EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM MIRADAS INTEGRATIVAS E RESTAURATIVAS

currículos educativos na Amazônia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.41937

Palavras-chave:

Educação Ambiental, A Amazônia Brasileira, Currículos Escolares

Resumo

As políticas públicas em Educação Ambiental são pensadas e elaboradas em contextos diversos, alguns deles bem distante da realidade amazônica. No entanto, é na escola que as normatizações curriculares, por meio de disputas e negociações, ganham certa aproximação aos atores sociais e, portanto, se “materializam” na vida cotidiana. Nesse sentido, a escola constitui-se enquanto espaçotemposocial no qual saberes e práticas ambientais são confrontadas diariamente. É nesse espaçotempo que os docentes são desafiados a dialogar com a realidade, recorrer às lógicas integrativas e restaurativas para contextualizar a história, a cultura e a vida amazônica. Logo, o desafio persiste em integrar ao currículo a experiência social da comunidade e, desta forma, desestabilizar a padronização curricular. Pensar essa experiência social supõe (re)conhecer as práticas educativas escolares que ressignificam a Educação Ambiental nos currículos das escolas na Amazônia brasileira, em particular, na rede municipal de Castanhal-Pará. Nos desdobramentos metodológicos adotamos as contribuições da pesquisa qualitativa, precisamente da Teoria das Representações Sociais (TRS) na sua abordagem etnográfica. Recorremos ao questionário, complementado por dois grupos de discussão e pela observação para coletar as informações da pesquisa, na qual participaram 121 docentes. Os resultados mais significativos indicam que a abordagem da Educação Ambiental é orientada, principalmente, pelas concepções naturalistas de ambiente. Revelam, também, um movimento social entre os docentes que questionam essas concepções e, portanto, reivindicam outras lógicas frente ao currículo e aos desafios ambientais inerentes à região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisca Marli Rodrigues de Andrade, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Doutora em Educação, Cultura da Sustentabilidade e Desenvolvimento pela Universidade de Santiago de Compostela, Espanha. Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense.

Referências

ANDRADE, Francisca Marli R. Educação Ambiental na Amazônia: um estudo sobre as representações sociais dos pedagogos, nas escolas da rede pública municipal de Castanhal- Pará (Brasil). Tese de doutorado. Universidade de Santiago de Compostela (USC), 2014a.

_____. Educación Ambiental na Amazonía: das representacións sociais ás prácticas pedaxógicas cotiás. Revista Ambientalmente Sustentable, La Coruña, v. 2, n. 18, p. 49-64, 2014b.

_________. Natureza Amazônica e Educação Ambiental: identidades, saberes docentes e representações sociais. Revista Científica RUNAE, Javier Loyola, v. 01, p. 51-70, 2017.

ANDRADE, Francisca Marli. R.; CARIDE, José Antonio. Educação Ambiental na Amazônia brasileira: participação e reclamos sociais em tempos pós-hegemônicos. Revista Espacios Transnacionales, Ciudad de México, v. 4, n. 7, p. 34-48, 2016.

_________. Educação Ambiental e formação docente na Amazônia brasileira: contextos universitários e realidades cotidianas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 55, p. 1598-1618, dez., 2017.

ARAÚJO, Sônia Maria Silva. A construção do sujeito e a diversidade (ameaçada) da Amazônia. Revista Múltiplas Leituras, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 39-49, 2009.

BOONEN, Petronella Maria; MARQUES, Mariana Pasqual. Por uma justiça que instaura direitos – O desenvolvimento da Justiça Restaurativa no Brasil. In: MERLINO, Tatiana; MENDONÇA, Maria Luisa (Org.). Direitos Humanos no Brasil 2011: Relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. São Paulo: Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, 2011, p. 149-153.

FOUCAULT, Michel. Hay que defender la sociedad. Madrid: Ediciones Akal, 2003.

FRAXE, T. P.; WITKOSKI, A. C.; MIGUEZ, S. F. O ser da Amazônia: identidade e invisibilidade. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 61, n. 3, p. 30-32, 2009.

GODOY, Ana; AVELINO, Nildo. Educação, meio ambiente e cultura: alquimias do conhecimento na sociedade de controle. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 327-351, 2009.

GUARESCHI, Pedrinho A. Representações sociais e ideologia. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, [Edição Especial Temática], p. 33-46, 2000.

JODELET, Denise. La representación social: fenómenos, conceptos y teoría. In: MOSCOVICI, S. (org.). Psicología Social, II. Pensamiento y vida social. Psicología social y problemas sociales. Barcelona: Paidós, 1985, p. 469-494.

LOUREIRO, Violeta Refkalefsky. Amazônia: uma história de perdas e danos, um futuro a (re)construir. Estudos Avançados, São Paulo, v. 16, n. 45, p. 107-121, 2002.

MOSCOVICI, Serge. El psicoanálisis su imagen y su público. Buenos Aires: Huemul, 1979.

_____. Representações sociais: investigações em psicologia social. 7a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

PELICIONI, Andrea Focesi; Ribeiro, Helena. Capacitação, representação social e prática em Educação Ambiental. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, Rio de Janeiro, n. 2, p. 21-24, 2005.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Amazônia: encruzilhada civilizatória: tensões territoriais em curso. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2017.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental? (2a. ed.). São Paulo: Brasiliense, 2009.

_____. A floresta e a escolar: por uma educação ambiental pós-moderna. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, Tomaz Tadeu. Escuela, conocimientos y curriculum: ensayos críticos. Buenos Aires: Miño y Dávila editores S.R.L., 1995.

_____. Espacios de identidad: nuevas versiones sobre el currículum. Barcelona: Octaedro, 2001.

SPINK, Peter Kevin; ALVES, Mário Aquino. O campo turbulento da produção acadêmica e a importância da rebeldia competente. O&S, Salvador, v. 18, n. 57, p. 337- 343, 2011.

TERRÓN, Esperanza. Horizontes de la educación ambiental. Un estudio de representaciones sociales. In: CALIXTO-FLORES, Raúl. (Org.). En la búsqueda de los sentidos y significados de la educación ambiental: aportaciones iberoamericanas. México: UPN, 2012, pp. 129-148.

TRISTÃO, Marta. Saberes e fazeres da educação ambiental no cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, [Novembro], p. 47- 55, 2004.

TUKANO, Álvaro. O mundo Tukano antes dos brancos: um mestre Tukano. V. I. Brasília: AYÓ – Instituto de Ciências e Saberes para o Etnodesenvolvimento, 2017.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma Antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu Editora, n –I edições, 2018.

XAVIER, Roseane. Representações sociais e ideologia: conceitos intercambiáveis?. Psicologia & Educação, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 18-47, 2002.

Downloads

Publicado

31-12-2018

Como Citar

ANDRADE, F. M. R. de. EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM MIRADAS INTEGRATIVAS E RESTAURATIVAS: currículos educativos na Amazônia. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.41937. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n11.41937. Acesso em: 18 jul. 2024.