EM OUTRAS PALAVRAS

Um currículo intercultural no ensino de História para alunos surdos

Palavras-chave: Currículo, Interculturalidade, Alunos surdos, Ensino de História

Resumo

O atual momento histórico tem sido marcado, em termos políticos e ideológicos, pelo ressurgimento do autoritarismo e do conservadorismo, colocando em xeque iniciativas no campo educacional pautadas pelo respeito e valorização das diferenças no cotidiano escolar. Em contraponto a esse contexto, o presente texto tem como objetivo propor uma atividade pedagógica que destaca os sujeitos surdos e seu protagonismo com vistas à construção de um currículo decolonial e inter/multicultural. Destaca-se a necessidade de tal currículo, com potencial para revelar, incorporar e respeitar a história dos surdos, sujeitos presentes na escola inclusiva. Problematiza-se a ausência dessa história no currículo da disciplina História e se apresenta uma possibilidade de inclusão da mesma utilizando o método documentário. O exemplo aqui abordado refere-se a um evento emblemático na luta da comunidade surda para romper com a colonização a ela imposta pelos ouvintes: a greve dos universitários surdos da Universidade Gallaudet (EUA), em 1988. Busca-se por meio de “outras palavras” promover a consciência histórica dos surdos, assim como um olhar mais respeitoso e empático pelos ouvintes.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Celeste Azulay Kelman, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília e professora associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Paulo José Assumpção dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor de História na Rede Municipal de Ensino do Município de Duque de Caxias no Rio de Janeiro.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. “Fazer defeitos nas memórias: para que servem o ensino e a escrita da história?” In: GONÇALVES, Marcia; ROCHA, Helenice; REZNIK, Luis; MONTEIRO, Ana Maria (Org.). Qual o valor da história hoje? Rio de Janeiro: FGV, 2012, p. 21-39.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Regimes de Historicidade: como se alimentar de narrativas temporais através do ensino de história. In: GABRIEL, Carmen Teresa; MONTEIRO, Ana Maria; MARTINS, Marcus Leonardo Bomfim (Orgs.). Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de história. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016, p. 21-42.

BARRAL, Julia; PINTO-SILVA, Flavio Eduardo; RUMJANEK, Vivian M. Vendo e aprendendo. In: LEBEDEFF, Tatiana Bolivar (Org.). Letramento visual e surdez. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2017, p. 95-127.

BOHNSACK, Ralf. A interpretação de imagens segundo o método documentário. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013, p. 114-134.

BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História: sociedade & cidadania, 6º-9º ano. 4. ed. São Paulo: FTD, 2018.

BRASIL. Decreto n.º 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em 15 jul. 2020.

BRASIL. Lei n.º 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em 15 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

CABRAL, Eduardo. Para uma cronologia da educação dos surdos. Revista de Comunicação, APECDA-Porto, n. 3, p. 35-53, 2005.

CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Pedagogia visual/sinal na educação de surdos. In: QUADROS, Ronice Müller; PERLIN, Gladis. Estudos surdos. Petrópolis: Arara Azul, 2007, p. 100-131.

CANDAU, Vera M. Ferrão (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009, p.12-42.

CARVALHO, Paulo Vaz de. Breve história dos surdos no mundo e em Portugal. Lisboa: Surd’Universo, 2007.

ESTÁTUA de manifestante negra é erguida no lugar da que lembrava escravista, Notícias UOL, 15 jul. 2020. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2020/07/15/estatua-de-manifestante-e-erguida-no-lugar-da-que-representava-escravista.htm>. Acesso em 15 jul. 2020.

IVENICKI, Ana. Multiculturalismo e formação de professores: dimensões, possibilidades e desafios na contemporaneidade. Ensaio: avaliação políticas públicas educacionais. Rio de Janeiro, v.26, n.100, p. 1151-1167, jul/set 2018.

KELMAN, Celeste Azulay. A importância da pedagogia visual no ensino para o aluno surdo – Relatório final da pesquisa (Edital FAPERJ n. 21/2010/Processo E-26/110.105/2011). [Rio de Janeiro, 2012].

KELMAN, Celeste Azulay. Multiculturalismo e Surdez: uma questão de respeito às culturas minoritárias. In: FERNANDES, Eulalia (Org.) Surdez e Bilinguismo. 7ª. ed. Porto Alegre: Mediação, 2015, p. 87-103.

LEBEDEFF, Tatiana Bolivar (Org.). Letramento visual e surdez. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2017, p. 226-251.

LIEBEL, Vinicius. A análise de charges segundo o método documentário. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013, p. 182-196.

MILLER, Ryan W. Gallaudet eyes more progress for deaf community 30 years after 'Deaf President Now' protest. USA Today, 03 abr. 2018. Disponível em: <https://www.usatoday.com/story/news/nation/2018/04/03/gallaudet-deaf-president-now-30-anniversary/464611002/>. Acesso em 15 jul. 2020.

MONTEIRO, Ana Maria Ferreira da Costa. Professores de história: entre saberes e práticas. 2. ed. Rio de Janeiro: Mauad X, 2010.

NAVEGANTES, Eva; KELMAN, Celeste Azulay; IVENICKI, Ana. Perspectivas Multiculturais na Educação de Surdos. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, vol. 24, n° 76, p. 1-14, 2016.

OLIVEIRA, Liliane Assumpção. Fundamentos Históricos, Legais e Biológicos da Surdez. Curitiba: IESDE Brasil S. A., 2012.

OLIVEIRA, Thabata Fonseca de; KELMAN, Celeste Azulay; MAIA, Maria Vitória Campos Mamede. Criatividade no ensino de Geografia para Surdos: propostas para uma aprendizagem melhor. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 25, n.1, p. 63-77, jan./mar. 2018.

PADOVANI NETTO, Ernesto. À margem da historiografia e sem acesso às aulas de História: cultura e identidade surda na luta pelas conquistas de direitos. História e Diversidade, Cárceres-MT, v. 9, n. 1, p. 126-143, 2017.

PERLIN, Gladis T. T. Identidades surdas. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016, p. 51-74.

PINHO, Sara Alexandra Santos; MENEZES, Isabel. Associativismo surdo: história e atualidade. In: COELHO, Orquídea; KLEIN, Madalena (Coord.). Cartografias da Surdez. Comunidades, línguas, práticas e pedagogia. Porto: Livpsic, 2013, p. 285-298.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RONNIE. DPN through the eyes of Yoon K. Lee. Hearing/loss, Atlantic Canada, 13 out. 2006. Disponível em: <http://hearingloss.blogspot.com/2006/10/dpn-through-eyes-of-yoon-k-lee.html>. Acesso em 15 jul. 2020.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENEZES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Paulo José Assumpção dos. Ensino de História para alunos surdos em classes inclusivas: práticas e propostas. 2018. 204 fls. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de História) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

SKLIAR, Carlos. Os Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016, p. 7-32.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

STROBEL, Karin Lilian. Surdos: vestígios culturais não registrados na história. 2008. 176 fls. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera M. Ferrão (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009, p.12-42.

Publicado
2020-12-11
Como Citar
KELMAN, C. A.; SANTOS, P. J. A. DOS. EM OUTRAS PALAVRAS. Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. Especial, p. 808-819, 11 dez. 2020.