O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) NO BRASIL E A SOCIOLOGIA (2014 a 2018)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n2.51545

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Políticas curriculares, Sociologia

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar o processo de elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) entre 2014 e 2018 no Brasil. Desde as perspectivas de Basil Bernstein nos estudos sobre currículos, analisamos quatro documentos e suas propostas em três contextos políticos: a) a fase de consolidação da ideia de Educação Básica abrangente, da Educação Infantil ao Ensino Médio e dos direitos à aprendizagem (2012 a 2014); b) a fase da conciliação entre as perspectivas dos direitos da aprendizagem e das matrizes de conteúdos elaboradas no sistema de avaliação em larga escala (2015 e 2016) e posterior rompimento do debate nacional junto da reforma do Ensino Médio (2016 a 2017); c) a fase de finalização da BNCC, especialmente a parte do Ensino Médio (2017-2018). Demonstramos também o quadro das quatro propostas de BNCC e a situação da Sociologia nos respectivos documentos (2014; 2015; 2016; 2018). A análise indicou que a Sociologia presente nas quatro propostas foi capturada pelo discurso pedagógico hegemônico e predominante em cada debate. O discurso pedagógico ainda está codificado pelos persistentes embates dos princípios que organizam os currículos em torno dos componentes curriculares (disciplinas) ou do modelo das competências e habilidades.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ileizi Luciana Fiorelli Silva, Universidade Estadual de Londrina, Brasil.

Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), Professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e do Programa de Pós-Graduação de Sociologia; Coordenadora do Mestrado Profissional de Sociologia e da Especialização em Ensino de Sociologia.

Henrique Fernandes Alves Neto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná, Brasil.

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Professor do Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Referências

AZEVEDO, Gustavo Cravo. A base nacional comum curricular atropelada pela reforma do ensino médio: uma entrevista com Marcelo Burgos. Revista Perspectiva Sociológica, n.º 21, pp. 5-20, 2018. Disponível em: https://cp2.g12.br/ojs/index.php/PS/article/view/1738. Acessado em: 25 mar. 2020.

BERNSTEIN, Basil. A Estruturação do discurso pedagógico: classes, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

_______. A Pedagogização do conhecimento: estudos sobre recontextualização. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 120, p. 75-110, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742003000300005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acessado em: 03 mar. 2020.

_______. Pedagogy, Symbolic and Identity: Theory, research, critique. Lanham: Rowman & Littlefield, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular - 1ª versão. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/historico/. Acessado em: 10 abr. 2020.

_______. Base Nacional Comum Curricular - 2ª versão. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/historico/. Acessado em: 11 abr. 2020.

_______. Base Nacional Comum Curricular - 3ª versão. Ensino Médio. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/historico/. Acessado em: 20 abr. 2020.

______. Base Nacional Comum Curricular - 3ª versão. Sem o Ensino Médio. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/historico/. Acessado em: 23 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Por uma política curricular para a educação básica: contribuição ao debate da base nacional comum a partir do direito à aprendizagem e ao desenvolvimento. Versão Preliminar. Brasília: MEC, 2014.

BURGOS, Marcelo Baumann. O processo de construção da proposta da sociologia para a base nacional curricular comum (2015). In: SILVA, Ileizi Fiorelli; GONÇALVES, Danyelle Nilin (Org.). A Sociologia na Educação Básica. São Paulo: Annablume, 2017. p. 107 – 128.

CORREIRA LIMA, Alexandre Jeronimo. Teorias e métodos em pesquisas sobre ensino de sociologia. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Londrina, Centro de Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Londrina, 2012.

CORTINAZ, Tiago. A Construção da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o Ensino Fundamental e sua relação com os conhecimentos escolares. Tese de Doutorado (Programa de Pós-graduação em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

LOPES, Alice Casimiro. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas, v. 21, n. 45, p. 445-466, 2017. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/4581. Acesso em 3 mar. 2020.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: Novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, v.12, n. 3, p.1530-1555, out./dez., 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/21666. Acesso em: 10 abr. 2020.

MAINARDES, Jefferson; STREMEL, Silvana. A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Revista Teias, v. 11, n. 22, mai./ago., 2010. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24114. Acesso em: 12 mar. 2020.

MICHETTI, Miqueli. Entre a legitimação e a crítica: as disputas acerca da Base Nacional Comum Curricular. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 35, n. 102, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092020000100507&script=sci_arttext. Acesso em: 20 mar. 2020.

MORAIS, Ana Maria; NEVES, Isabel Pestana. A teoria de Basil Berstein: alguns aspectos fundamentais. Práxis Educativa, v. 2, n. 2, p. 115-130, jul./dez., 2007. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/313. Acesso em: 5 mar. 2020.

SANTOS, Mário Bispo. Diretrizes curriculares estaduais para o ensino de sociologia: em busca do mapa comum. Percursos, Florianópolis, v. 13, n. 01, p. 40 – 59, jan. / jun, 2012. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/2439/2066. Acesso em: 20 abr. 2020.

SILVA, Ileizi Luciana Fiorelli et al. A proposta da Base Nacional Comum Curricular e o debate entre 1988 e 2015. Ciências Sociais Unisinos, 2015, 51, 3: 330-42. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/csu.2015.51.3.10. Acesso em: 09 mar. 2020.

SILVA, Ileizi Fiorelli. A sociologia no ensino médio: os desafios institucionais e epistemológicos para a consolidação da disciplina. Revista Cronos, v. 8, n. 2, 12 maio 2012. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/1844. Acesso em: 10 mar. 2020.

SILVA, Monica Ribeiro da. Ampliação da obrigatoriedade escolar no Brasil: o que aconteceu com o Ensino Médio?. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., Rio de Janeiro , v. 28, n. 107, p. 274-291, 2020 . Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ensaio/v28n107/1809-4465-ensaio-S0104-40362019002701953.pdf. Acesso em: 7 mar. 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Downloads

Publicado

2020-04-20

Como Citar

FIORELLI SILVA, I. L.; ALVES NETO, H. F. O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) NO BRASIL E A SOCIOLOGIA (2014 a 2018). Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 262–283, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n2.51545. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/51545. Acesso em: 28 jan. 2022.