Os "SEM SENTIMENTOS"

sujeitos em marginalização e a linguagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.52994

Palavras-chave:

Socioeducativo, Necropolítica, Juventude, Subjetividade, Psicanálise

Resumo

Identificando como um dos efeitos da marginalização na subjetividade, o roubo da palavra íntima, a asfixia da fala singular que fuja do estreito repertório de discursos que já os precedem, há cerca de dois anos desenvolvemos oficinas em contextos variados com pessoas que, ou tenham passado pelo sistema penal, pelo socioeducativo, ou estejam efetivamente neles. Por percebermos que, de algum modo, se instaura uma grave dificuldade em se falar de sentimentos, ou seja, em se falar daquilo que nos compõe mas que não tem bem um contorno nítido, que não se mostra evidente nem para nós mesmos e justamente por isso é tão o que somos, fizemos dessa percepção o motivo para uma série de atividades com inspiração psicanalítica com jovens internos nas unidades CRIAAD e CAI – Baixada do Degase/RJ. Neste artigo, então, a expressão, comum de ser anunciada como uma característica “positiva” do criminalizado, o “sem sentimento”, encontrada escrita à lápis, inclusive, sobre uma das mesas da sala onde trabalhamos com eles, dispara uma costura entre alguns relatos de nossas oficinas e um repertório teórico dos estudos da subjetividade, notadamente, retirando consequências do conceito de necropolítica em Mbembe, no sentido de investigar como as subjetividades marcadas pela identificação como “matável” se divorcia falsamente de seus sentimentos, se fixando numa suposta frieza monstruosa que, em vida, facilita o convívio com sua morte enquanto que iminente.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gustavo Coelho, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Professor Adjunto da Faculdade de Educação da UERJ no Departamento de Estudos Aplicados ao Ensino, área de Educação Estética. Doutor em Educação pelo ProPEd/UERJ com estágio sanduíche na Université Paris V - Sorbonne. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd) - UERJ e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Comunicação e Cultura em Periferias Urbanas (PPGECC) - FEBF/UERJ.

Priscila Reis, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutoranda em Educação (Proped- UERJ), Mestre em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Especialista em História e Cultura Afro-brasileira e Africana pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; Graduada em Direito pela Universidade Estácio de Sá.

Aline Bemfica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.  Atualmente realiza pesquisa de pós-doutorado pela Fundação de Amparo à Pesquisa da cidade do Rio de Janeiro (FAPERJ/Pós-doc nota 10), na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: Promulgada em 05 de outubro de 1988. http://www2.planalto.gov.br. Acesso em 20 de janeiro de 2018.

BRASIL. Decreto-lei nº 3688, de 03 de outubro de 1941. Dispõe sobre a Lei das Contravenções Penais. Disponível em: <http://www2.planalto.gov.br>. Acesso em: 21 de janeiro de 2018.

BRASIL. Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 20 de janeiro de 2018.

BRASIL. Decreto-lei nº 2848, de 07 de dezembro de 1940. Dispõe sobre o Código Penal Brasileiro. Disponível em: <http://www2.planalto.gov.br/>. Acesso em: 20 de janeiro de 2018. . Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: : <http://www2.planalto.gov.br/>. Acesso em: 20 de janeiro de 2018.

CONANDA/SEDH. Diretrizes Nacionais para a Política de Atenção Integral à Infância e à Adolescência. Brasília, 2002

CONANDA/SEDH. Sistema Nacional De Atendimento Socioeducativo – SINASE. Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Brasília: CONANDA, 2006.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2007.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 24 ed. São Paulo: Edições Graal. 2007

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. e RABINOW, P. (Orgs) Michel Foucault: Uma Trajetória Filosófica. Rio de Janeiro. Forense Universitária, 1995.

LACAN, J. A agressividade em psicanálise. In Escritos . Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998, pp. 104-126.

MENESES, Elcio Resmini. Medidas Sócioeducativas: Uma reflexão jurídico pedagógica. Porto Alegre, 126 p. 2008.

ZIMERMAN, David E. Fundamentos psicanalíticos: teoria, técnica e clínica – uma abordagem didática. Porto Alegre: Artmed, 1999.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MILLER, Jacques-Alain. Uma fantasia. Revista Brasileira Internacional de Psicanálise. Opção Lacaniana, nº 42, 2005. Disponível em: <http://www.congresoamp.com/pt/template.php?file=Textos/Conferencia-de-Jacques-Alain-Miller-en-Comandatuba.html>. Acesso em: 10 out. 2016.

MILLER, Jacques-Alain. Clínica e cultura. In: MILLER, Jacques-Alain. Lacan elucidado: palestras no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. p. 287-385.

POLI, M. C. Clínica da Exclusão. A construção do fantasma e o sujeito adolescente. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

Downloads

Publicado

2020-10-23

Como Citar

COELHO, G.; REIS, P.; BEMFICA, A. Os &quot;SEM SENTIMENTOS&quot;: sujeitos em marginalização e a linguagem. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 426–434, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.52994. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/52994. Acesso em: 27 set. 2021.