QUATRO DÉCADAS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DO DISCURSO AMBIENTAL

lógicas integrativas e restaurativas em currículos educativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.43815

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Currículo, Lógica Integrativa, Lógica Restaurativa

Resumo

OA partir das críticas tecidas à institucionalização do discurso ambiental no currículo dos processos escolares de aprender-ensinar, apresentamos o número intitulado "Quatro décadas de institucionalização do discurso ambiental – lógicas integrativas e restaurativas em currículos educativos". O número tem como diferencial o objetivo de promover o diálogo e o debate sobre temáticas que estão associadas à configuração integrativa e restaurativas do discurso ambiental atual associada aos currículos. Ambas lógicas integrativa e restaurativas - não se configuram como algo excludente, ao contrário se inscrevem nas duas perspectivas, reciprocamente. De modo que os textos aqui apresentadas desafiam as expressões e compreensões de currículo, na mesma medida em que questionam a posição das escolas e das universidades ao repensar o ambiente desde diferentes epistemologias, atores sociais, natureza e animais não-humanos enquanto sujeitos de direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisca Marli Rodrigues de Andrade, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Doutora em Educação, Cultura da Sustentabilidade e Desenvolvimento pela Universidade de Santiago de Compostela, Espanha. Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense.

Fábio Alves Gomes de Oliveira, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Professor Adjunto de Filosofia da Educação da Universidade Federal Fluminense.

Referências

ANDRADE, F. M. R.; CARIDE, J. A. Educação Ambiental e formação docente na Amazônia brasileira: contextos universitários e realidades cotidianas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 55, p. 1598-1618, dez., 2017.

CARIDE, J. A.; MEIRA, P. Educación Ambiental y desarrollo humano. Barcelona: Editorial Ariel, 2001.

CARSON, R. Primavera Silenciosa. São Paulo: Editora Gaia ltda, 2010.

FOUCAULT, M. Hay que defender la sociedad. Madrid: Ediciones Akal, 2003.

LEIS, H.R.; D’ AMATO, J.L. O ambientalismo como movimento vital: análise de suas dimensões histórica, ética e vivencial. In CAVALCANTI, C. (Org.). Desenvolvimento e Natureza: estudos para uma sociedade sustentável (pp. 77-103). São Paulo: Cortez, 1995.

MOLL, A. From sacracity to sustainability. Frankfurt: Peter Lang, 1991.

OLIVEIRA, F.A.G. O lugar do cuidado na construção de um veganismo crítico-interseccional. In OLIVEIRA, F.A.G. DIAS, M.C. (Org). Ética Animal: Um Novo Tempo (p.33-53). Rio de Janeiro: Livros Ilimitados, 2018.

REIGOTA, M. A floresta e a escolar: por uma educação ambiental pós-moderna. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SAMPAIO, S. M.; GUIMARÃES, L. B. O dispositivo da sustentabilidade: pedagogias no contemporâneo. Perspectiva, v. 30, n. 2, p. 395-409, 2012.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução as teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica: 2011.

Downloads

Publicado

31-12-2018

Como Citar

ANDRADE, F. M. R. de; OLIVEIRA, F. A. G. de. QUATRO DÉCADAS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DO DISCURSO AMBIENTAL : lógicas integrativas e restaurativas em currículos educativos. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.43815. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/43815. Acesso em: 18 jul. 2024.