAS, Jurgen. Técnica e ciência como ideologia. Lisboa: Edições Setenta, s.d.

HABERMAS, Jurgen. Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Brasiliense, 1981.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1985.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Cia das Letras, 2020.

KRENAK, Ailton. Desnaturada. In: KRENAK, . PIÚBA, F. (orgs.) Desnaturada: cultura e natureza. Fortaleza: SeCult Ceará, 2022. Disponível em: https://www.secult.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/43/2023/01/Livro-Desnaturada-2022.pdf. Acesso em: 16/12/20232.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Petrópolis: Vozes, 1998.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MAFFESOLI, Michel. Le reenchantement du monde: une éthique pour notre temps. Paris: Perrin, 2009.

MAFFESOLI, Michel. Qui êtes-vous, Michel Maffesoli: entretiens avec Christophe Bourseiller. Paris: Bourin Éditeur, 2010.

MASKE, Jefferson. Currículos favelados: um relato de hibridismo e criação curricular na, da e com a favela. Dissertação (Mestrado em Educação) – Escola de Educação, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2021.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

MOCELLIM, Alan Derazeli. D. O Reencantamento do Mundo: considerações preliminares. Texto apresentado na 35ª Reunião Anual da ANPOCS, agosto 2011. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/papers-35-encontro/gt-29/gt24-17/1100-o-reencantamento-do-mundo-consideracoes-preliminares/file. Acesso em: 18/06/2023.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

MORIN, Edgar. Amor, poesia e sabedoria. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia: ou helenismo e pessimismo. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PIERUCCI, Antônio Flávio. O desencantamento do mundo: todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo: Editora 34, 2003.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: UNESP, 1996.

PRIGOGINE, Ilya; STENGERS, Isabelle. A nova aliança: a metamorfose da ciência. Brasília: UNB, 1997.

SANTOS, Boaventura de Sousa. S. Introdução a uma ciência pós-moderna. Porto: Afrontamento, 1989.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Por uma Sociologia das Ausências e uma Sociologia das Emergências. In: ______. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez 2004. p. 777-823.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Epistemologias do Sul. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, março 2008: 5-10.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 31-83.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O Fim do Império Cognitivo. Coimbra: Almedina, 2018.

SGARBI, Paulo. Para uma epistemomagia do cotidiano. In SGARBI, P. Avaliação pensadasentida a partir de uma epistemomagia do cotidiano. Rio de Janeiro: Uerj. (Tese de doutorado), 2005.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte, Autêntica, 1999.

THIRY-CHERQUES. Hermano Roberto. Max Weber: o processo de racionalização e o desencantamento do trabalho nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro: FGV-EBAPE. Rio de Janeiro 43(4): 897-918, jul./ago, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rap/a/rFvYFthDCqtFKqPZVBydTsH/. Acesso em: 18/06/2023.

WEBER, Max. Consideração Intermediária: teoria dos graus e orientações da rejeição religiosa do mundo. In: Sociologia das religiões e consideração intermediária. 1ª ed. Lisboa: Relógio D’água, 2006.

Downloads

Publicado

29-08-2023

Como Citar

OLIVEIRA, I. B. de . DA MODERNIDADE DESENCANTADA AOS REENCANTAMENTOS POSSÍVEIS: as criações curriculares cotidianas e seus encantamentos. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 1–18, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i2.67235. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec/article/view/67235. Acesso em: 18 jul. 2024.