CURRÍCULOS COTIDIANOS

questões quanto aos processos formativos e a produção de conhecimentos com professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.53206

Palavras-chave:

Currículo, Cotidiano, Processos formativos, Narrativas

Resumo

O artigo parte da compreensão de que escolas são espaços de produção de conhecimentos, sentidos e valores que tensionam a hegemonia na produção dos currículos. Compartilha do entendimento de que os saberes docentes produzem e operam redes de fazeressaberes que se constituem ao longo das trajetórias e em múltiplos contextos com os quais nos tornamos professores. Traz para a discussão resultados de pesquisa articulada a um projeto de extensãorealizado com professores da Educação Básica – Anos Iniciais do Ensino Fundamental – em escolas de rede pública de dois municípios do Rio de Janeiro. Através do trabalho com narrativas docentes discute a contribuição da produção de práticas formativas e curriculares mais solidárias e democráticas como formas de resistências a partir do cotidiano das escolas, produzindo conhecimentos que contribuam com uma formação de professores comprometida com a justiça cognitiva e social. A partir da pesquisa, se discutem caminhos teórico-metodológicos com os currículos, problematizados em processos de formação coletivos com os professores e pensados diante das imprevisibilidades, heterogeneidades e complexidade dos cotidianos escolares. Dentre os métodos priorizados para o desenvolvimento da pesquisa, adotamos estratégias de estudo e intervenção que incluem rodas de conversa e produção de narrativas (escritas e orais) que trazem à tona as redes de produção de saberes entre os professores.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alexandra Garcia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Educação, Professora Associada, Procientista UERJ e Jovem Cientista do Nosso Estado (FAPERJ), professora do Programa de Pós-graduação em Educação - processos Formativos e Desigualdade Sociais (PPGedu/FFP/UERJ) e do Programa de Pós-graduação em Educação (PROPEd-UERJ).

Nathália Azevedo Botelho, SME-Caxias/FME-Niterói

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação -Processos Formativos e Desigualdades sociais da Faculdade de Formação de Professores (PPGedu/FFP/UERJ), na linha de pesquisa Formação de Professores, História, Memória e Práticas Educativas. Professora efetiva nas Redes Municipais de Duque de Caxias e Niterói.

Referências

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho – o cotidiano na escola nas lógicas das redescotidianas. In: ALVES, N; OLIVEIRA, Inês Barbosa. (Orgs.). Pesquisa nosdoscom os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alii, 2008. p.130-151.

______. Sobre movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. Revista Teias: Rio de Janeiro, ano 4, nº 7-8, Jan./Dez. 2003. p.1-8.

ALVES, Nilda; GARCIA, Regina Leite. O sentido da escola. Rio de Janeiro, DP&A, 2002. p.128.

ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa. Uma história da contribuição dos estudos do cotidiano escolar ao currículo. In: LOPES, Alice Casemiro; MACEDO, Elizabeth. Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002. São Paulo: Cortez, 2002. p.78-102.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=02/07/2015&jornal=1&pagina=8&totalArquivos=72. Acesso em 04 abr. 2020.

______. Conselho Nacional de Educação CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019 -Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNE-CEB-002-2019-12-20.pd. Acesso em: Acesso em 04 abr. 2020

______. Resolução do Conselho Nacional de Educação nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf. Acesso em: 07 jun. 2020.

CARVALHO, Janete Magalhães. (2018). Redes de conversações como um modo singular de realização da formação contínua de professores no cotidiano escolar. Revista De Ciências Humanas, 2(2). Recuperado de https://periodicos.ufv.br/RCH/article/view/3572

CERTEAU, Michel. A invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p.319.

GARCIA, Alexandra. O encontro nos processos formativos: questões para pensar a pesquisa e a formação docente com as escolas. 37a Reunião Nacional da ANPEd – 04 a 08 de outubro de 2015, UFSC – Florianópolis. Disponível em: <http://www.anped.org.br>. Acesso em: 18 de abr. 2019.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

NÓVOA, Antonio. Firmar a posição como professor. Afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa v.47 n.166, out./dez. 2017. p.1106-1133.

OLIVEIRA, Inês Barbosa. Currículo e processos de aprendizagemensino: Políticaspráticas Educacionais Cotidianas. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, set./dez. 2013. p. 375-391.

______. Cotidianos aprendentes: Nilda Alves, Regina Leite Garcia e as lições nos/dos/com os cotidianos. Momento, v. 25, n. 1, jan./jun. 2016. p. 33-49.

SANCHES, Carmen; RIBEIRO, Tiago e SOUZA, Rafael de. (0rg.) Conversa como metodologia de pesquisa: uma metodologia menor? In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SANCHES, Carmen. Conversa como metodologia de pesquisa por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018. p. 21-40.

, Boaventura de Souza. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 31- 83.

SOUZA, Elizeu Clementino de. Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Educação, v. 39, n. 1, jan./abr. 2014. p. 39-50.

Zeichner, Kenneth; Diniz-Pereira, Júlio Emílio. Pesquisa dos educadores e formação docente voltada para a transformação social. Cadernos Pesquisa vol.35, n.125, 2005. p.63-80.

Downloads

Publicado

2020-11-09

Como Citar

GARCIA, A.; AZEVEDO BOTELHO, N. CURRÍCULOS COTIDIANOS: questões quanto aos processos formativos e a produção de conhecimentos com professores. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 531–543, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.53206. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/53206. Acesso em: 27 set. 2021.