AS ORIENTAÇÕES CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO

uma análise da área da linguagem

Palavras-chave: Ensino Médio, Orientações curriculares, Linguagens

Resumo

O presente estudo tem o objetivo analisar as Orientações Curriculares Nacionais para o ensino médio (OCNem). Foram realizadas a análise documental dessas orientações e a de outros documentos relacionados ao processo de reforma do ensino médio, tais como os Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino médio (PCNem) e as Orientações Curriculares Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+). As OCNem constituem-se como parte da reforma do ensino médio no Brasil, que foi iniciada com a publicação dos PCNem e das Diretrizes Curriculares Nacionais para o ensino médio. Sendo assim, apresentam continuidades e rupturas com esta política curricular. Percebeu-se, deste modo, que as OCNem apresentam um forte conteúdo híbrido em relação às concepções teóricas que fundamentaram sua elaboração.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Néri Emílio Soares Júnior, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade de Brasília e professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás.

Ana Cristina Viera Lopes Romeiro, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade de Brasília e professora da Rede Estadual de Ensino do distrito Federal.

Referências

BERNADIM, M. L.; SILVA, M. R. Políticas Curriculares para o Ensino Médio e para a Educação Profissional: propostas, controvérsias e disputas em face das proposições do Documento Referência da Conae 2014. Jornal de Políticas Educacionais. Curitiba, n. 16, julho-dezmbro, 2014.

BERNSTEIN, B. Estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Editora Vozes, 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Resolução n. 3, de 26 de junho de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF. 1998.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nºs 1/92 a 46/2010 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nºs 1 a 6/94. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Básica/MEC, 1999a.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Básica/MEC, 1999b.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Básica/MEC, 1999c.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio): Parte I - Bases legais. Brasília: Secretaria de Educação Básica/MEC, 2000.

BRASIL. PCN+ Ensino Médio: orientações curriculares complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

BRASIL, Ministério da Educação: Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares do Ensino Médio. Brasília, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação: Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Volume 1. Brasília, 2006a.

BRASIL. Ministério da Educação: Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza e suas tecnologias. Volume 2. Brasília, 2006b.

BRASIL. Ministério da Educação: Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências humanas e suas tecnologias. Volume 3. Brasília, 2006c.

CANDAU, V. M. Reformas educacionais hoje na América Latina. In: MOREIRA, A. F. B. (Org). Currículo: políticas e práticas. 4. ed. Campinas: Papirus, 2001

DEWEY, J. Experiência e educação. Editora vozes, 2002.

FERNANDES, F. C. Apresentação. In: Orientações Curriculares do Ensino Médio. Brasília, 2004.

GARCIA, J. A interdisciplinaridade segundo os PCNS. Revista de educação pública. Cuiabá. v.17, n. 35. 2008.

GIMENO SACRISTÁN. J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3.ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

GOODSON, I. As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. Petrópolis: Editora Vozes, 2008.

HUNGARO, E. M. A questão do método na constituição da teoria social de Marx. CUNHA, C.; SOUSA, J. V.; SILVA, M. A.; (Orgs). O Método dialético na pesquisa em educação. Campinas: Autores Associados, Brasília: Faculdade de Educação, UnB, 2014.

KUENZER, A. Z. O ensino médio agora é para a vida: entreo pretendido, o dito e o feito. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, v. 21, n. 70, p.15-39, 2000.

LODI, L. H. Subsídios para uma reflexão sobre o ensino médio. In: BRASIL, SEB. Orientações Curriculares do Ensino Médio. Brasília, 2004.

LOPES, A. C. Os parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio e a submissão ao mundo produtivo: o caso do conceito de contextualizaação. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, v.23, n. 80, p.389-403, 2002.

LOPES, A. C. Políticas curriculares: continuidade ou mudanças de rumo? Revista Brasileira de Educação. n. 26 Maio /Jun /Jul /Ago, 2004.

LOPES, A. C. Políticas de integração curricular. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

MACHADO, L. R. S. A institucionalização da lógica das competências no Brasil. Pro-Posições, Campinas, Editora da Unicamp, v. 131, n. 37, p. 92-110, jan./abr, 2002.

MOEHLECKE, S. O ensino médio e as novas diretrizes curriculares nacionais: entre recorrências e novas inquietações. Revista Brasileira de Educação, v.17, n. 49, jan-abr. 2012.

MOREIRA, A. F. B. Em busca da autonomia docente nas práticas curriculares no Brasil. In: OLIVEIRA, M. R. N. S.; PACHECO, J. A. (Orgs). Currículo, didática e formação de professores. Campinas, SP: Papirus, 2013.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

STRAVOU, S. La recontextualisation à l’épreuve de la sociologie empirique des curricula: éléments de recherche sur la « régionalisation du savoir » In. Frandji, D.; Vitale P. (dirs.). Actualité de Basil Bernstein. Savoir, pédagogie et société. Rennes: PUR, 2008.

TORRES SANTOMÉ, J. Globalização e interdisciplinariedade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

VEIGA, I. P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: VEIGA, I. P. A. Educação Básica e Educação Superior: projeto político-pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 2004.

ZIBAS, D. M. L. A reforma do ensino médio nos anos de 1990: o parto da montanha e as novas perspectivas. Revista Brasileira de Educação, n. 28, 2005.

Publicado
2020-12-11
Como Citar
SOARES JÚNIOR, N. E.; ROMEIRO, A. C. V. L. AS ORIENTAÇÕES CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO. Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. Especial, p. 946-955, 11 dez. 2020.