O JOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA AO SIGNIFICADO PEDAGÓGICO

Autores

  • Eliane Gomes Silva Instituto Superior de Educação Origenes Lessa - ISEOL
  • Mauro Betti Universidade Estadual Paulista - Campus de bauru

Resumo

Tendo como pressuposto a importância do jogo na Educação Infantil, o objetivo deste artigo é fundamentar o jogo como experiência estética, pois a partir daí é possível concretizá-lo como espaço construção pedagógica na educação das crianças. Refletimos, desse modo, sobre a qualidade da uma prática pedagógica que prioriza o jogo como circunstância de ação, capaz de propiciar às crianças o conhecimento sensível de si, do outro e do mundo, ou seja, a experiência estética. Entendemos que compreender o jogo como experiência estética e espaço pedagógico na Educação Infantil exige entendê-lo como fenômeno fundamentalmente coincidente com a capacidade de movimentar-se das crianças, pois o movimento expressivo, em uma perspectiva fenomenológica, permite às crianças dialogar com os outros e consigo mesmas a partir deste modo específico de produzir linguagem: sendo corpo em movimento. Conclui-se que conferir ao jogo e ao movimento o estatuto de substrato da experiência é fonte para designar qualidades pedagógicas às experiências educativas das crianças, e propõe-se o jogo como base de todo processo pedagógico na Educação Infantil, na medida em que se manifesta como e significação e, portanto, em aprendizagem.

 

Palavras-chave: Jogo. Educação Infantil. Experiência. Estética. Movimento Humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Gomes Silva, Instituto Superior de Educação Origenes Lessa - ISEOL

É licenciada em Educação Física pela Universidade Federal de Mato Grosso, mestre em Educação Física
pela Universidade Federal de Santa Catarina (área: Teoria e Prática Pedagógica), e doutora em Educação
pela Universidade de São Paulo (área: Didática, Teorias do Ensino e Práticas Escolares).

Referências

ABRAMOWICZ, A.; LEVCOVITZ, D.; RODRIGUES, T. Infâncias em educação infantil. Pró-Posições, Campinas, v. 20, n. 3, p. 179-197, set./dez. 2009.

ARAUJO, L. Ontologia do movimento humano. 2010. Tese (Doutorado em Educação Física) – Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para Educação Infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez, 2004.

BUYTENDIJK, U. F. J. O jogo humano. In: GADAMER, H. G.; VOGLER, P. (Org.). Nova antropologia: o homem em sua existência biológica, social e cultural. São Paulo: EPU, EDUSP, 1977. v. 4. (Antropologia cultural). p. 63-84.

CAETANO, K. Os modos do sensível. Revista Galáxia, São Paulo, n. 12, p. 131-137, dez. 2006.

CORSARO, W. A. A reprodução interpretativa no brincar ao “faz-de-conta” das crianças. Educação, sociedade e culturas. Porto, n. 17, p. 113-134, 2002.

DUNNING, E. La dinámica del deporte moderno: notas sobre la búsqueda de triunfos y la importancia social del deporte. In: ELIAS, N.; DUNNING, E. (Ed.). Deporte y ocio en el processo de la civilizacion. México, D.F.: Fondo de Cultura Económica, 1992. p.110-132.

ECO, U. Sobre os espelhos e outros ensaios. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

FENSTERSEIFER, P. E. Esporte na contemporaneidade: uma experiência de fronteira. In: REZER, R. (Org.). O fenômeno esportivo: ensaios críticos e reflexivos. Chapecó: Argos, 2006.

GOMES-DA-SILVA, E. Educação (física) infantil: a experiência do se-movimentar. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

_____. Movimento e Educação Infantil: uma pesquisa-ação na perspectiva semiótica. 2012. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FERRARA, L. D. Espaços comunicantes. São Paulo: Annablume, 2007.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1996.

KUNZ, E. Educação física: ensino & mudanças. Ijuí: Ed. Unijuí, 1991.

_____. Transformação didático-pedagógica do esporte. 4. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2001.

_____. Práticas didáticas para um “conhecimento de si” de crianças e jovens na educação física. In:______. (Org.). Didática da educação física. 2. ed. Ijuí: Ed. Unijui, 2004. p. 15-52.

LARROSA BONDÍA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

LIMA, J. M. de. O jogo como recurso pedagógico no contexto educacional. São Paulo: Cultura Acadêmica; Universidade Estadual Paulista, 2008.

MUNARIN, I. Brincando na escola: o imaginário midiático na cultura de movimento das crianças. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

SANT’AGOSTINO, L. H. F. Rumo ao concreto. 2001. Tese (Doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

SANTOMÉ, J. T. El juego en las instituciones escolares: discursos explícitos y ocultos. In: I JORNADA SOBRE DESAFIOS DEL JUGUETE EM EL SIGLO XXI: La escuela, el juego y el juguete. Valencia: FEJU, AIJU, EFJ, 1999, p. 31-45.

SINGER, D. G.; SINGER, J. L. Brincadeiras: seu início e suas etapas, imaginação e jogos na era eletrônica. São Paulo: Artmed, 2007.

TAMBOER, J. Sich-Bewegen - ein Dialog Zwischen mensch und welt. Sportpädagogik, Hamburg, v. 3, n. 2, p. 14-19, März, 1979.

TREBELS, A. A concepção dialógica do movimento humano: uma teoria do “Se-movimentar”. In: KUNZ, E.; TREBELS, A. H. (Org.). Educação física crítico-emancipatória: com uma perspectiva da pedagogia alemã do esporte. Ijuí: Ed. Unijuí, 2006. p. 23-48.

Downloads

Publicado

2016-12-22

Como Citar

SILVA, E. G.; BETTI, M. O JOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA AO SIGNIFICADO PEDAGÓGICO. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 25, p. 34–50, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/24219. Acesso em: 28 set. 2021.