Políticas e discursos de formação docente: a produção cotidiana de sentidos do 'Ser-Professor'

Autores

  • Alexandra Garcia
  • Inês Barbosa de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v3i2.9663

Resumo

O artigo provém de pesquisa que parte da compreensão de que assumimos e modificamos padrões que nos chegam de diversas formas e por meio de diferentes interlocuções na produção ordinária de nossos modos de compreender e Ser professor (Certeau, Maffesoli, Pais, Pereira). Trabalhamos com essa ideia para dialogar com as políticas de formação docente, nos textos que as definem e nos sentidos que assumem nos diferentes cotidianos de formação. O objetivo é compreender como se tecem diferentes formas de compreensão do Ser professor, presentes nas políticas nacionais e locais, seus diversos matizes específicos a esses contextos e as produções individuais de certa professoralidade, tecendo culturas de Ser professor produzidas nos e por esses diversos contextos. Para tanto, recorremos às contribuições de Ball (2001) acerca das políticas globais e suas relações com as políticas locais, bem como ao conceito do ciclo de políticas (BALL e BOWE, 2002). O uso do termo cultura apoia-se em Cevasco (2001), que o expressa com base nos trabalhos de Raymond Williams. A pesquisa desenvolve-se em cursos de licenciatura: Pedagogia, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Artes Visuais e História, em uma universidade privada do estado (RJ).

Downloads

Publicado

2011-03-25

Como Citar

GARCIA , A.; DE OLIVEIRA, I. . B. . Políticas e discursos de formação docente: a produção cotidiana de sentidos do ’Ser-Professor’ . Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 2, 2011. DOI: 10.15687/rec.v3i2.9663. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/9663. Acesso em: 7 dez. 2021.